Carlos Lima
Hoje dia 10/12/2018 às 19:17:00

Política
Carlos Lima | Publicado em 16/07/2018 às 10:07:07

A 3 meses da eleição, só 5 Estados têm líderes para vencer no 1º turno

A 3 meses da eleição, só 5 Estados têm líderes para vencer no 1º turno Candidatos com possibilidade de vitória no primeiro turno.

A menos de 3 meses das eleições de 7 de outubro, pesquisas disponíveis em 21 unidades da Federação indicam que disputas em apenas 5 Estados podem ser definidas já no 1º turno: Alagoas, Bahia, Goiás, Maranhão e Piauí. Em todos os demais há ainda grande indefinição.

Esse número pequeno de líderes claros nas eleições para governador nos Estados é pouco usual a esta altura da campanha. Em outras eleições, nesta época, havia mais certeza sobre quem poderia ser o vencedor.

Em muitas unidades da Federação nas quais há pesquisas recentes disponíveis é grande a soma de quem vota em branco, nulo, está indeciso ou não quer responder. A taxa de “não voto” passa de 30% em 14 disputas.

Também chama a atenção o fato de que 11 governadores que tentam se reeleger não estejam em 1º lugar nas pesquisas. Márcio França (PSB), em São Paulo, e Robinson Faria (PSD), no Rio Grande do Norte, nem sequer aparecem na tabela abaixo, pois estão com baixa intenção de voto –o levantamento do Poder360 só considerou quem é “competitivo” (os que estão em 1º lugar ou em 2º lugar empatados).

Poder360 analisou mais de 300 pesquisas de intenção de voto a respeito das disputas de 2018. A seguir, 1 infográfico com os levantamentos mais recentes e registrados na Justiça Eleitoral com dados sobre a eleição para governador nos Estados e no Distrito Federal:

DEFINIÇÃO NO 1º TURNO

Se a eleição fosse hoje, venceria quem tem mais intenção de votos do que todos os adversários somados. Esse cenário só é observado em 5 Estados no momento.

Em Alagoas (Renan Filho, MDB), Bahia (Rui Costa, PT), Maranhão (Flávio Dino, PC do B) e Piauí (Wellington Dias, PT), os atuais governadores lideram nas pesquisas com a maioria absoluta dos votos.

Em Goiás também há chance de definição no 1º turno, mas com renovação.

O senador Ronaldo Caiado (DEM) é líder isolado com 37% das intenções de voto, e desbancaria o atual governador, José Eliton (PSDB), que assumiu em abril, quando o também tucano Marconi Perillo deixou o cargo para concorrer ao Senado.

José Eliton tem 11% e divide o 2º lugar com o emedebista Daniel Vilela, com 10%, portanto empatados na margem de erro de 3 pontos percentuais para mais e para menos, segundo a pesquisa Ibope realizada de 7 a 10 de julho de 2018, com registro no TRE sob o nº GO-03704/2018.

CHANCE DE REELEIÇÃO

Além dos 4 mandatários que se reelegeriam ainda na 1ª rodada de votações, há mais 11 governadores com chance de ir ao 2º turno: em AM, DF, ES, MG, MS, MT, PE, RS, SC, SE e TO.

Amazonino Mendes (Amazonas), José Ivo Sartori (Rio Grande do Sul) e Mauro Carlesse (Tocantins) aparecem como líderes nas pesquisas nos respectivos Estados.

Nos casos do Amazonas e de Tocantins, os atuais governadores não foram eleitos em 2014. Amazonino Mendes (PDT) e Mauro Carlesse (PHS) venceram eleições suplementares, depois que os então titulares José Melo (Pros) e Marcelo Miranda(MDB) tiveram seus mandatos cassados.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, do PSB, aparece numericamente à frente, mas está tecnicamente empatado com Marília Arraes (PT) e Armando Monteiro (PTB), dentro da margem de erro de 4 pontos percentuais para mais e para menos do levantamento feito pela Datamétrica de 8 a 9 de junho, registrado no TRE-PE sob o nº PE-02448/2018.

No Espírito Santo, o atual governador, Paulo Hartung (MDB), briga pelo 1º lugar com Renato Casagrande, do PSB. Mas aparece na pesquisa numericamente atrás, com 0,4 ponto percentual a menos.

Casagrande, com 27,9%, e Hartung, com 27,5%, estão empatados na margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos do estudo feito pelo Paraná Pesquisas de 28 de junho a 3 de julho, com registro no TRE-ES sob nº ES-02366/2018.

Os demais, que aparecem em 2º lugar nas pesquisas e que teriam hoje chances de ir ao 2º turno, são os governadores do Distrito Federal (Rodrigo Rollemberg, PSB), de Minas Gerais (Fernando Pimentel, PT), Mato Grosso do Sul (Reinaldo Azambuja, PSDB), Mato Grosso (Pedro Taques, PSDB), Santa Catarina (Eduardo Pinho Moreira, MDB) e Sergipe (Belivaldo Chagas, PSD).

Nesses Estados, lideram:

  • DF – Jofran Frejat (PR);
  • MG – Antonio Anastasia (PSDB);
  • MS – Odilon Oliveira (PDT);
  • MT – Mauro Mendes (DEM);
  • SC – Esperidião Amin (PP);
  • SE – Eduardo Amorim (PSDB).

Uma observação sobre Santa Catarina e Sergipe: Eduardo Pinho Moreira e Belivaldo Chagas eram vice-governadores dos respectivos Estados. Assumiram em abril deste ano, quando os então titulares Raimundo Colombo (PSD-SC) e Jackson Barreto (MDB-SE) renunciaram ao cargo para concorrer ao Senado.

