Carlos Lima
Hoje dia 23/09/2018 às 04:27:26

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 10/03/2018 às 12:26:45

PARENTE TERÁ QUE EXPLICAR POR QUE DESEMPREGA NO SUL E CONTRATA NA CHINA

PARENTE TERÁ QUE EXPLICAR POR QUE DESEMPREGA NO SUL E CONTRATA NA CHINA De quebra vai as nossas riquezas

O deputado Marco Maia (PT-RS) solicitou ontem (8) à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Tribunal de Contas da União (TCU) que investiguem o cancelamento unilateral pela Petrobras do contrato de construção e montagem de duas plataformas petrolíferas, a P-71 e a P-72.

As estruturas estavam praticamente prontas no Polo Naval de Rio Grande (RS), e agora estão sendo vendidas como sucata para a metalúrgica Gerdau. O deputado pretende que o desperdício e o prejuízo causados aos cofres públicas e à sociedade sejam apurados.

Recentemente, a Petrobras encomendou a uma empresa chinesa novo material para montar novamente as mesmas plataformas, desta vez no estado do Espírito Santo.

Na representação protocolada por Marco Maia na PGR, e também assinada pelo líder da bancada do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS) e pelo vereador do PT de Rio Grande Benito Gonçalves, o Benito Metalúrgico, é solicitado à procuradora-geral, Raquel Dodge, a instauração de um inquérito criminal contra o presidente da Petrobras, Pedro Parente.

Ele é acusado de ser o responsável direto pelo prejuízo causado com a venda de 80 mil toneladas de peças e aço que seriam das plataformas P-71 e P-72, vendidas como sucata.

A representação acusa Parente de “jogar no lixo vultosos investimentos alocados para a construção das plataformas”. “Por outro lado, novos e vultosos investimentos serão feitos agora na China, e posteriormente no Espírito Santo, para a construção das mesmas plataformas que poderiam ser concluídas no Estaleiro Rio Grande”, diz o documento.

A ação afirma ainda que as condutas imputadas ao executivo podem ser classificadas como “prática de improbidade administrativa, sem prejuízo do aprofundamento da investigação, até mesmo sob a perspectiva criminal”.

Além dos prejuízos aos cofres públicos, na outra representação entregue pessoalmente à ministra Ana Arraes, do TCU, Maia e o vereador Benito Metalúrgico ressaltam que a paralisação da montagem das plataformas causou enorme prejuízos econômicos e sociais a cidade de Rio Grande e região.

Ao pedir investigação do órgão de controle, o documento afirma que a decisão tomada pela Petrobras causou “o desemprego de milhares de trabalhadores que agora não têm perspectivas de recolocação no mercado de trabalho, dívidas a empresários que investiram na expansão dos negócios e que estão sem dinheiro para honrar os compromissos firmados, além do aumento do índice de criminalidade”.

Para Maia, o desperdício de recursos causado pela decisão do presidente da Petrobras é inadmissível em um país que passa por tantos problemas.

“Não é razoável que em um país que enfrenta tantas dificuldades em áreas como a saúde, educação e nas políticas sociais haja esse tipo de desperdício praticado pela principal empresa do país. Estamos firmes para impedir que esse crime aconteça contra o patrimônio e o povo brasileiro”, ressaltou.

Leonardo Attuch

Comentários

comentários

Veja também