Carlos Lima
Hoje dia 05/04/2020 às 19:46:23

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 07/03/2020 às 13:17:44

General diz que foi exonerado por resistir à nomeação do padrinho de Flávio Bolsonaro

General diz que foi exonerado por resistir à nomeação do padrinho de Flávio Bolsonaro General Décio Brasil

O ex-secretário do Esporte, general Décio Brasil, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo que acredita ter sido exonerado por relutar em colocar Marcelo Magalhães, padrinho de casamento do senador Flávio Bolsonaro, em sua secretaria. Magalhães acabou assumindo a pasta no lugar de Brasil.

“Talvez isso tenha desagradado o presidente, porque a minha exoneração já foi junto com a nomeação dele para o meu lugar”, disse o general.

Segundo ele, é difícil identificar outro motivo para a sua exoneração: “O resultado do nosso trabalho foi muito bom. E, de repente, fui surpreendido com a exoneração. Não esperava. Acho que o principal motivo foi o fato de eu ter sido reticente na nomeação do Marcelo Magalhães para o escritório do Rio—Escritório de Governança do Legado Olímpico, órgão que administra o Parque Olímpico da Barra”.

Décio explica que não conhecia Marcelo e que “precisava de alguém da minha confiança lá porque a documentação ia do Rio para Brasília, para ordenar despesas”. Segundo o ex-secretário, o presidente garantiu que o indicado era da confiança dele, mas o general permaneceu resistente.

Apesar da relutância, Décio aceitou nomear o indicado, mas conta que teve problemas na relação com Marcelo: “Ele disse que não ia me dar satisfação, mas ele me devia satisfação, porque o escritório do Rio é subordinado à secretaria. Ele falou que não ia conversar comigo, que só ia conversar com o ministro, com o presidente ou com o senador”.

Décio explica que ficou numa “saia-justa” com um subordinado que não se comunicava com ele. “Ele [Marcelo] tomou dia 5 de fevereiro, eu chamei ele pra uma reunião, ele não foi. Nunca vi ele pessoalmente”, afirmou.

O ex-secretário afirma que Marcelo é um conhecido antigo do presidente, mas que Jair Bolsonaro havia compreendido que Décio gostaria de alguém de confiança própria como chefe. “Acho que as reportagens começaram a incomodar o presidente. Como o presidente é impulsivo, ele tomou essa decisão”, avalia. “O ministro Onyx que me transmitiu que ele precisaria do meu cargo, um dia antes da publicação no Diário Oficial. Não disse nada além disso. A reunião não demorou mais de três minutos.”

Décio lamenta a saída do cargo e considera que fez um bom trabalho. “Infelizmente, o nosso trabalho está sendo jogado no lixo e a gente fica frustrado. A gente tava trabalhando pelo Brasil, pelos atletas, pelas comunidades esportivas”, completa.

Marcelo Magalhães substituiu Décio oficialmente no comando da secretaria de Esportes no dia 28 de fevereiro.

Comentários

comentários

Veja também