Carlos Lima
Hoje dia 10/12/2018 às 18:11:45

Política
Carlos Lima | Publicado em 20/09/2018 às 09:36:44

Bolsonaro: Bobo da Corte

Bolsonaro:  Bobo da Corte BolsoTemer

O mundo não aprendeu as lições da crise financeira”, diz o título de uma reportagem da revista britânica The Economist no mês do décimo aniversário da maior crise global desde 1929.

Embora as instituições tenham se mantido refratárias às mudanças necessárias para evitar uma nova crise, tampouco se pode considerar que o pensamento econômico dominante ficou parado.

A necessidade de se combater desigualdades para garantir a estabilidade do sistema econômico, por exemplo, ganhou centralidade no debate.

Já as ideias pautadas pelo extremismo de mercado, como aquelas oriundas da velha escola de Chicago, saíram como as principais derrotadas da última década.

Não foram raras as críticas de economistas do Banco Mundial, do FMI e das mais renomadas universidades do mundo ao modelo ultraliberal e suas consequências nefastas para a distribuição de renda, a estabilidade econômica e a democracia.

No Brasil, as pesquisas de opinião sugerem que a agenda econômica de Michel Temer é percebida pela imensa maioria da população como voltada aos interesses de poucos em detrimento do conjunto da sociedade.

A ampliação das desigualdades, o desemprego e a degradação dos serviços públicos parecem estar colaborando para uma descrença ainda maior no sistema político e econômico em vigor.

A julgar pelas últimas eleições presidenciais e pelo resultado de pesquisas mais recentes, a sociedade brasileira ainda vê com muito bons olhos a presença do Estado na provisão de serviços públicos universais e gratuitos de saúde e educação; de um sistema de aposentadorias que atenda à massa de trabalhadores que não conseguiria poupar o suficiente para viver com dignidade na velhice; de uma rede de proteção social para os vulneráveis, e até mesmo na exploração de setores estratégicos como petróleo e energia elétrica.

Ou seja, a forte rejeição à corrupção não levou a população a defender uma agenda ultraliberal.

Nesse contexto, a transformação de Jair Bolsonaro em um fantoche de um projeto baseado no extremismo de mercado — hoje rejeitado pelos mais renomados proponentes do liberalismo econômico mundial — pode ter aberto uma avenida para a sua derrota nas urnas.

O superministro da economia em um eventual governo Bolsonaro, Paulo Guedes, defende publicamente a “Ponte para o Futuro” de Temer; a permanência de membros de sua equipe econômica; o fim dos reajustes automáticos de salário mínimo; a privatização de todas as empresas estatais; o abandono do sistema atual de Previdência; a reforma trabalhista; a transferência dos melhores alunos do sistema público de ensino para as escolas privadas, sepultando de vez a qualidade da educação pública no país; e até mesmo o aumento de impostos para a classe média.

Nessa toada, Bolsonaro pode enfrentar grandes dificuldades para ir além do voto de uma elite econômica que não usa serviços públicos e não viu sua situação piorar nos últimos anos.

Em um debate com o economista Thomas Piketty na USP, em 2014, Guedes ficou muito longe de convencer os membros da mesa e da plateia de que a distribuição de renda no mundo não piorou nas últimas décadas.

Tampouco obteve sucesso em suas tentativas de ser bem aceito nos círculos de prestígio da PUC do Rio nos anos 1980 e 1990.

É improvável que o economista de Chicago consiga convencer mais de 50% do eleitorado a optar, em meio à crise, por elevar a agenda econômica de Temer ao quadrado.

Felizmente, o povo não é tão bobo quanto o candidato de Guedes.

Por Maura Carvalho da Folha

Comentários

comentários

Veja também