Chamado de energúmeno por Bolsonaro, Paulo Freire será homenageado no Senado

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Paulo Freire

O Senado Federal aprovou, nesta terça-feira 17, um requerimento para a realização de uma sessão solene em homenagem ao educador Paulo Freire. O pedido, feito pelo senador Weverton Rocha (PDT-MA), é uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que chamou o educador de “energúmeno”.

O requerimento foi assinado por vários senadores, inclusive o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO). A previsão é de que a sessão no plenário seja realizada em 4 de maio de 2020, mês em que a morte de Freire completará 23 anos.

Bolsonaro fez afirmações contra Paulo Freire e também contra a TV Escola nesta segunda-feira 16, na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre a descontinuidade do contrato com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), gestora da TV Escola, para 2020.

“Era uma programação [da TV Escola] totalmente de esquerda, ideologia de gênero, dinheiro público para ideologia de gênero. Então, tem que mudar. Reflexo, daqui a 5, 10, 15 anos vai ter reflexo. Os caras estão há 30 anos [no ministério], tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire da vida, esse energúmeno, ídolo da esquerda”, disse o presidente na ocasião.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) recomendou que Bolsonaro estude Paulo Freire. “Você falar, querer acabar com a TV Escola? Atribuir esse adjetivo de energúmeno a Paulo Freire?

Eu não posso me calar. Paulo Freire nos faz pensar, ele nos ensina a pensar. Eu queria sugerir ao presidente da República que procedesse a leitura de algumas obras de Paulo Freire”, disse.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP) lembrou o reconhecimento internacional do educador e fez uma comparação da importância histórica entre Bolsonaro e Paulo Freire.

“O lugar de um: o panteão dos heróis da história; o lugar de outro: a lata do lixo da história a que ele caminha a passos largos”, disse.

Carta Capital

OUTRAS NOTÍCIAS