RENOVAÇÃO E CONTINUIDADE

Além de Goiás, outros 6 Estados com pesquisas disponíveis –AC, PR, RJ, RN, RO e SP–  podem eleger 1 nome novo. Em 3 deles deve haver renovação do grupo político.

As pesquisas indicam que o 2º turno em Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte não terá na disputa 1 candidato do partido que está atualmente no governo.

Já em Acre, Rondônia e São Paulo, se a eleição fosse hoje, as legendas que já estão no comando dos Estados avançariam para a 2ª etapa.

O Acre, governado por Tião Viana (PT), pode mudar para o PP do senador Gladson Cameli (36,08%), ou continuar com o PT do ex-prefeito de Rio Branco Marcus Viana (31,41%), conforme mostrou a pesquisa Delta, de 22 a 29 de maio de 2018, com margem de erro de 2,9 pontos percentuais e registro no TRE-AC sob nº AC-03985/2018.

Acir Gurgacz (PDT), com 22,8%, divide a preferência do eleitor de Rondônia com Jaqueline Cassol (PP) e Maurão de Carvalho (MDB), com 18,4% e 16,5%, respectivamente.

Cassol e Maurão estão tecnicamente empatados no 2º lugar, dentro da margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos, no levantamento da Haverroth, de 25 a 30 de junho de 2018, com registro no TRE-RO sob nº RO-01389/2018.

Rondônia era governada por Confúcio Moura (MDB), eleito em 2014. Seu vice, Daniel Pereira (PSB), assumiu em abril, após Confúcio renunciar para concorrer ao Senado.

Em São Paulo, João Doria (com 19%) pode manter a hegemonia do PSDB no Estado, ou perder a eleição para o MDB de Paulo Skaf (17%). Ambos estão empatados dentro da margem de erro de 3 pontos percentuais para mais e para menos na última pesquisa Ibope, realizada de 23 a 26 de junho de 2018, com registro no TRE-SP sob nº SP-06856/2018.

O atual governador do Estado, Márcio França (PSB), que substituiu o tucano pré-candidato ao Planalto, Geraldo Alckmin, aparece em 3º lugar com apenas 5% das intenções de voto. Se a eleição fosse hoje, França estaria fora do 2º turno.

As pesquisas no Paraná mostram que o embate deve ir ao 2º turno entre o nome do PSD, Ratinho Jr. (28,4%), e do PDT, Osmar Dias (24,33%). A atual mandatária, Cida Borghetti (PP), aparece em 3º, com 12,53%, taxa que hoje a deixaria fora da disputa.

Borghetti assumiu o Palácio Iguaçu no lugar de Beto Richa (PSDB), que renunciou em abril para candidatar-se ao Senado.

Os resultados no Paraná foram divulgados pela Arbeit Intelligence, em pesquisa realizada de 24 a 28 de junho de 2018, com registro no TRE-PR sob nº PR-06675/2018. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos.

No Rio de Janeiro, a disputa se dá entre o senador Romário (Podemos), o ex-prefeito da capital fluminense Eduardo Paes (DEM) e o ex-governador Anthony Garotinho (PRP). Desde 2006, o Rio é governado pelo MDB (ex-PMDB).

Romário lidera a última pesquisa divulgada, com 24,8% das intenções de voto, à frente de Paes e de Garotinho, com 13,5% e 11,2% respectivamente, empatados dentro da margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos do levantamento do Paraná Pesquisas, realizado de 4 a 9 de maio, com registro no TRE-RJ sob nº RJ-09134/2018.

O comando do Rio Grande do Norte, segundo as pesquisas mais recentes, deve ficar entre o PT e o PDT. A senadora petista Fátima Bezerra tem 26,06% das intenções de votos, contra 16,06% de Carlos Eduardo (PDT).

O atual governador, Robinson Faria, do PSD, aparece com 9,47% e neste momento não teria chance de ir ao 2º turno, segundo a pesquisa Consult, de 26 a 29 de junho, com margem de erro de 2,3 pontos percentuais para mais e para menos, registrada no TRE-RN sob nº RN-03673/2018.

GRUPOS POLÍTICOS

Em outro infográfico, os mapas mostram a evolução do comando dos grupos políticos nas unidades federativas desde 1994 e uma estimativa para 2018, conforme os partidos posicionados numericamente em 1º lugar nos levantamentos (ou seja, sem considerar a margem de erro).

Na comparação com o mapa de 2014, há uma tendência de troca de partido no comando de 15 unidades da Federação: Acre, Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Em 7 Estados, os mesmos grupos políticos continuariam no governo: Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Amapá, Ceará, Pará, Paraíba e Roraima não têm pesquisas recentes disponíveis.

O partido que mais perderia seria o MDB, que em 2014 elegeu 7 governadores. O mapa aponta que a sigla é favorita em apenas 2 Estados: Alagoas e Rio Grande do Sul.

O PT, com 5 conquistas em 2014, perderia Minas Gerais para o PSDB neste ano, mas ganharia o Rio Grande do Norte. O mapa mostra o PT liderando hoje só em 3 Estados: BA, PI e RN.

Em 2014, o PSDB venceu em 5 Estados. Hoje, segundo as pesquisas, os tucanos perderiam 4 e manteriam apenas São Paulo, o que levaria a um novo recorde em solo paulista: teriam a chance de ficar 28 anos no poder.

O PSDB ganharia a eleição em Sergipe e voltaria a governar Minas Gerais, perdido para o PT na eleição passada e com 10,6% do eleitorado, o 2º maior do país, abaixo apenas de São Paulo, que reúne 22,4% dos eleitores.

Com isso, os tucanos têm a preferência dos 2 maiores eleitorados, que correspondem a 48.741.368 eleitores.

RODRIGO ZUQUIM

Comentários

comentários

Veja também