Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2018 às 20:27:16

Política
Carlos Lima | Publicado em 13/08/2018 às 09:47:55

Em semana decisiva, partidos registram candidaturas e Rosa Weber assume o TSE

Em semana decisiva, partidos registram candidaturas e Rosa Weber assume o TSE Presidenciáveis

A corrida eleitoral ganha contornos ainda mais delineados nesta semana. O grid de largada da disputa pelo Planalto terá seus 13 candidatos registrados até 4ª feira (15.ago.2018). Essa também é data em que todos terão de ter apresentado seus planos de governo.

Caciques do PT vão pessoalmente entregar a documentação de Lula ao TSE. Convocaram militantes para estar em Brasília.

A situação é inédita. Lula é o líder nas pesquisas e o pedido de registro de sua candidatura não deve ser aceito pela Justiça Eleitoral.

O caso só será resolvido possivelmente em 17 de setembro, prazo máximo para os nomes dos candidatos serem colocados nas urnas eletrônicas.

Pelos próximos cerca de 30 dias o Brasil conviverá com a candidatura postiça de Lula, que não admite em público que seu substituto na disputa será o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

A anomalia não para por aí.

Empresas de pesquisas estão em dúvida sobre se podem testar algum cenário da corrida presidencial com o nome de Haddad (e sem Lula).

É possível que até 17 de setembro o Brasil seja privado de saber o que os eleitores acham da combinação real de nomes que concorrem ao Planalto.

O registro da candidatura de Lula será com a ministra Rosa Weber à frente do TSE.

Ela toma posse (3ª). Substitui Luiz Fux, que deixa de integrar a Corte. O vice-presidente será o ministro Luís Roberto Barroso.

A 3ª cadeira no Tribunal Eleitoral reservada ao Supremo passa a ser ocupada por Edson Fachin, hoje ministro substituto.

O trio Weber-Barroso-Fachin tende a julgar com mais rigidez processos eleitorais de políticos acusados de corrupção.

No dia seguinte à posse de Rosa Weber, na 5ª feira (16.ago), começa a propaganda eleitoral paga na mídia impressa e está liberado o uso de carros de som nas ruas.

A campanha de 2018 é mais curta e com menos dinheiro do que as de anos anteriores. Empresas estão proibidas de doar aos partidos e aos candidatos.

Na 6ª feira, os candidatos se enfrentam no 2º debate televisionado, promovido pela RedeTV!. Não está claro se Fernando Haddad poderá substituir Lula no encontro.

Comentários

comentários

Veja também