Carlos Lima
Hoje dia 10/12/2018 às 17:26:32

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 20/09/2018 às 08:38:56

A Alemanha está em choque com o entendimento da direita brasileira sobre o nazismo

A Alemanha está em choque com o entendimento da direita brasileira sobre o nazismo Hitler comandante do nazismo na Alemanha

Mais uma vez, as redes sociais foram tomadas por um debate sem sentido sobre o nazismo. Setores da direita brasileira insistem na teoria de que o nazismo teria sido um regime adotado por simpatizantes de ideologias à esquerda.

O retorno da discussão sobre o tal nazismo de esquerda se deu após a publicação de um vídeo na página do Facebook da Embaixada da Alemanha em Brasília sobre a luta dos alemães para não esconder o passado.

A ideia era alertar para as ameaças oferecidas pelo regime comandado por Adolf Hitler, que resultou no Holocausto e na morte de mais de 6 milhões de judeus.

Em meio à polarização provocada pelas eleições brasileiras, grupos de militantes da direita do Brasil protestaram contra o conteúdo divulgado.

Eles defendem a tese de que o nazismo não pode ser classificado como um movimento de extrema direita.

O que mais incomodou estas pessoas foi o trecho de uma fala do ministro do Exterior alemão, Heiko Mass, dizendo que “devemos nos opor aos extremistas de direitas, não devemos ignorar, temos que mostrar nossa cara contra neonazistas e antissemitas”.

Foi o suficiente para o surgimento de narrativas mirabolantes, como de acusar a Alemanha de seguir uma linha defendida por Karl Marx. “A Alemanha foi infestada por vermelhinhos no pós-guerra. É claro que eles vão distorcer tudo e jogar na conta da direita”, disse um dos internautas.

As afirmações provocaram choque entre os diplomatas alemães.

Eles ressaltam que tal debate nunca foi pauta no país europeu. Em entrevista à rede de TV pública alemã, Kai Michael Kenkel, professor do Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio e pesquisador associado do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (Giga), afirmou que “lá é muito simples: trata-se de extrema direita e ponto.

Essa discussão sobre ser de esquerda ou direita parece existir só no Brasil. Se você perguntar para um neonazista na Alemanha se ele é de esquerda, vai levar uma porrada”.

O professor apontou ainda a falta de conhecimento histórico destes grupos.

“Essa falsa polêmica demonstra que o ensino de história é profundamente falho no Brasil. Também mostra uma profunda manipulação dos fatos e um desprezo pela verdade entre alguns setores no Brasil”.

A necessidade de prestar os esclarecimentos devidos foi tão grande, que o Embaixador da Alemanha no Brasil teve que se pronunciar.

Falando ao jornal O Globo, Georg Witschel, classificou como ‘besteira completaa ideia de que o nazismo não se relaciona com pensamentos extremamente conservadores.

“É uma besteira argumentar que o fascismo e o nazismo são movimentos da esquerda. Isso não é fundamentado, é um erro, é simplesmente uma besteira. Isso é um fato bem fundamentado na História. É um consenso entre os historiadores da Alemanha e do mundo que o nazismo foi um movimento de extrema direita”, salientou.

Segundo Witschel, a presença da palavra socialismo no nome do partido nazista (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães), foi uma estratégia usada para gerar apelo aos trabalhadores e setores mais pobres da população.

“Lembremos de quantos regimes brutais usam a palavra ‘democrata’ em seu nome”.

O vídeo publicado na página da diplomacia alemã não pretendia dialogar com a direita brasileira.

Na verdade, o conteúdo foi postado por causa das manifestações de extrema direita ocorridas na Alemanha entre o final de agosto e o início de setembro na cidade de Chemnitz, no Leste do país.

A marcha contou com a presença de grupos xenófobos, que perseguiram estrangeiros depois da morte de um alemão, supostamente assassinado em uma briga com dois imigrantes.

O embaixador reforçou a obrigação do Estado de “informar sobre o nazismo, para nunca mais deixar nada parecido acontecer na Alemanha ou no mundo. A História está bem viva na Alemanha, com um alto consenso”.

Mesmo assim, historiadores seguem sem entender a insistência de alguns brasileiros em dar uma ‘aula de história’ sobre nazismo aos alemães.

Comentários

comentários

Veja também