Carlos Lima
Hoje dia 22/08/2019 às 04:26:08

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 29/07/2019 às 15:53:31

Manifesto pela lucidez. Por Nilson Lage

Manifesto pela lucidez. Por Nilson Lage

Todos nós combatemos grandes e pequenas guerras, geralmente extensões daquelas que travamos com nós mesmos: o desejo, a higiene, o silêncio, a gentileza, as convenções sociais, o traje…

Com a globalização, para esvaziar o que achavam ser o “poder sedutor” do marxismo, os senhores ricos, há meio século, recorreram aos comportamentistas — psicólogos de variante pouco sofisticada da reflexologia —, para impor causas edificantes “alheias à luta de classes”.

Estas passaram a ser estimuladas por fundações do grande capital manipulando verbas de renúncia fiscal dos países centrais: a sublimação da natureza e do indivíduo, a exaltação do passado (o romance épico), das culturas subjugadas (o indigenismo) e comportamentos desviantes da moral dominante.

O modus operandi dessas campanhas embute a lógica binária do pensamento anglo-germânico — a que reduz o confronto à guerra e acredita que a contradição deve ser exposta e conduzida a extremo radical para ser solucionada.

Na verdade, isso se aplica, no marxismo (que é formulado no quadro da filosofia alemã, invertendo a dialética de Hegel), ao confronto das classes sociais, “motor da História” — mas só insensatos a proporiam como remédio para tensões complementares (como a dos sexos biológicos ou idealizados), na disputa com outros seres vivos por espaço na natureza ou quando o combate, em si, é destrutivo para o universo em que se movem ambos os contendores.

É este nosso caso.

No apocalipse anunciado pelo excremento da Besta que nos governa, não há ganho nem para os negros nem para os brancos (já que os mestiços, que são maioria, decretou-se que não existem ou não importam); as fêmeas ou os machos; os castos e os impuros; os caretas e os chapados.

Todos perdem.

O episódio recente do enfarte, durante interrogatório na polícia, do herdeiro de um império industrial falido cujo pai morrera há algum tempo em idênticas circunstâncias; o desemprego que a liquidação das indústrias de infraestrutura, de construção civil e naval brasileiras provocou e será inevitável nas indústrias aeronáutica, audiovisual, sabe-se lá onde mais,

O assassinato das artes, entregues não a conservadores, mas a incompetentes e a picaretas; a podridão que envolve a família Bolsonaro e a exploração da pobreza na periferia do Rio por grupos de assassinos e ladrões chamados de milícias;

A evidente idiotia e turbação mental de ministros como Damares ou Ernesto Araújo, e a ganância estelionatária de outros, como Paulo Guedes; o esvaziamento do “soldado verde” e exaltação do “soldado amarelo” dos causos nordestinos — tudo isso nos aponta para a necessidade de nos unirmos para que a sobrevivência de todos nós: nossa nação, aquilo que fizemos no passado e de que podemos nos orgulhar.

O que ocorre, na raiz dos fatos políticos do presente, é a divisão entre os grupos financeiros dominantes no mundo, parte dos quais insiste na globalização por outro caminho: nacionalismos de fachada, atavismo cultural, totalitarismo com apoio de massas — ou, simplificando, o fascismo revisitado.

Nesse contexto, nossos inimigos não são “os militares”, “os bacharéis”, “os burocratas”, “o Judiciário”, “os empresários”: todas essas corporações estão infiltradas de inimigos, mas nelas também estamos nós ou os que são como nós.

Os regimes militares aconteceram há mais de três décadas; assassinatos e torturas frequentam ainda nossas prisões, os campos, as florestas, as periferias. São coisa atual, e não passada e os governos de generais nos legaram algumas das obras valiosas que os vândalos e estúpidos estão demolindo.

As contradições mantidas por convencimento se retroalimentam pelo ódio e pela facilidade que é se livrar de problemas reais apenas ao apontar culpados, base de toda retórica dos fascismos, o novo e os antigos.

NILSON LAGE

Comentários

comentários

Veja também