Carlos Lima
Hoje dia 23/10/2019 às 05:12:31

Nacional
Carlos Lima | Publicado em 21/06/2019 às 12:27:32

PM da reserva amigo da família Bolsonaro assume Secretaria-Geral da Presidência

PM da reserva amigo da família Bolsonaro assume Secretaria-Geral da Presidência Foto: Reprodução Facebook Jair Bolsonaro

 O subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, Jorge Francisco de Oliveira, será o novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência. Ele vai ocupar o cargo do general Floriano Peixoto, transferido nesta quinta (20) para o comando dos Correios.

A transferência de Oliveira foi anunciada nesta sexta-feira (21) pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Advogado e policial militar da reserva, Oliveira é tido como um dos nomes de mais confiança do presidente no Palácio do Planalto.

Antes de assumir a função no governo, Oliveira era assessor do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na Câmara. A relação com a família Bolsonaro é longa. O pai do atual subchefe assessorou o presidente por mais de 20 anos na Casa.

“[O Oliveira] me acompanha há mais de 10 anos, 15 anos. É o prefeito do Planalto. Desejo a ele boa sorte, felicidades e mais do que isso, temos plena confiança no trabalho dele, como tínhamos no do Floriano”, disse o presidente, em entrevista no Planalto nesta sexta-feira.

O nome do Secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, estava entre os cotados, mas perdeu força nos últimos dias. O anúncio do nome de Oliveira foi feito logo após uma reunião entre Bolsonaro, o porta-voz do governo, Otávio do Rêgo Barros, e outros auxiliares.

A troca no comando da Secretaria-Geral ocorre na sequência de mudanças na estrutura ministerial do Palácio do Planalto.

Na quarta (19), o presidente publicou em edição do Diário Oficial da União uma medida provisória que altera as atribuições de três das quatro pastas que ficam no prédio.

Numa das mudanças, a Secretaria-Geral passa a ter sob seu comando a imprensa nacional (responsável pela publicação do Diário Oficial, por exemplo) e a SAJ (subchefia de Assuntos Jurídicos).

Essa é a segunda troca na pasta desde que Bolsonaro tomou posse. A pasta já foi comandada pelo ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno, demitido em fevereiro em meio ao escândalo dos laranjas revelado pela Folha de S.Paulo.

A mudança representa um rebaixamento para Floriano. Ao presidir os Correios, estará vinculado ao ministro Marcos Pontes, da Ciência, Tecnologia, Inovações e e Comunicações.

Na semana passada, em café da manhã com jornalistas, Bolsonaro disse que demitiria o presidente dos Correios por ele ter se comportado como “sindicalista”.

A justificativa seriam seus gestos durante audiência pública na Câmara. Desagradou o presidente o fato de o general ter tirado foto com parlamentares de esquerda e de ter dito que não haverá privatização dos Correios, como é planejado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

A saída de Floriano representa a quarta baixa de generais no governo. Além dele, Bolsonaro demitiu na semana passada Carlos Alberto dos Santos Cruz da Secretaria de Governo.

Outros generais que deixaram cargos no governo foram Franklimberg Ribeiro de Freitas, que presidia a Funai, e Juarez Aparecido de Paula Cunha, que saiu do comando dos Correios na terça (19).

FolhaPress SNG

Comentários

comentários

Veja também