Carlos Lima
Hoje dia 14/11/2018 às 00:48:23

Política
Carlos Lima | Publicado em 31/08/2018 às 10:53:13

A fria hora da execução

A fria hora da execução

A ministra Rosa Weber, aquela que se preocupa com a delicadeza de “seguir o princípio da colegialidade” e votar contra o que – ao menos alegadamente – diz acreditar, resolveu “matar o mal pela raiz”.

Sem dizer claramente para o que é, marcou para sexta-feira uma sessão extraordinária do TSE que, na prática, será o fuzilamento da candidatura de Luís Inácio Lula da Silva à Presidência da República.

Não importa que a lei lhe garanta o direito de ser candidato se houver recurso plausível contra sua sentença.

Não importa que a ONU, através de seu comitê de Direitos Humanos, tenha exigido seu direito de candidatar-se.

Não importa que a maioria do povo brasileiro deseje, apesar de tudo o que se diz, dar-lhe o voto.

Roma não aceita que ele seja candidato e vença, como está claro que venceria, até pela boca de seus maiores inimigos.

Minto: nem em Roma, porque lá os melhores imperadores não voltavam o polegar para baixo quando a platéia do Coliseu clamava pelo gladiador derrubado.

O Judiciário brasileiro já há muito deixou “pra lá” o exercício de sua função de agir em nome do povo. Age em seu próprio nome e vontade, mesmo.

O novo presidente do STJ, João Otávio de Noronha, disse hoje que queremos ser “210 milhões de juízes” e que isso não pode ser tolerado, em nome do império dos “doutos”

Pois somos, excelência, somos 210 milhões de juízes dos que invocam o direito de usurpar nossa vontade e o dia haverá, ainda que na história, em que suas imunidades não os protegerão do julgamento destes 210 milhões.

Sexta-feira, não se iludam, os que querem ser donos da sua vontade, dos seus desejos, dos seus direitos, do seu voto decidirão que ele não pode ser dado a Lula.

O mesmo homem que, a vários deles, nomeou e deu poder, sem nunca lhes exigir submissão.

Não lhes pediu, mas não descobriu que eram submissos. Vassalos da mídia, vassalos das camadas dominantes, incapazes de porem retas suas colunas e dizer que a vontade do povo é soberana.

Vão disparar seus votos como o fariam com fuzis um pelotão de execução.

E, embora saibam, ainda não acreditam que nenhum corpo cairá à sua frente.

Ao contrário, levantar-se-á a vontade nacional, contra a qual nada podem.

Somos 210 milhões de juízes, sim,  e em meio a este jogo de cartas marcadas e imundas, há um povo que, a comover o coração de quem ainda o tenha,  está resistindo a esta camada de inúteis, para os quais a vontade popular é corrupta, burra e estúpida.

É o contrário.

Amanhã, proibindo Lula de ser candidato, os senhores e senhoras o elegerão, de alguma forma e não sem causar mais traumas a este país doído.

A pequenez de quem considera tão sábio – mas que não é capaz de ver o óbvio, que governos sem legitimidade, embora os senhores os considerem legalmente instituídos rapidamente se tornam isso que temos aí.

Mas os senhores dirão que têm objeções morais a Lula, que olha os pobres.

Mas nenhuma objeção a dormirem hoje, tranquilos, com seus aumentos embolsados.

Tripas forras das migalhas que lhes caem, por serem mansos.

Fernando Brito

Comentários

comentários

Veja também