Carlos Lima
Hoje dia 23/07/2018 às 00:17:26

Política
Carlos Lima | Publicado em 17/04/2018 às 09:49:35

STF julga hoje denúncia contra Aécio

STF julga hoje denúncia contra Aécio AÉCIO NEVES

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) é investigado em 9 inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal). As acusações contra o tucano são fruto principalmente de delações de executivos do Grupo J&F, da Odebrecht e do ex-senador Delcídio do Amaral (PT-MS) firmadas com o MPF (Ministério Público Federal). O político nega todas as acusações.

Um dos inquéritos contra o senador será analisado nesta 3ª (17.abr.2018) pela 1ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal). Neste caso, o tucano é acusado de ter pedido R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista para pagar a defesa na Lava Jato.

Entre todos crimes pelos quais é investigado estão:

corrupção ativa;

corrupção passiva;

lavagem de dinheiro;

formação de cartel;

fraude a licitações;

obstrução à Justiça.

Veja abaixo os casos e trechos de delações que incriminam o senador Aécio Neves e deram abertura a inquéritos no STF:

1- EMPRÉSTIMO DE R$ 2 MILHÕES

O inquérito 4506 foi aberto após delações premiadas de executivos do Grupo J&F. O tucano é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e obstrução das investigações da Lava Jato.

Em delação o empresário Joesley Batista disse que Aécio Neves e pessoas ligadas a ele fizeram sucessivos pedidos de dinheiro de 2014 a 2017. As revelações originaram a operação Patmos, deflagrada em 18 de maio de 2017.

Em trecho, que deu abertura ao inquérito julgado nesta 3ª feira pelo STF, Joesley afirmou ter sido procurado por Andrea Neves, irmã de Aécio, a pedido do tucano. Andrea fez o pedido de R$ 2 milhões para pagar a defesa do irmão na Lava Jato.

“Eu estava até na escola, um projeto social nosso, aí chegou a pessoa e se apresenta como Andrea Neves, a irmã do Aécio. Aí ela foi lá e disse que o Aécio mandou me procurar e tal, e precisava de R$ 2 milhões pra pagar advogado e que seriam advogados que a gente já trabalhava. Aí tomei nota lá, falei: me da seu numero aqui, deixa eu pensar”, disse o delator.

Passado 1 tempo, Joesley conta que Frederico de Medeiros, primo de Aécio, procurou o ex-diretor da JBS Ricardo Saud para acertar a forma de pagamento. Ambos tentavam fazer contratos para dar “ar de legalidade” ao pagamento. Após acertarem, Ricardo cobrou Joesley.

“Aí foi quando eu falei: Ricardo é o seguinte, eu só converso esse assunto com o Aécio, eu não conheço a irmã dele, ele manda a irmã dele num sábado me procurar. Se o Aécio falar comigo eu posso pensar o que fazer, mas se o Aécio não falar comigo, eu não vou fazer”, afirmou Joesley.

O empresário disse que se encontrou com Aécio no dia 24 de março de 2017, no Hotel Unique, em São Paulo.

“Basicamente na conversa com o Aécio, 1º ele se mostrou incomodado com a delação da Odebrecht, depois ele fez comentários em relação a necessidade que ele tinha conversado com o Rodrigo [Maia], que eu não conheço, com o presidente Michel, que tinha que aprovar a lei de abuso a autoridade, aprovar caixa 2, pra ele poder resolver os problemas”, disse Joesley.

“Resolvendo ali, ele [Aécio] disse que o Fred ia cuidar disso. Terminando a história dos R$ 2 milhões, que ia ser 4 pagamentos de R$ 500 mil por semana”, conta.

Além da delação, Joesley entregou 1 áudio que contém a conversa do dia que se encontrou com Aécio e acertou o pagamento.

Leia 1 trecho da conversa:

“Aécio: como é que a gente combina?

Joesley: tem que ver, você vai lá em casa ou…

Aécio: o Fred

Joesley: se for o Fred, eu ponho 1 menino meu pra ir. Se for você, sou eu. Só Eu só faço desse jeito.

Aécio: pode ser desse jeito.

Joesley: entendeu? tem que ser entre 2, não dá pra ser…

Aécio: tem que ser 1 que a gente mata ele antes dele fazer delação.

Joesley: eu e você. Pronto. Ou o Fred e 1 cara desses… pronto.

Aécio: vamos combinar o Fred com 1 cara desse. Porque ele sai de lá e vai no cara. Isso vai me dar uma ajuda do caralho”.

Após o acordo, o dinheiro teria sido pago a Frederico Medeiros e Mendherson Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), em 4 parcelas de R$ 500 mil cada – em 5, 12 e 19 de abril e em 3 de maio de 2018.

