Pronunciamento isola Bolsonaro. Insatisfação com presidente aumenta entre políticos

Brasil na escuridão com Bolsonaro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
A escuridão do governo Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contrariou todas as recomendações sanitárias e as experiências de outros países diante da pandemia causada pela covid-19, em um pronunciamento, nesta terça-feira (24) feito em rede nacional de rádio e televisão.

Em resposta, governadores, líderes de partidos no Congresso Nacional e os presidentes das casas legislativas criticaram o posicionamento do presidente e o tom de impeachment começa a ganhar força entre diferentes espectros políticos.

Durante o pronunciamento, o capitão reformado pediu para a população brasileira que volte à normalidade, mesmo com cerca de 360 mil casos confirmados e 16 mil mortes decorrentes do novo coronavírus em todo o mundo.

Enquanto falava em rede nacional, o Brasil registrava 2.201 casos confirmados e 46 mortes.

Um relatório produzido pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) obtido pelo The Intercept Brasil faz uma projeção de que o número de mortes pode chegar a 5.571 em apenas duas semanas.

Bolsonaro voltou a falar em “histeria”, “gripezinha” e criticou prefeitos e governadores que optaram pelo fechamento de escolas e do comércio a fim de frear o avanço da contaminação.

“Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transporte, o fechamento de comércio e o confinamento em massa”, disse.

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi um dos primeiros a se manifestar publicamente após o pronunciamento. Em nota assinada junto com o vice-presidente do Senado Federal, Antonio Anastasia (PSD-MG), classificaram como “grave” a fala do presidente da República e afirmaram que o país precisa “de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população”.

“Reafirmamos e insistimos: não é momento de ataque à imprensa e a outros gestores públicos. É momento de união, de serenidade e equilíbrio, de ouvir os técnicos e profissionais da área para que sejam adotadas as precauções e cautelas necessárias para o controle da situação, antes que seja tarde demais”, declaram Alcolumbre e Anastasia.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parabenizou o posicionamento de Alcolumbre e afirmou nas redes sociais que o “pronunciamento do presidente foi equivocado ao atacar a imprensa, os governadores e especialistas em saúde pública” e avisou que desde o início da crise “vem pedindo sensatez, equilíbrio e união”.

“O momento exige que o governo federal reconheça o esforço de todos – governadores, prefeitos e profissionais de saúde – e adote medidas objetivas de apoio emergencial para conter o vírus e aos empresários e empregados prejudicados pelo isolamento social”, afirmou Maia.

Rodrigo Maia
✔@RodrigoMaia

Desde o início desta crise venho pedindo sensatez, equilíbrio e união. O pronunciamento do presidente foi equivocado ao atacar a imprensa, os governadores e especialistas em saúde pública.
Rodrigo Maia

✔@RodrigoMaia

O momento exige que o governo federal reconheça o esforço de todos – governadores, prefeitos e profissionais de saúde – e adote medidas objetivas de apoio emergencial para conter o vírus e aos empresários e empregados prejudicados pelo isolamento social.

Caroline Oliveira

OUTRAS NOTÍCIAS