Carlos Lima
Hoje dia 17/07/2018 às 17:35:07

Política
Carlos Lima | Publicado em 07/06/2018 às 09:12:59

As propostas dos pré-candidatos à Presidência propõem para o país

As propostas dos pré-candidatos à Presidência propõem para o país Sérgio Lima

A 4 meses do 1º turno, pré-candidatos à Presidência da República apresentaram nesta 4ª feira (6.jun.2018) propostas e opiniões sobre segurança pública, reformas, economia, educação, saúde que conduzirão seus programas de governo.

Os temas foram discutidos em sabatina organizada pelo Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) e pelo jornal Correio Braziliense. Entenda aqui quais foram as regras da sabatina.

Leia como foi a participação de cada 1 dos pré-candidatos na ordem em que foram sabatinados:

RODRIGO MAIA

Pré-candidato pelo DEM, o presidente da Câmara Rodrigo Maia disse que a sociedade interpreta as discussões sobre uma candidatura única de centro diferentemente da classe política. Segundo ele, a diferença de compreensão se assemelha a uma “conversa de bêbado”.

Segundo Maia, o único nome tipicamente de centro era o do ex-ministro do Joaquim Barbosa, cotado para concorrer pelo PSB, mas que abriu mão da disputa. Maia acredita não haver uma candidatura com força suficiente para unir o centro político no pleito de outubro.

Sobre a dificuldade da Câmara em avançar em projetos prioritários se deu devido a “base está desarticulada”. Segundo ele, “a articulação não parte da Secretaria de Governo nem do governo“.

MARINA SILVA

Pré-candidata da Rede, a ex-ministra Marina Silva disse estar comprometida com a realização de uma reforma da Previdência, mas de maneira diferente da proposta pelo governo de Michel Temer, a qual qualificou como “oportunista”.

A ex-senadora também defendeu a realização de uma reforma tributária, sem o aumento de carga de impostos, mas também sem uma redução. “Na situação em que nós vivemos, dizer que vai reduzir é demagogia para 1 setor ou é irresponsabilidade com o conjunto da sociedade brasileira“, disse.

Sobre segurança pública, defendeu que a violência não seja combatida com violência, que o assunto não é apenas da polícia, mas também de justiça social. Colocou-se contra a flexibilização das regras para o porte de armas. Para a pré-candidata, o papel de defesa da sociedade é do Estado, com mais preparo dos policiais e foco nos jovens.

A pré-candidata ainda voltou a fazer duras críticas aos políticos que se escondem atrás do foro privilegiado e irão se candidatar: “mais para ter salvo conduto do que para defender interesse dos cidadãos“.

HENRIQUE MEIRELLES

Pré-candidato pelo MDB, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles defendeu a criação de fundo para conter flutuações nos combustíveis.

A proposta do ex-ministro da Fazenda é manter intacta a política de preços da Petrobras –na qual o valor dos combustíveis flutua conforme a variação do dólar e do preço do petróleo no mercado internacional– e estabelecer 1 imposto variável que ajudaria a estabilizar o preço na bomba.

Meirelles também disse ser favorável à maior participação de capital privado na Petrobras. “Não seria 1 monopólio privado. Seria uma pulverização do capital.”

Segundo ele, esse movimento pode “evoluir, com o tempo” para perda de controle da União. O ex-ministro disse ainda que o mesmo mecanismo também poderia ser adotado no Banco Central.

JAIR BOLSONARO

O pré-candidato pelo PSL, ex-capitão do exército e deputado federal Jair Bolsonaro, disse que o combate ao discurso de ódio é “uma questão secundária“.Ele defendeu a “liberdade total” e acredita que a própria sociedade fará 1 filtro para reduzir esse tipo de prática.

O militar ainda deu a entender que acha o debate contra o bullying uma “frescura“: “No nosso tempo de criança, falávamos do gordinho, quatro olho, não tinha problema nenhum. Hoje, o gordinho virou mariquinha, pô. Exatamente por esse tipo de política. Precisamos acabar com essa frescura. Questão de ódio é secundária”.

O militar reafirmou ser contra o ensino de gênero nas escolas. Também criticou o “centrão”, partidos sem ideologia com caráter fisiológico.

ALVARO DIAS

O pré-candidato pelo Podemos, senador Alvaro Dias, voltou a defender a refundação da República. “A sensação que passa é que uma minoria que governa o país explora os esforços coletivos”, dizer que deseja 1 país em que a lei valha para todos.

