Carlos Lima
Hoje dia 19/11/2017 às 12:11:27

Política
Carlos Lima | Publicado em 01/11/2017 às 15:44:01

NA ENTREVISTA, DILMA MOSTRA SEU VALOR

NA ENTREVISTA, DILMA MOSTRA SEU VALOR Dilma Rousseff, presidenta cassada

A entrevista de Dilma Rousseff a TV 247 é a mais clara demonstração de que, como diz uma parte significativa do eleitorado de Minas Gerais em pesquisas de opinião, em 2018 ela deveria retornar à vida pública e disputar um cargo eleitoral, de preferência para o Senado.

Ao longo de um depoimento de 1 hora e 29 minutos, que merece ser visto na íntegra, Dilma mostra a estatura de um quadro político que o país não têm o direito de desperdiçar.

A entrevista não só oferece bom material de reflexão sobre a tragédia do golpe de Estado de 2016 e as perspectivas terríveis que o governo Temer-Meirelles apontam para  um país de 208 milhões de habitantes, endereço de uma das dez maiores economias do planeta.

Também confirma que o golpe representou uma absurda injustiça contra a própria Dilma, uma cidadã brasileira que, ao longo de meio de século de atividade política em várias frentes — da luta armada à presidência da República — foi capaz de acumular conhecimento e experiência indispensáveis ao esforço coletivo de um país que necessita reconstruir a democracia plena e retomar seu desenvolvimento.

Qualquer pessoa com um mínimo de convívio com a política e os políticos brasileiros — minha área profissional prioritária desde 1986 — tem condições de reconhecer no depoimento de Dilma uma visão política de valor diferenciado, com raros equivalentes no país em que vivemos.

Pode-se concordar e discordar de alguns — ou mesmo de todos — os pontos de vista de Dilma, curtidos e amadurecidos pela experiência de vida e pela reflexão própria.

Muitos brasileiros guardam — e tem motivos — motivos de descontentamento com seu governo, em particular com a política de ajuste econômico promovida no segundo mandato.

Mas é difícil negar, em qualquer caso, que a postura de Dilma hoje traduz um esforço honesto de crítica e autocrítica sobre nossa experiência política recente, em particular de 2003 para cá.

Não há ressentimento em sua conversa. Seus comentários sobre a falta de compromisso de uma parcela do grande empresariado brasileiro com os destinos do país têm toda atualidade.

Ela também demonstra coragem para enfrentar assuntos difíceis, como a Constituinte, a democratização dos meios de comunicação e, urgência maior, a defesa do direito de Lula disputar a presidência, prioridade da resistência que reafirma em vários momentos da entrevista, inclusive no minuto final.

Nunca é demais recordar que a pedalada inconstitucional que produziu o vergonhoso impeachment sem crime de responsabilidade era tão evidente que não pode ser completa.

Permitiu um acordo de ultima hora no Senado: o país perdeu uma presidente legítima mas Dilma conservou os direitos políticos. Esta decisão lhe assegura o direito de concorrer a um cargo eletivo em 2018. Dilma lembrou, fez na entrevista, que, militante na adolescência, nunca precisou de mandato eleitoral para fazer política.

Está correta e bom lembrar isso no momento atual do país e do Partido dos Trabalhadores. Seu caso particular é um pouco diferente, porém.

A injustiça absoluta do golpe preservou uma brecha para sua atuação e tanto Dilma como os brasileiros tem o direito de aproveitá-la — a partir da noção política maior de que é preciso ocupar todo e qualquer espaço ainda preservado da democracia.

ENTREVISTA A TV 247

Comentários

comentários

Veja também