Os repasses foram feitos por Ricardo Saud.

Uma das entregas foi filmada pela PF (Polícia Federal) em uma das chamadas “ações controladas”. Ao rastrear às cédulas, a PF teria descoberto que as notas foram depositadas em uma empresa do filho do senador Zeze Perrella (MDB-MG), Gustavo Perrella.

2 – PAGAMENTO DE PROPINA

O inquérito 4519 (eis a íntegra) investiga outro trecho da delação de Joesley Batista, desta vez, sobre outros pagamentos indevidos ao tucano.

Na delação, Joesley afirma que Aécio teria recebido R$ 60 milhões em 2014 quando disputou a Presidência.

Em 2015, o tucano. teria voltado a pedir dinheiro. O delator afirma que no episódio, a JBS fez a compra de 1 prédio por R$ 17 milhões para gerar pagamento de propina ao tucano.

“A gente comprou este imóvel em Belo Horizonte de uma pessoa ligada a ele [Aécio], 1 amigo dele que tem esse imóvel. Aí esse dinheiro deve ter chegado na mão dele de alguma forma”, disse Joesley em delação.

Posteriormente, Joesley afirma que Aécio pediu mais R$ 5 milhões.

“Quando foi em 2016, 1 dia na casa dele, ele [Aécio] me pediu R$ 5 milhões e eu não dei. Logo começou as investigações em cima de mim, eu até chamei esse amigo dele, o Flávio Carneiro. Pedi para o Flávio, pedi a ele, para pelo amor de Deus parar de me pedir dinheiro, porque eu já estava sendo investigado”, disse o empresário.

Outro fato, diz respeito ao mesmo dia em que Andrea Neves procurou Joesley para pedir os R$ 2 milhões investigado em outro inquérito. Andrea havia pedido também R$ 40 milhões para comprar apartamento de sua mãe, no Rio de Janeiro.

O empresário disse que se Aécio Neves indicasse Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras, para a presidência da Vale do Rio Doce, conseguiria resolver “o problema” dos R$ 40 milhões. Mas, segundo Joesley, a operação não se concretizou.

3 – CAIXA 2 PARA ANASTASIA EM 2010

O inquérito 4414 (eis a íntegra) apura pedidos de doações por parte de Aécio Neves para campanha de Antonio Anastasia ao governo de Minas Gerais, em 2009.

Em delação, o ex-superintendente da Odebrecht em Minas Gerais Sérgio Luiz Neves disse que, em junho de 2009, o ex-presidente da Odebrecht Benedicto Junior o procurou afirmando que havia acertado com Aécio apoio para a pré-campanha de Anastasia.

“Me indicou que o valor que a empresa iria contribuir era no valor de R$1,8 milhões e que deveria ser feito via 1 contrato com o marqueteiro do Aécio, que era o Paulo Vasconcelos do Rosário. Eu elaborei na sequência esse contrato e esse contrato contemplava 12 parcelas de R$ 150 mil. […] Os valores começaram a ser pagos em julho de 2009 e concluíram em julho de 2010, então foram pagos integralmente sem que nenhum serviço tivesse sido prestado”, disse Sérgio em trecho da delação.

Em outro momento, Sérgio Luiz Neves afirma que houve outras negociações de repasses em 2010.

“No 2º trimestre de 2010, Benedicto me comunicou que atendendo ao pedido do Aécio a empresa decidiu efetuar contribuições para a campanha de Antonio Anastasia para o governo de Minas”, disse o delator.

Segundo ele, o repasse foi de R$ 5.475.000, mas além disso, houve doações oficiais de aproximadamente R$ 2,2 milhões.

Além da delação de Sérgio Luiz Neves, delação do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior também confirmaram os repasses.

4 – CAIXA 2 PARA CAMPANHA DE AÉCIO

O inquérito 4444 (eis a íntegra) apura doações antecipadas da Odebrecht à campanha de Aécio Neves à Presidência em 2014 por meio de caixa 2.

As delações do ex-presidente da construtora Odebrecht Benedicto Junior, do ex-superintendente da Odebrecht em Minas Gerais Sérgio Luiz Neves, do empresário Marcelo Odebrecht e do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho citam o caso.

Benedicto Junior disse, em delação, que foi procurado por Aécio Neves no início de 2014 para que a Odebrecht repassasse R$ 6 milhões à PVR, empresa responsável pela campanha do tucano naquele ano.

“Eu concordei e disse ao senador que o meu executivo em Belo Horizonte, Sérgio Neves, iria procurar o Paulo Vasconcelos [dono da PVR] para tratar desse contrato, desse pagamento”, disse.