Alvaro Dias também defendeu 1 Estado mais enxuto. “Vamos simplificar na busca da eficiência. Ninguém está ávido por demitir servidores públicos. Trata-se de reorganizar”, disse.

Sobre pedidos de intervenção militar, o senador disse que o Brasil foi levado a “1 caos administrativo”, mas para ele, lidar com esse fato com extremismos não leva a nada, pelo contrário, “afunda mais ainda o país”.

Disse que seu programa de governo deve priorizar os interesses nacionais. “O BNDES não vai colocar dinheiro para gerar emprego em Cuba, Angola, Venezuela”, disse.

Sobre privatizações, o pré-candidato do Podemos disse que 1º é preciso “valorizar a empresa pública brasileira para depois vendê-la”. Alvaro Dias disse que não cogita privatizar a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa e nem o BNDES. No entanto, disse ser contra o contra o controle de preços da Petrobras.

Em relação a educação, defendeu a valorização do professor e a priorização da educação infantil. Sobre universidades federais, afirmou ser preciso cobrar dos alunos. “É preciso estabelecer a cobrança em função de declaração do imposto de renda”, disse.

Sobre a segurança pública, disse que esta deve se basear em 5 pilares básicos: “financiamento, qualificação, indução de políticas competentes e, sobretudo, o restabelecimento da autoridade”.

O senador também se mostrou a favor de uma reforma tributária com 1 imposto único e a reforma da Previdência.

CIRO GOMES

Pré-candidato pelo PDT, o ex-ministro Ciro Gomes continua sua ofensiva para formar aliança com o PSB nas eleições deste ano. “[O PSB] É o meu aliado preferencial. Acendo uma vela todo dia para ver se dá certo”, disse.

Questionado sobre tributos, Ciro criticou o pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro.  Anteriormente, Bolsonaro havia dito ser contra uma maior tributação para grandes fortunas e classe alta. Ciro Gomes o chamou o militar de “tresloucado” e “boçal despreparado” pela manifestação.

Para o pedetista, Bolsonaro é 1 “câncer a ser extirpado”. O ex-ministro defende que o país tenha 1 sistema de tributação mais progressivo incidindo sobre heranças e renda.

PAULO RABELLO DE CASTRO

Pré-candidato pelo PSC, o ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro criticou a atual situação do Brasil com milhões de desempregados. Segundo ele, a proposta do seu governo é gerar capital e emprego e, ao mesmo tempo, combater a desigualdade social, com a melhoria da educação e da segurança pública.

Segundo ele, é preciso que o país passe “da fase assistencialista pura” para gerar capital.

“Eu sei onde o dinheiro está, sei porque, então sei como faremos essa modificação. Tem mais de R$ 1 trilhão que pode ser redistribuído sem ter que tirar do bolso do mais pobre e sem aumentar a tributação. É um esquema de, sobretudo, criatividade”, disse.

O ex-presidente do BNDES disse que a reforma da Previdência deve visar a criação de mecanismos de capitalização em contas individuais. “No setor privado você é obrigado a desenhar bons produtos. Mas no Governo, vemos frequentemente desenhos de péssimos produtos que são enfiados goela abaixo da população”, disse.

Paulo Rabello defendeu ainda uma ” reestruturação de gestão pública” para acabar com a dívida pública. “O governo acabou, joga dinheiro fora, não economiza, e a gente não sabe nem de onde vem a pressão maior do déficit que se acrescenta à dívida”, disse.

O pré-candidato ainda se mostrou a favor da prisão perpétua. “O estado brasileiro não tem tempo para lidar com o sujeito que puxa uma arma para matar de forma premeditada”, afirmou.

MANUELA D’ÁVILA

A pré-candidata pelo PC do B, Manuela D’Ávila, defendeu uma reforma na segurança pública. Ela propõe 1 poder maior de investigação à Polícia Militar e melhor treinamento para os profissionais de segurança pública.

Segundo Manuela, se eleita, seu governo terá “1 pacto para combater os homicídios e os crimes sexuais”.

Sobre a união da esquerda, a pré-candidata do PC do B disse que acredita na união, mas que ela, Boulos, Ciro e Lula, por enquanto, são oponentes.

Entre seus posicionamentos, Manuela afirmou ser contra a privatização das estatais. Para ela, as estatais são estratégicas e necessárias para o crescimento da economia do país. “Tentam criar a ideia de que o tema da privatização é moral. Não é moral. É 1 debate estratégico“, disse.

A pré-candidata do PC do B disse também ser contra a autonomia total do Banco Central e às políticas econômicas do governo do presidente Michel Temer.

