Carlos Lima
Hoje dia 11/11/2019 às 20:37:10

Polícia
Carlos Lima | Publicado em 17/10/2019 às 14:29:44

Witzel quer fechar acesso a favelas para combater roubo de cargas

Um ato de segregação ao direito de ir e vir

Witzel quer fechar acesso a favelas para combater roubo de cargas Bloquear acesso favelas

Fechar acessos a comunidades. A proposta integra um plano de combate ao roubo de cargas anunciado na quarta (16) pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que acumula medidas polêmicas para refrear a crise na segurança pública do estado.

A iniciativa, prevista para o começo de 2020, seria uma aba do projeto Segurança Presente e agiria em “corredores das estradas e acessos onde tem entrada do roubo de cargas nas comunidades”, disse Witzel.

Ela “vai praticamente zerar e reduzir muito o dinheiro que financia o tráfico de armas e de drogas no nosso estado”, continuou.

O governador, que se elegeu na garupa do bolsonarismo e hoje trava disputa velada com o presidente Jair Bolsonaro pela eleição de 2022, não detalhou como esse controle se daria.

Mas, questionado sobre o plano apresentado num evento em Copacabana, disse que “não vai ter nenhum tipo de invasão na liberdade de ir e vir de nenhum cidadão” que reside nesses locais.

O estado faria, afirmou, “o controle de veículos suspeitos” e, só se moradores da favela toparem, uma vigilância mais direta.

“A comunidade é que tem que conversar conosco e dizer, ó, nós queremos controle”, disse a jornalistas na saída de outro compromisso no mesmo dia.

Esse seria um passo “muito importante”, segundo Witzel, que comparou a hipótese com a inspeção feita em condomínios particulares “e num monte de lugar”.

O governador disse ainda que o programa poderá contar com uso de helicópteros e motos de alta velocidade para reduzir o roubo de cargas que, de acordo com ele, gera um prejuízo de mais de R$ 5 bilhões anuais.

Dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que, de janeiro a agosto, o estado sofreu 5.277 crimes do tipo. Ao longo de todo 2018, 9.182 cargas foram roubadas.

Um estudo da Firjan (federação de indústrias do Rio) revelou que, entre 2011 e 2016, houve mais de 97 mil crimes do tipo no país todo, com impacto superior a R$ 6,1 bilhões.

Foi a bordo de um helicóptero usado pela Polícia Civil que Witzel testemunhou, em maio, agentes metralharem uma tenda de orações em Angra dos Reis (RJ). Confundiram-na com um ponto da “bandidagem” na qual o líder do Executivo fluminense prometia “botar fim”.

O uso dessas aeronaves para disparar rajadas contraria uma normativa publicada em outubro pela extinta Secretaria de Segurança Pública do estado.

Três meses depois, o governador questionou a autenticidade de cartas escritas por crianças do Complexo da Maré que se diziam apavoradas com a violência policial na área. Muitas delas pediam que os helicópteros parem de dar tiros do alto.

Witzel reforçou seu apoio ao uso dos veículos. “O desespero d

Fechar acessos a comunidades. A proposta integra um plano de combate ao roubo de cargas anunciado nesta quarta (16) pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que acumula medidas polêmicas para refrear a crise na segurança pública do estado.

A iniciativa, prevista para o começo de 2020, seria uma aba do projeto Segurança Presente e agiria em “corredores das estradas e acessos onde tem entrada do roubo de cargas nas comunidades”, disse Witzel.

Ela “vai praticamente zerar e reduzir muito o dinheiro que financia o tráfico de armas e de drogas no nosso estado”, continuou.

O governador, que se elegeu na garupa do bolsonarismo e hoje trava disputa velada com o presidente Jair Bolsonaro pela eleição de 2022, não detalhou como esse controle se daria. Mas, questionado sobre o plano apresentado num evento em Copacabana, disse que “não vai ter nenhum tipo de invasão na liberdade de ir e vir de nenhum cidadão” que reside nesses locais.

O estado faria, afirmou, “o controle de veículos suspeitos” e, só se moradores da favela toparem, uma vigilância mais direta. “A comunidade é que tem que conversar conosco e dizer, ó, nós queremos controle”, disse a jornalistas na saída de outro compromisso no mesmo dia.

Esse seria um passo “muito importante”, segundo Witzel, que comparou a hipótese com a inspeção feita em condomínios particulares “e num monte de lugar”.

O governador disse ainda que o programa poderá contar com uso de helicópteros e motos de alta velocidade para reduzir o roubo de cargas que, de acordo com ele, gera um prejuízo de mais de R$ 5 bilhões anuais.

Dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que, de janeiro a agosto, o estado sofreu 5.277 crimes do tipo. Ao longo de todo 2018, 9.182 cargas foram roubadas.

Um estudo da Firjan (federação de indústrias do Rio) revelou que, entre 2011 e 2016, houve mais de 97 mil crimes do tipo no país todo, com impacto superior a R$ 6,1 bilhões.

Foi a bordo de um helicóptero usado pela Polícia Civil que Witzel testemunhou, em maio, agentes metralharem uma tenda de orações em Angra dos Reis (RJ), em maio. Confundiram-na com um ponto da “bandidagem” na qual o líder do Executivo fluminense prometia “botar fim”.

O uso dessas aeronaves para disparar rajadas contraria uma normativa publicada em outubro pela extinta Secretaria de Segurança Pública do estado.

Três meses depois, o governador questionou a autenticidade de cartas escritas por crianças do Complexo da Maré que se diziam apavoradas com a violência policial na área. Muitas delas pediam que os helicópteros parem de dar tiros do alto.

Witzel reforçou seu apoio ao uso dos veículos. “O desespero desses criminosos é porque, de helicóptero, chegamos rapidamente onde estão estocadas drogas e armas.”

Ainda na seara de controvérsias no campo da segurança pública: eleito governador, o ex-juiz defendeu que a polícia mirasse “na cabecinha e… fogo!” contra criminosos que empunhassem fuzis, ainda que não apresentassem risco imediato de abrir fogo contra alguém.

A oposição a seu governo reagiu à ideia de controlar acessos a comunidades. A deputada estadual Renata Souza (PSOL) foi uma das vozes críticas: para ela, o programa força um “apartheid no Rio” ao “reduzir, ainda mais, a péssima mobilidade de quem vive nas favelas”.

esses criminosos é porque, de helicóptero, chegamos rapidamente onde estão estocadas drogas e armas.”

Ainda na seara de controvérsias no campo da segurança pública: eleito governador, o ex-juiz defendeu que a polícia mirasse “na cabecinha e… fogo!” contra criminosos que empunhassem fuzis, ainda que não apresentassem risco imediato de abrir fogo contra alguém.

A oposição a seu governo reagiu à ideia de controlar acessos a comunidades. A deputada estadual Renata Souza (PSOL) foi uma das vozes críticas: para ela, o programa força um “apartheid no Rio” ao “reduzir, ainda mais, a péssima mobilidade de quem vive nas favelas”.

Folha Press

Comentários

comentários

Veja também