Já Sérgio Luiz Neves disse que foi procurado por Benedicto Junior em 2014. Benedicto pediu dinheiro para campanha de Aécio.

“Já em 2014, de igual forma, Junior [Benedicto Junior] me liga, no inicio janeiro ou fevereiro de 2014, informando que havia acertado com Aécio também a contribuição no valor de R$ 6 milhões para a campanha de Aécio a Presidência”, afirmou.

Benedicto disse que Sergio Neves marcou as reuniões com Paulo Vasconcelos para discutir o assunto.

“O Sérgio acertou o contrato de R$ 6 milhões com 2 pagamentos iniciais: R$ 1,5 milhão e R$ 1,5 milhão, que foram feitos efetivamente. E o restante, acabamos não pagando. Então, dos R$ 6 milhões pedidos, nós demos R$ 3 milhões e pagamos. O Sérgio fez pagamento oficial à PVR”, disse.

5 – CAIXA 2 PARA ALIADOS

O inquérito 4423 (eis a íntegra) apura pedidos de doações para campanha presidencial de Aécio Neves e de aliados em 2014.

Em delação, o empresário Marcelo Odebrecht afirma que se reuniu com Aécio Neves em sua casa. O empresário ainda apresentou registro da entrada do tucano que teria ocorrido no dia 26 de maio de 2014.

Segundo Marcelo Odebrecht, Aécio teria pedido doações via caixa 2 no valor de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões.

“Em 26 de maio de 2014, em encontro em minha casa, acertei com Aécio pagamento mensais para o PSDB, que pelo que me recordo, foi no montante de R$ 500 mil, para bancar os gastos pré-campanha, sendo que coube a Benedicto Júnior a acertar os detalhes como estes pagamentos dariam. Posteriormente, de forma oficial para Aécio, por conta de sua campanha para presidente de 2014, aproximadamente R$ 5 milhões”, disse o empresário.

Marcelo Odebrecht disse ainda que, faltando 15 dias para o 1º turno das eleições, Aécio pediu mais R$ 15 milhões.

“Combinei com Aécio que parte deste pagamento seria direcionado diretamente a outras candidaturas que ele havia se comprometido a apoiar”, relata o delator.

O ex-executivo da Odebrecht Sérgio Neves afirmou, em delação, que entregou valores, dentro de uma mochila, por indicação de Aécio, a Oswaldo Borges, ex-presidente da Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais).

“Me reuni com o Oswaldo, que me deu a orientação relativa aos R$ 3 milhões que me pediram pra coordenar com ele. Ele me indicou que R$ 2 milhões deveriam ser para o Pimenta da Veiga, R$ 500 mil para o Anastasia, e R$ 500 mil para o próprio Aécio”, disse Sérgio.

Segundo Sérgio, a parte de Aécio foi entregue numa concessionária.

“Chegando na concessionária, o Oswaldo estava me aguardando no estacionamento. Eu indiquei a ele que o valor estava no bagageiro. Ele pegou a mochila, colocou no porta-malas do carro dele e aí acertou”, relatou.

6 – USINAS E ENERGIA

No inquérito 4436 (eis a íntegra), Aécio Neves é investigado por ter recebido vantagens indevidas em troca de acordos no setor energético. O senador teria ajudado as construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez a conseguir empreendimentos como o do Rio Madeira e as Usinas Hidrelétricas Santo Antônio e Jirau.

Em delação premiada, o ex-vice-presidente da Odebrecht Henrique Valladares disse que acertos de pagamentos foram feitos em reunião em 2008, quando Aécio Neves era governador de Minas Gerais.

“Na despedida [da reunião], o governador Aécio Neves disse a mim: ‘Olha Henrique, o Dimas Toledo, ex-diretor de Furnas, nosso amigo comum, vai lhe procurar’. Simplesmente isso. E se despediu de mim”, disse.

Henrique Valladares disse que, após entrar no carro, o empresário Marcelo Odebrecht disse que tinha acertado 1 pagamento de R$ 50 milhões de forma proporcional a Aécio Neves.

“Ou seja, R$ 30 milhões por parte da Odebrecht e R$ 20 milhões por parte da Andrade Gutierrez”, explicou Valladares.

Henrique Valladares diz que posteriormente, Dimas Toledo, acertou que os R$ 30 milhões da Odebrecht seriam pagos em vários repasses mensais, de R$ 1,5 milhão a R$ 2 milhões, em contas de outras pessoas, empresas e investimentos no exterior.

