Carlos Lima
Hoje dia 17/11/2018 às 15:12:19

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 22/05/2018 às 09:57:05

A justiça desmoralizada é a justiça que o povo não quer

A justiça desmoralizada é a justiça que o povo não quer

Se você procurar enxergar a justiça brasileira por qualquer anglo,  você não conseguirá ver imagens límpidas, elas estarão bem turvas e completamente deformadas.

Sabe qual é a verdade?

Não enxergaremos justiça!

O Judiciário do nosso país tem se esforçado muito para descer ao subsolo da confiança do povo brasileiro.

E por incrível que pareça tem conseguido!

As informações trazidas à luz na segunda-feira, 14 de maio, pelo instituto MDA, em parceria com a CNT, mostram um Brasil desesperançado com sua Justiça.

Os entrevistados retiram a venda dos olhos da imagem de uma justiça imparcial: 90,3% dos cidadãos ouvidos afirmam que a Justiça brasileira não atua de forma igual com seu povo.

Somente 6,1% dos consultados consideram que ela (a Justiça) justifica sua venda e trata todos de forma igual.

A balança, que deveria significar equilíbrio e ponderação, tem seus pratos revirados pelos números da pesquisa.

O desempenho da Justiça no Brasil é negativo para 55,7% (ruim ou péssima) dos entrevistados, e apenas 8,8% avaliam que seu desempenho é positivo (ótima ou boa).

A espada desembainhada e disposta no colo da Senhora Justiça, sentada na porta do Supremo Tribunal Federal, mostrando força, é contrariada pelos homens e mulheres do Brasil.

Nada mais e nada menos que 89,3% dos brasileiros confiam pouco ou não confiam na Justiça brasileira.

Míseros 6,4% admitem uma Justiça muito confiável.

Ao enterrar a imagem de uma instituição imparcial (de olhos vendados), equilibrada (a balança ponderada) e com força (a espada sobre o colo) os brasileiros mostram o tamanho do buraco que a Justiça está metida: quando a pergunta é “Instituição na qual o entrevistado mais confia”, somente 8,6% respondem que confiam na Justiça.

Portanto, a frase dita pelo deputado federal Wadi Damous (PT/RJ) de que o “STF deve ser fechado”, admitida como verdadeira, corre o risco de ter grande audiência na opinião pública e deixar alguns ministros da Corte Superior numa saia justa.

Exatamente pelo fato de terem propagado pelos quatro cantos do país que as decisões da Justiça brasileira devem estar em sintonia com a opinião pública.

Ora, se a opinião pública não confia na justiça praticada no Brasil, por que aceitar suas decisões como justas?

Se não regula as relações políticas, sociais, culturais e econômicas com parcimônia, equilíbrio e ponderação, por que acreditar em sua balança?

Se não faz prevalecer a Constituição Federal, por acreditar nela?

Por que acreditar que sua força produz justiça se o seu manto continua a proteger os poderosos e a desamparar os mais fracos? Como crer numa Justiça que mostra opções partidárias? Se não garante a democracia expressada aos borbotões no texto constitucional, por que acreditar que suas resultantes serão em benefício das relações democráticas?

A Corte Suprema brasileira precisa urgentemente, como exemplo, abandonar a ideia de adotar como bússola a opinião pública, ou publicada, pois invariavelmente não é uma boa companhia para sua orientação em busca da justiça.

Além disto, o STF precisa abandonar suas apresentações ao vivo de autodestruição e muitas vezes de ridículo.

A cada dia que passa o Supremo deixa de tranquilizar o país e ajuda a tencionar mais a sociedade.

Afinal, se os próprios Ministros não se respeitam e patrocinam agressões, por que os cidadãos procurariam relações civilizadas?

Tudo isto sem considerar as decisões desarranjadas, contraditórias, moralistas e politizadas que mais confundem do que esclarecem o país.

Efetivamente existem razões para esta desconfiança no Judiciário brasileiro.

cljornal com informações de João Paulo Cunha

Comentários

comentários

Veja também