Carlos Lima
Hoje dia 26/04/2019 às 05:55:20

Política
Carlos Lima | Publicado em 04/04/2019 às 10:32:55

Bolsonaro busca apoio com presidentes de partidos para a reforma da Previdência

Bolsonaro busca apoio com  presidentes de partidos para a reforma da Previdência Bolsonaro se reúne com dirigentes de partidos em busca de apoio para reforma da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro começou a receber, no início da manhã desta quinta-feira (4), presidentes de partidos para reuniões no Palácio do Planalto.

O primeiro a ter uma conversa com Bolsonaro foi Marcos Pereira, presidente do PRB. Ele chegou por volta de 8h30. Depois, por volta de 8h50, chegou ao Planalto Gilberto Kassab, presidente do PSD.

Há ainda a previsão de reunião com outros quatro presidentes de partido:

  • Geraldo Alckmin, do PSDB
  • Ciro Nogueira, do PP
  • ACM Neto, do DEM
  • Romero Jucá, do MDB

As conversas são uma tentativa do governo de formar uma base parlamentar no Congresso. Bolsonaro também tenta apoio para a reforma da Previdência.

Responsável pela articulação política junto ao Congresso, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participa dos encontros.

‘Jogar pesado’

As audiências com presidentes de partidos são os primeiros compromissos oficiais de Bolsonaro após retornar, na quarta-feira, de uma visita de quatro dias a Israel. Ainda no exterior, o presidente prometeu foco na reforma da Previdência.

“Vamos jogar pesado na [reforma da] Previdência, porque é um marco. Se der certo, tem tudo para fazer o Brasil decolar”, disse.

Após três meses de governo, o Planalto ainda não dispõe de uma base parlamentar organizada e, na semana passada, Bolsonaro teve uma troca de farpas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Um dos motivos foi o que Maia chamou de falta de articulação do governo no Congresso.

Desde que assumiu a Presidência, Bolsonaro repete que não deseja praticar a “velha política”, com oferta de cargos na administração pública em troca de apoio dos partidos.

Em  entrevista, o ministro Onyx Lorenzoni afirmou que a intenção do presidente não barra eventuais indicações políticas para cargos de segundo escalão nos estados, desde que obedecendo a critérios técnicos.

 Guilherme Mazui

Comentários

comentários

Veja também