“[Marcelo Odebrecht me] disse: Henrique, isso é ajuda que a empresa vai dar ao governador. Ajuda política. Ou outro termo do gênero. Então eu entendi que a Odebrecht estaria estaria fazendo para o governador Aécio Neves uma doação, via caixa 2″, disse Henrique Valladares.

7 – CIDADE ADMINISTRATIVA

No inquérito 4392 (eis a íntegra), Aécio Neves é acusado de ter organizado em 2007, em seu 2º mandato de governador de Minas Gerais, 1 esquema para fraudar licitações.

O esquema envolvia a organização de 1 cartel de empreiteiras, na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais. O consórcio da obra foi liderado pela construtora Odrebrecht.

Em troca, a Odebrecht pagou a Aécio 3% sobre o valor total das obras, que representou mais de R$ 5 milhões. A licitação do empreendimento teve custo final superior a R$ 2 bilhões.

Em delação, o ex-presidente da Odebrecht Benedicto Junior disse como ocorreu o início da participação da construtora no esquema.

“No início de 2007, eu fui chamado para reunião com o governador Aécio Neves onde ele me informou que iria dar inicio ao processo de licitação da sede administrativa do governo de Minas Gerais. E me informou que a Odebrecht participaria dessa licitação e me pediu para procurar uma pessoa de nome Oswaldo Borges, que naquela época era presidente da Codemig, para que a gente fizesse tratativas, de que forma a Odebrecht iria participar”, disse.

Benedicto afirma que pediu a Sérgio Neves para procurar Oswaldo para acertar os detalhes e o valor da propina.

“Nós fizemos pagamentos, ao longo da vida do contrato, da ordem de 3%, que da nossa parte representam 5,2 milhões de reais. Os pagamentos foram feitos através do nosso setor de operações estruturadas, aonde o Sérgio encaminhava os pedidos, e as pessoas faziam os pagamentos nos locais indicados pelo dr. Oswaldo Borges”, disse.

8 – O CASO FURNAS

O inquérito 4244 (eis a íntegra) apura influência do PSDB, por intermédio do senador Aécio Neves, na direção de Furnas, empresa subsidiária da Eletrobras, juntamente com o PP.

Em delação (veja vídeo), Marcelo Odebrecht fala sobre sua relação com Aécio Neves e sobre a influência do senador sob a diretoria de Furnas, principalmente sob Dimas Toledo, diretor de Planejamento, Engenharia e Construção da companhia em 2003.

No inquérito, Dimas é apontado como operador no esquema de corrupção que captava recursos que eram divididos entre Aécio e o PT.

“A relação com a Aécio começou no início de 2001, ele ainda era deputado federal. Nesse 1º instante, não apenas Aécio, mas o PSDB, mesmo no início do governo Lula, tinha uma influência grande no setor elétrico. Por alguma razão, que a gente não sabe precisar o porquê, mas Furnas continuava sob forte influência do PSDB/Aécio Neves na diretoria do Dimas”, disse Marcelo Odebrecht.

As delações do doleiro Alberto Youssef, do ex-senador Delcídio Amaral (PT-MS) e do lobista Fernando Moura também confirmam a influência.

Delcídio do Amaral disse que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), recebeu propina no esquema de corrupção em Furnas.

“Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente disse que não sabe precisar, mas sabe que Dimas operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio”, cita trecho da delação de Delcídio.

Segundo Delcídio, o esquema em Furnas atendia também a interesses do PP, por meio do deputado José Janene, e do PT, a partir de 2002.

“O próprio PT recebeu valores, mas [Delcídio] não sabe ao certo quem os recebia e de que forma”, informa a delação.

9 – CPI DOS CORREIOS

O inquérito 4246 (eis a íntegra) foi aberto com base na delação do ex-senador Delcídio do Amaral (PT-MS).

De acordo com Delcídio, Aécio Neves atuou para maquiar dados do Banco Rural no escândalo do Mensalão. As informações tinham sido obtidas pela CPI dos Correios por meio da quebra de sigilos. A medida comprometeria vários políticos tucanos, entre eles, o próprio Aécio.

Delcídio, que presidiu a CPI dos Correios, disse que uma pessoa, a pedido de Aécio, pediu que o prazo de entrega da quebra dos sigilos do Banco Rural fosse ampliado para “maquiar os dados”.

“A maquiagem consistiria em apagar dados bancários comprometedores que envolviam Aécio Neves, Clésio Andrade, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Marcos Valério ‘e companhia’”, diz a delação de Delcídio.

Delcídio afirma, ainda, que a estratégia ocorreu devido ao fato de que “a gênese do mensalão teria ocorrido em Minas”.

SABRINA FREIRE

Comentários

comentários

Veja também