Carlos Lima
Hoje dia 15/12/2017 às 00:41:03

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 27/10/2017 às 10:55:11

COMPRA DE VOTOS DE TEMER É CRIME CONTRA A SOCIEDADE BRASILEIRA, DIZ LULA

COMPRA DE VOTOS DE TEMER É CRIME CONTRA A SOCIEDADE BRASILEIRA, DIZ LULA Lula Foto: Ricardo Stuckert

No dia em que completa 72 anos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou mais um dia de sua caravana por Minas Gerais concedendo entrevista à rádio Itatiaia em Montes Claros.

Questionado sobre a votação da Câmara que anistiou Michel Temer da denúncia de liderar uma organização criminosa e de obstrução de Justiça, Lula disse que a compra de votos de deputados realizada por Temer é um “crime contra a sociedade brasileira”. “A verdade é que o Temer gastou quase 30 bilhões de reais para conseguir ficar na presidência da República. Se isso for verdade, isso é uma coisa criminosa contra a sociedade brasileira, porque não tem dinheiro para melhorar a Saúde, a Educação, as pesquisas nas universidades estão diminuindo, e de repente a gente ouve pela TV, pelo rádio que o presidente gastou 30 bilhões para se manter na Presidência”, disse Lula.

Lula foi perguntado se acredita que a presidente deposta Dilma Rousseff seja candidata ao Senado por Minas Gerais, já que lidera a preferência do eleitor mineiro. Lula disse que não saberia dizer se a Dilma irá disputar uma vaga no Senado e voltou a criticar o golpe contra a presidente legítima. “O que fizeram com a Dilma foi uma sacanagem ímpar. Essa mesma maioria que está salvando o Temer votou para afastar a Dilma”, afirmou.

O ex-presidente também elogiou a história e o legado do ex-vice-presidente José Alencar. “Zé Alencar foi o melhor vice-presidente que o Brasil já teve”, afirmou. Durante sua passagem por Montes Claros, Lula irá visitar a Coteminas, que é presidida pelo filho de José Alencar, Josué Alencar. Lula, no entanto, evitou comentar se faria uma nova aliança política com a família Alencar. “Não é o momento de falar em candidaturas ainda. O propósito dessa caravana é voltar a Minas e entender os avanços e retrocessos”, afirmou.

Leonardo Attuch

Comentários

comentários

Veja também