Carlos Lima
Hoje dia 19/03/2019 às 17:35:33

Política
Carlos Lima | Publicado em 02/03/2019 às 20:44:48

Carta para o pequeno Arthur

Carta para o pequeno Arthur Lula e o neto Arthur

Descanse, Arthur. As dores agora não te pegam mais. Não te conheci, mas tenho uma filha e uma enteada com sua idade.

Sei bem que aos sete anos a vida está apenas desabrochando, numa maravilhosa mescla de descoberta de sabores, sensações, vontades e alegrias.

Descanse, Arthur. As injustiças agora não te alcançam mais. A morte não combina com os pequeninos, Arthur. É algo inimaginável. O mundo é das crianças!

Morrer antes de usufruir do direito à plenitude de uma vida razoavelmente longa é o castigo mais cruel possível entre todos os castigos impossíveis.

E a dor que atraca para sempre no peito dos que te amam e ficam um pouco mais por aqui é indizível, nefasta, inexplicável.

Descanse, Arthur. Os dogmas não te confundirão mais. Não é possível haver um deus misericordioso que dite regras que incluam a morte de meninos como você, Arthur.

Sua precoce partida reforça minha incredulidade e relutância quanto a existência do divino: ou não há deus ou o deus que existe é perverso e não me interessam suas atitudes inescrupulosas.

Descanse, Arthur. A canalhice daqueles que comemoram sua partida não te sujará mais. Esse mundo não te merecia, Arthur. Não merece a pureza que você e as crianças de sua idade carregam em cada sorriso, em cada frase direta e sábia, em cada atitude legitimamente solidária.

Nós, os já crescidos, infestamos o seu lugar com nossa maldade, egoismo e imbecilidade. Nesse contexto partir, ainda que tão cedo e tão dolorosamente, é também privar-se das maldades mundanas vindouras que sacrificariam sua bondade e inocência natas.

Descanse, Arthur. O orgulho de sua família é agora seu eterno quarto de brincadeiras. Seu avô é um grande homem, Arthur.

Tenho certeza que você se orgulhava dele como eu. Um brasileiro que saiu da miséria que assola tantos de nós para se tornar o maior líder do Brasil.

Um homem submetido a injustiças e dores desumanas que apenas acrescentam mais e mais latitude à sua grandeza.

Descanse, Arthur. O cotidiano distópico não te contaminará mais. Você terá para sempre sete anos, Arthur.

E em breve estaremos todos juntos, sem mais aniversariar.

Nossas existências são tão somente brevíssimos intervalos entre nossa quase eterna não existência; e estou seguro que você, menino, enquanto por aqui esteve, alegrou aos seus, tal qual fez seu avô, que melhorou a vida de milhões de pessoas injustiçadas.

Descanse, Arthur. A solidariedade de todos os brasileiros decentes agora é teu manto e seguirá para sempre a te aquecer, menino.

Alexandre De Oliveira Périgo

Comentários

comentários

Veja também