Carlos Lima
Hoje dia 16/12/2017 às 05:18:49

Região
Carlos Lima | Publicado em 22/09/2017 às 15:39:07

Cerco à Rocinha vai mobilizar 950 militares e dez blindados

Cerco à Rocinha vai mobilizar 950 militares e dez blindados PM faz operação na comunidade da Rocinha. Na foto, troca de tiro de policiais embaixo de passarela (Foto: Gabriel Paiva / Agência O Globo )

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (22) no Palácio do Planalto, depois de uma reunião com o presidente Michel Temer, que 950 homens das Forças Armadas – dos quais 700 da Polícia do Exército – e pelo menos dez blindados vão participar a partir das 15h do cerco à favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Ele deu a informação pelo Twiiter depois de uma entrevista coletiva na qual tinha anunciado inicialmente 700 homens da Polícia do Exército.

Na manhã desta sexta, o Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio fez uma nova operação na Rocinha, a quinta em cinco dias. Houve um intenso tiroteio entre policiais e criminosos. Traficantes fizeram disparos da área de mata da Rocinha contra policiais que cercavam a comunidade.

Jungmann disse que os militares participarão do cerco a fim de liberarem os policiais do Rio possam subir o morro para fazer o enfrentamento com as quadrilhas de traficantes de drogas que dominam a comunidade. “Exército não substitui polícia”, afirmou Jungmann.

De acordo com o ministros, a partir “das 15h, 15h30”, os homens estariam se deslocando das suas unidades militares para realizar esse cerco”, disse.

Segundo o ministro, estão no Rio de Janeiro aproximadamente 30 mil militares, dos quais 10 mil, operacionalmente, podem ser mobilizados, de acordo com a necessidade. “Neste momento, por se tratar de uma demanda de urgência, você desloca com mais velocidade a Polícia do Exército”, disse.

O pedido para que os militares fosse acionados partiu do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão e do secretário de Segurança Pública do estado, Roberto Sá. O secretário afirmou que, desde o último domingo 17, quando a Rocinha foi invadida por criminosos ligados ao traficante Nem, as polícias civil e militar monitoram a situação na comunidade. Ele afirmou que somente nesta sexta foi identificada a necessidade do auxílio das Forças Armadas.

O ministro afirmou que, na reunião com Temer, o presidente “reiterou sua disposição de manter” o apoio das forças federais nas ações que estão em curso, inclusive do ponto de vista orçamentário.

“Até hoje não tivemos nenhuma escassez, não deixou de faltar qualquer recurso para realizar qualquer operação no Rio de Janeiro”, disse Jungmann.

Ação social e força-tarefa

O ministro Raul Jungmann também informou que nos próximos dias Temer e o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, irão ao Rio de Janeiro para anunciar um “amplo pacto na área social”.

Antes do encontro com Temer, Jungmann se reuniu por cerca de uma hora com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a quem propôs a formação de uma força-tarefa integrada por procuradores e representantes do governo federal.

Segundo ele, o objetivo da força-tarefa será “combater não só o crime organizado, mas o estado paralelo, ou seja, aquelas instituições do estado capturadas pelo crime organizado”.

A Procuradoria Geral da República informou que Raquel Dodge pediu ao ministro da Defesa para formalizar uma proposta, com a indicação do papel de cada órgão na força-tarefa.

Segundo Jungmann, a procuradora-geral sugeriu a instalação de parlatórios dentro das penitenciárias e dos presídios federais como forma de intermediar as comunicações entre presos e advogados.

O ministro defendeu a instalação desses parlatórios em unidades prisionais, maior parte das quais administradas pelos estados. Conforme o ministro, o preso ficaria separado por um vidro do advogado ou familiar e se falariam por telefone, com as conversas registradas. Jungmann declarou que há resistência à medida, sobretudo de advogados criminalistas.

 Questionado se o plano nacional de segurança fracassou ao não impedir a comunicação entre criminosos dentro da prisão e seus comparsas na rua, o ministro afirmou que o governo federal faz apenas as varreduras nas prisões. “Fizemos as varreduras. Agora, mantê-las limpas [as cadeias] evidentemente é trabalho dos estados”.

“Nós fizemos até agora 30 varreduras e encontramos dentro destes presídios um fato extremamente preocupante: 1 em cada 3 presos está armado em presídios e penitenciárias do país. Lá dentro, encontramos celulares, televisor, tudo o que vocês imaginarem. Boa parte do nosso sistema prisional é uma peneira”, declarou.

Os conflitos

Logo cedo, o Batalhão de Choque da Polícia Militar fez um nova operação na região da Rocinha, a quinta em cinco dias. Desde as 9h30 desta sexta-feira, a favela enfrenta um intenso tiroteio entre policiais e criminosos. Traficantes fizeram disparos da área de mata da Rocinha contra policiais que cercavam a comunidade.

O tiroteio entre traficantes e policiais foi relatado por moradores da favela em redes sociais e foi registrado em vídeos que circulam na internet. Segundo relatos, os criminosos tentaram fugir pelo Alto da Boa Vista, passando pela Vista Chinesa, um dos principais cartões postais da região.

Houve relatos de tiros em outras favelas do Rio de Janeiro, como o complexo de favelas do Alemão, Dona Marta, Vila Kennedy e Chapéu Mangueira. Uma criança foi baleada na Fazendinha, favela do Complexo do Alemão.

Locais do Rio com relatos de tiroteios nesta sexta (22) (Foto: Arte/G1)Locais do Rio com relatos de tiroteios nesta sexta (22) (Foto: Arte/G1)

Locais do Rio com relatos de tiroteios nesta sexta (22) (Foto: Arte/G1)

Devido à operação policial na Rocinha, a autoestrada Lagoa-Barra foi fechada entre o Fashion Mall (desvio) e a Praça Sibelius na manhã desta sexta. A autoestrada é a principal ligação entre a Zona Sul e a Zona Oeste da cidade. O túnel Zuzu Angel também foi fechado em razão dos conflitos.

Durante o tiroteio, um ônibus da linha 538 foi incendiado na Estrada da Gávea. A informação é de que o ato foi criminoso, segundo o repórter Pedro Figueiredo, da TV Globo.

Quase 2,5 mil alunos da rede municipal de ensino ficaram sem aula na Rocinha na manhã desta sexta. São estudantes de duas creches, um espaço de desenvolvimento infantil e cinco escolas.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, todas as cinco unidades de saúde da Rocinha foram fechadas e estão com o atendimento suspenso.

 Guilherme Mazui

Comentários

comentários

Veja também