Carlos Lima
Hoje dia 20/07/2018 às 10:37:35

Região
Carlos Lima | Publicado em 15/06/2018 às 10:13:58

Coelba condenada á pagar R$: 3 mil a advogado que fez aniversário À luz de velas

Coelba condenada á pagar R$: 3 mil a advogado que fez aniversário À luz de velas Advogado faz aniversário a luz de velas

Um advogado da cidade de Brumado, no sudoeste da Bahia, que enfrentou uma queda de energia durante a comemoração do aniversário e que teve fazer a festa à luz de velas, será indendizado pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba).
A Justiça determinou a indenização de R$ 3 mil no processo de danos morais movido por Paulo Henrique Amorim, que completou 28 anos em fevereiro deste ano.
Na decisão, publicada na segunda-feira (11), o juiz Rodrigo Souza Britto disse que a companhia de eletricidade não conseguiu justificar a legalidade na interrupção dos serviços de energia. A decisão ainda cabe recurso.
Sobre a alegação da empresa, de que a conta de contrato da casa não está em nome do reclamante, o juiz considerou que ele “demonstrou que, embora não seja a titular da conta contrato questionada, mora na unidade residencial e sofreu pessoalmente as consequências do defeito na prestação dos serviços”.
Em contato com o G1, o advogado celebrou a decisão. “Eu achei foi uma decisão célere, que serve como lição. Mas é uma situação que não vai voltar, sempre vou relembrar em todo o aniversário”, contou.
Em nota, a Coelba disse que vai recorrer da decisão. A empresa defende que a interrupção do serviço foi provocada após um caminhão baú passar pelo local e arrastar os cabos da rede elétrica, danificando os equipamentos do fornecimento de energia. “Ou seja, o acidente foi provocado por terceiro e não por falha na prestação de serviço da concessionária de energia, que atuou rapidamente para restabelecer o serviço”, disse.
A empresa também disse que o acidente ocorreu às 17h59 e o desligamento da rede do local foi necessário para a realização do serviço com segurança, tanto para os técnicos quanto para a população. A energia do local foi restabelecida às 21h20. “O próprio autor do processo afirmou, em audiência ocorrida no dia 16/05/18, que a falta de energia elétrica ocorreu antes do início da festa”.

Cerca de 20 pessoas foram convidadas para a festa e ficaram no escuro (Foto: Lay Amorim/Achei Sudoeste)
Um advogado entrou com uma ação contra a Coelba após uma queda de energia ter atingido a rua onde ele mora, no momento em que recebia convidados em casa para a festa de aniversário dele. A comemoração teve de ser feita a luz de velas. O aniversariante pediu indenização de R$ 10 mil por danos morais.
Paulo Henrique de Amorim conta que a festa para comemorar seus 28 anos e que ficou muito constrangido com a suspensão do fornecimento de energia. Cerca de 20 pessoas foram convidadas para o evento, que ocorreu na casa onde ele mora com a mãe, na Rua Sargento José Rodrigues, bairro Jardim Brasil.
“Na sexta, eu mandei mensagem no grupo da família convidando as pessoas para irem na minha casa, porque minha mãe estava organizando um jantar. Minha mãe ficou empenhada o dia inteiro nisso. Estava marcado para as 19h30 e, por volta de 18h, a rua ficou toda escura. Aí, conforme o pessoal ia chegando em casa, a gente ia acendendo velas. Algumas pessoas usavam as próprias luzes do celular”, destacou.
Paulo disse que a energia só voltou cerca de 3h30 depois e que a Coelba não informou o motivo da interrupção do serviço.

“A luz só voltou umas 21h30. O que salvou meu aniversário foi a lua, que estava cheia e clareou um pouco o local. Por causa da falta de luz, as bebidas esquentaram. Estavam na geladeira desde cedo. A cerveja ficou quente e as pessoas reclamaram. Foi uma situação que incomodou bastante. Estava difícil até para transitar na casa. Para servir o jantar foi uma confusão. Além disso, nem pude tirar fotos, por causa do escuro. Mesmo com o flash as fotos ficaram ruins”, destacou.
Dois dias depois do ocorrido, Paulo decidiu processar a Coelba. “No dia, eu liguei três vezes para a empresa e sempre era atendido por uma gravação eletrônica que se limitava a dizer que tinha conhecimento do caso e que a previsão de retorno era às 21h46. Mas nada foi explicado para a gente. Não estava chovendo no momento da queda de luz, não houve nenhum acidente envolvendo poste e nenhum contratempo que pudesse justificar a queda de luz”, disse o advogado.
Paulo disse que ficou constrangido e que a situação o marcou. “Foi algo que marcou a minha vida. é comum a luz cair na região, mas não ficar tanto tempo sem luz. E justamente no dia do meu aniversário acontece isso. Foi o presente que ganhei da Coelba”, disse.

G1

Comentários

comentários

Veja também