Carlos Lima
Hoje dia 13/12/2017 às 18:53:47

Política
Carlos Lima | Publicado em 25/11/2017 às 11:15:37

DIVERGENTES E PERSEGUIDOS DARÃO A LULA A VITÓRIA

DIVERGENTES E PERSEGUIDOS DARÃO A LULA A  VITÓRIA DARÃO A LULA A MAIS EXPRESSIVA VITÓRIA POLÍTICA DA HISTÓRIA

A expulsão da senadora Katia Abreu do PMDB rompeu com qualquer possibilidade de coesão desta sigla que desde a redemocratização de 1985 foi o fiel da balança eleitoral no país. Há quem diga que o senador Roberto Requião será o próximo a entrar na lista de perseguidos do, pausa para rir, “Conselho de Ética” do partido.

Katia Abreu (mesmo expulsa) e Roberto Requião estão em vantagem na briga interna do PMDB. Descolar de Cunha, Henrique Alves, Temer, Jucá, Moreira Franco, etc. parece uma escolha muito mais nobre para os aspirantes a qualquer cargo público.

No próximo ano, o voto será, pela primeira vez em anos, um “três em um” onde preferência, repúdio e proposta de governo estarão na mesma expressão popular. Neste contexto, Lula convidou Requião para uma conversa e Dilma lembrou aos eleitores o apoio e lealdade que recebeu de Katia Abreu.

Se internamente Requião e Katia (que poderá voltar aclamada) vencerem a disputa contra Jucá, abrirão uma porta gigantesca para que o PMDB seja renovado e inicie um processo de recuperação. A decadência do PSDB pode servir de parâmetro para que seja evitada a morte do partido de Ulysses e Tancredo.

Caso a “Surubatização Jucaniana” prevaleça, Requião e Katia podem abandonar o PMDB e levar para outro partido, não apenas, uma fatia significativa de correligionários preocupados com a opinião pública, como também podem, no novo ambiente, construir o “porto seguro” para os dissidentes do golpe. O antecipado perdão de “Dilma e Lula” é a luz verde para isto.

O crescimento de Lula nas pesquisas e a completa reprovação popular ao atual governo antecipam a bandeira eleitoral do “Referendo Revogatório para a Reconstrução Nacional”. Além disso, reforçam a nova e necessária bipolaridade “nacionalistas x entreguistas” para inserir o senso comum no debate político. Não há mais ambiente institucional para a polarização “esquerda x direita”.

O calendário segue implacável contra a cleptocracia no poder. A pressa, estratégia dos ladrões de galinha, é substituída pelo desespero de quem já sente a pressão dos donos do galinheiro. Vai acontecer a “debandada” e Lula terá a mais esmagadora vitória nas urnas da nossa história.

Políticos atentos sabem que o povo brasileiro não é o norte-americano. As pesquisas mostram que emprego com saúde e educação públicas são as prioridades da maioria que não caiu no papo furado da meritocracia. O debate está vivo e isso fortalece quem tem proposta para o Brasil e para os brasileiros.

Wellington Calasans

Comentários

comentários

Veja também