Carlos Lima
Hoje dia 21/11/2017 às 17:41:55

Polícia
Carlos Lima | Publicado em 08/07/2017 às 13:12:56

Protesto na Unilab termina com reitor e estudantes na Polícia Federal

Protesto na Unilab termina com reitor e estudantes na Polícia Federal Após protesto, estudantes e o reitor da Unilab tiveram que prestar depoimento na sede na Polícia Federal

Protesto de estudantes da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), em Redenção, a 55 km de Fortaleza, terminou em tumulto e com alunos e o reitor, o médico Anastácio de Queiroz, na sede da Polícia Federal na Capital.

Ontem, em meio à manifestação, o reitor, ao tentar sair do campus, foi abordado por alunos. Conforme versão dos estudantes, Anastácio teria empurrado três alunos para conseguir entrar no carro. Duas das estudantes, professores da instituição, e o reitor prestaram depoimentos na PF.

A reivindicação do alunos era de que a Reitoria alterasse a decisão publicada como aditivo na última quarta-feira, 5, de retirar as assistências à moradia e à alimentação de todos os novos alunos estrangeiros ingressantes na Unilab a partir do processo seletivo em aberto, sob justificativa de “indisponibilidade orçamentária”.

O auxílio é tido pelos alunos de países africanos como Guiné-Bissau, Cabo Verde e Moçambique como de fundamental importância para a permanência deles no País. A retirada, segundo estudantes e professores, põe em risco a internacionalização em que se baseia o projeto da universidade.

Na sede da PF, a estudante Caroline Lacerda, 23, relatou que o protesto acontecia no saguão do Campus da Liberdade, quando o reitor, ao se encaminhar para o carro, foi interpelado por alunos que desejam entregar a ele uma nota assinada pelos movimentos estudantis.

Conforme a aluna, o reitor teria reagido a abordagem empurrando ela e outros dois alunos. O gestor teve então o carro cercado e foi impedido de deixar o local. “Ele chamou a polícia, e quando os policiais chegaram nós informamos sobre a agressão e exigimos que ele fosse levado á delegacia”, conta. O protesto e a negociação durou cerca de duas horas.

O reitor foi levado na viatura da Polícia Militar à PF e os alunos, em companhia de professores que prestaram depoimento como testemunhas, se encaminharam em carros particulares. Na PF, o reitor disse que preferia não falar à imprensa naquele momento e limitou-se a afirmar que “o trabalho na Unilab é muito duro”.

Até às 21 horas, Anastácio seguia dando depoimento ao delegado federal Gustavo Colares.

Em informes enviados por email, a assessoria da Unilab afirmou que a ida do reitor à PF “para prestar esclarecimentos” foi de forma voluntária.

“Ele está muito cansado, foram momentos de extrema tensão, e somente na segunda-feira (10) vamos nos reunir para emitir uma nota da universidade sobre os auxílios e o fato desta sexta-feira”, diz.

TENSÃO

Ato termina em tumulto

1) Carro do reitor foi cercado por estudantes que pediam a alteração do aditivo que retira a possibilidade de novos estudantes estrangeiros de receber auxílio moradia e de alimentação.

2) Em momento de tensão, e em meio ao protesto que durou mais duas horas, alunos e o reitor foram levados a um galpão ao lado do campus, pela polícia militar, até que se decidisse pela ida à sede da Polícia Federal

O povo

Comentários

comentários

Veja também