Carlos Lima
Hoje dia 22/01/2019 às 06:50:17

Política
Carlos Lima | Publicado em 08/01/2019 às 08:51:54

Criminosos debocham de Bolsonaro durante ação no Ceará

Criminosos debocham de Bolsonaro durante ação no Ceará CRIMINOSO ZOMBAM DE BOLSONARO NO CEARÁ

Mais de 125 ações criminosas de facções foram registradas no Ceará desde o último dia 2 de janeiro. Os crimes ocorreram em 33 cidades cearenses.

As ações são uma resposta das facções após o governo do Ceará ter aumentado o rigor das fiscalizações da entrada de celulares nos presídios.

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, Cláudio Justa, afirmou que os atentados são uma represália ao discurso de maior controle.

Nesse domingo serviços da operadora TIM foram interrompidos em 12 municípios após uma base telefônica de cidades do interior ser alvejada.

Nessa madrugada, os criminosos atearam fogo em uma estação ambiental, uma ambulância e uma oficina de veículos. Na cidade de Icó (CE), os bandidos chegaram a atirar contra o prédio da Câmara dos Vereadores.

Até o momento, 110 pessoas foram presas. Duas foram mortas após troca de tiros com policiais. Um PM foi ferido, mas não corre risco de morrer.

Há três dias, o ministro Sergio Moro atendeu pedido do governador Camilo Santana (PT) e autorizou o envio de 330 homens da Força de Segurança Nacional para combater as ações dos criminosos.

Os agentes de segurança do Ceará também contam com o apoio de 100 policiais militares da Bahia, cedidos pelo governador aliado Rui Costa (PT), a pedido de Camilo Santana.

Em resposta aos crimes, o governo do Ceará informou que transferiu um dos chefes de uma facção criminosa para um presídio federal. Dezenove detentos também devem ser levados para outras unidades prisionais nos próximos dias.

Nas redes sociais, os criminosos divulgaram vídeos dos mais recentes ataques, ocorridos mesmo após o envio das tropas da Força Nacional.

Os criminosos chegam a desafiar Jair Bolsonaro (PSL). O presidente afirmou que abrirá 60 vagas em presídios federais para abrigar o chefes das facções do Ceará.

RPP

Comentários

comentários

Veja também