Carlos Lima
Hoje dia 19/11/2019 às 23:39:38

Política
Carlos Lima | Publicado em 30/06/2019 às 14:02:00

‘Intercept’ espatifa álibi de procuradora que nega mensagens

‘Intercept’ espatifa álibi de procuradora que nega mensagens

A procuradora Monique Cheker foi chorar no colo daquele site O Bolsonarista e  negou a autoria das mensagens que lhe forma atribuídas nos diálogos da Força Tarefa de Curitiba e disse que seu nome fora colocado ali indevidamente.

A doutora deveria saber que mentir é uma coisa perigosa, porque, descoberta a farsa, perde-se toda a credibilidade.

E descobriu-se que era falsa a onda criada pela procuradora alegando que eram mentira as mensagens.

Com a dúvida lançada por ela mesma, o Intercept mostrou diálogos que, não fosse isso, nem seriam publicados, por falta de interesse público, como é correto.

Mas que serviram para confirmar as identidades dos interlocutores, neste caso por um diálogo sobre a forma de citar um livro no qual Monique Cheker participou com um artigo e ainda com as listas funcionais da Procuradoria Geral da República, para haver certeza de que não havia homonímia.

Está tudo descrito, passoa a passo, no twitter do TheInterceptBr, Desnecessário repetir, apenas para causar mais constrangimentos à doutora.

O importante, com isso, é que ela acaba de confirmar, também, o teor das mensagens, as mais explícitas sobre o papel de “chefe” exercido por Sérgio Moro sobre o MPF.

Aliás, contra a  história contada pela doutora, dizendo que nunca tinha ouvido falar em Sérgio Moro, outra informação torna-a frágil.

A primeira lotação da Dra. Monique Cheker foi em Cascavel, no Oeste do Paraná, a partir de 2008.

Moro foi juiz exatamente em Cascavel, de 1998 a 2003, e lá granjeou a fama de juiz “durão”.

Até pelo tratar de processos e com servidores que vinham dos tempos de Moro é evidente que a Doutora estava muito longe de “não ter ouvido nem falar” dele.

Menos, não é, D. Monique?

Comentários

comentários

Veja também