Carlos Lima
Hoje dia 26/02/2020 às 03:00:24

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 19/01/2020 às 15:22:25

Bolsonaro quer mais ódio para as ruas explodirem e ele implantar regime de horror

Bolsonaro quer mais ódio para as ruas explodirem e ele implantar regime de horror Implantação do regime de terror

Richard Wagner estava morto há décadas quando Hitler subiu ao poder na Alemanha e buscou na música do alemão a gênese dos heróis- seus poderes de superar as próprias fraquezas, suas vontades de potência- para reacender aquilo que ele acreditava que a primeira guerra mundial havia destruído no país: a identidade daquele povo.

Não por responsabilidade de Wagner mas a associação da música dele a Hitler fez com que as belezas de suas composições fossem banidas por décadas de Israel.

Roberto Alvim, da Cultura de Bolsonaro, usou a música de Wagner associada ao nazismo. Gerou repulsa na comunidade israelita, no mundo democrático etc.

O discurso deste Goebbels tropical tinha ao fundo o prelúdio de Lohengrin, de Wagner, o herói cristão. Essa mesma música foi usada no filme O Grande Ditador, de Chaplin, no final, quando ele faz o famoso discurso de paz entre os homens.

A diferença é que Alvim usou elementos do nazismo para promover seu prêmio para as artes: acertou no alvo. Se a ferida sangrou, na cabeça dele, a história é outra.

Outra diferença: a música não embalou o discurso pela paz. A era Bolsonaro incita ao crime, à violência, todos os dias. A explosão ainda não aconteceu. Mas o caldeirão está fervendo.

Os índios vão reagir quando suas reservas forem destruídas para a exploração de minerais- entre eles, o petróleo; os sem-terra vão reagir quando corpos de seus irmãos forem enfileirados.

E quem mais?

Muita gente. Na ditadura, os grupos armados de reação ao regime serviam como resposta à violência, com mais violência.

Bolsonaro inflama ódio todos os dias para fazer as ruas explodirem. Daí, vai implantar um regime de força. Como fez Hitler.

Estranho é o silêncio das instituições democráticas. Usar elementos do nazismo associados a uma política de Estado não é crime?

Parece que não.

Odilon Rios

Comentários

comentários

Veja também