“Ninguém quer o governo Temer. Até o Meirelles disse que está incomodado com esse rótulo. Ninguém quer esse encosto”, afirmou. Para ela, o governo Temer foi “absolutamente” antidemocrático.

GUILHERME AFIF

O pré-candidato do PSD, empresário Guilherme Afif Domingos, disse que a “mãe das reformas” no país é a do sistema político eleitoral. O presidente licenciado do Sebrae defendeu 1 plebiscito imediato para analisar uma nova Constituinte.

Questionado se o ministro Gilberto Kassab, presidente licenciado do PSD, apoia sua candidatura, Afif disse: “Olha, quem tem que concordar é a convenção”. Mas afirmou: “ele [Kassab] não discorda”.

Sobre Meirelles, que saiu do PSD e foi para o MDB, Afif disse que se candidatar pelo MDB sempre foi o sonho do ex-ministro da Fazenda.

Afif ainda criticou a possibilidade da união de candidaturas de centro. Para ele, se chamaria de “Unidos da Lava-Jato”.

Em relação à segurança, o pré-candidato do PSD defendeu que haja “1 juiz em cada delegacia”. Afif disse ainda que hoje não acredita na Justiça, pois esta “está muito longe do cidadão”.

Sobre a reforma tributária, Guilherme Afif disse que antes de tudo o brasileiro precisa ter consciência de que é 1 pagador de imposto. “Brasileiro tem complexo de súdito. ‘O Rei é bom, porque me dá educação’. Não sabe que é ele que paga”, disse.

Sobre a reforma previdência, o empresário defendeu o corte de privilégios. “Brasil aboliu a Monarquia, mas a Corte ficou. Tratamento diferenciado é insuportável e insustentável”, disse.

FLÁVIO ROCHA

Pré-candidato pelo PRB, o empresário Flávio Rocha disse que não deixou o meio empresarial para “ser coadjuvante” nas eleições de 2018, nem vice de outro candidato. No entanto, afirmou que é “realmente o mais desconhecido dos candidatos”.

Flávio Rocha defendeu que a maioria “do corpo do Estado brasileiro” deve ser modificado, inclusive o Judiciário. “Quanto maior o Estado, mais empresários se deixam seduzir pelos encantos ‘de cima da carruagem. Com Estado pequeno, maioria das decisões será tomada pela sabedoria suprema do livre mercado”, disse.

O empresário também criticou o sistema judiciário. “Se o bandido for azarado o suficiente para ser condenado, muito provavelmente vai ser condenado a 6 anos, o mínimo. É uma das penas mais brandas do mundo”.

Rocha disse que há uma “contaminação ideológica” relacionada à Segurança Pública. Para ele, há uma “ditadura do politicamente correto” referente ao“cerceamento da polícia e a vitimização do bandido”.

O pré-candidato do PRB disse que vê os pedidos de intervenção militar com preocupação. “Foi 1 fator determinante para levantar da cadeira empresarial e me apresentar como alternativa. As alternativas eram o Titanic e os dois icebergs”, disse ao criticar a polarização política.

O empresário disse ainda que os partidos que vão alterar os rumos da eleição são “o que puxa a carruagem e o que tenta manter os privilégios”.

Rocha também se disse a favor da privatização de estatais e da reforma da Previdência.

Sobre Bolsonaro, Rocha disse que o ex-capitão do exército talvez seja 1 “Marine Le Pen brasileiro”, em referência à líder do partido de extrema-direita francês, a Frente Nacional.

GERALDO ALCKMIN

O pré-candidato pelo PSDB, ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin admitiu que há divergências no PSDB a respeito da construção de sua candidatura, mas afirmou que não há clima de “stress” no PSDB em relação a sua candidatura.

Questionado sobre os tucanos com implicações na política, Alckmin voltou a tentar diferenciar o PSDB do PT. “Do ponto de vista ético, o PSDB não passa a mão na cabeça de ninguém, todos estamos abaixo da lei”, disse.

Sobre a economia, Alckmin voltou a defender a necessidade de uma reforma da Previdência que minimize as diferenças entre os benefícios pagos ao setor público e ao setor privado.

Questionado sobre religião, Alckmin defendeu que “não pode ver vinculação de Estado e Igreja”. O tucano negou ter relação com a Opus Dei. Disse que a confusão surgiu porque tem 1 tio que era membro da ordem. Alckmin afirmou que é católico, mas criado de acordo com a ordem franciscana.

 

Fernando Rodrigues

 

Comentários

comentários

Veja também