Carlos Lima
Hoje dia 25/08/2019 às 06:40:26

Região
Carlos Lima | Publicado em 28/03/2019 às 11:33:21

Indígenas protestam contra municipalização da saúde

Indígenas protestam contra municipalização da saúde Indígenas fecham trecho da BA-001 em protesto contra municipalização da saúde — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária Estadual (PRE)

Um grupo de cerca de 50 índios tupinambás fez um protesto na BA-001, na região da cidade de Olivença, no sul da Bahia, na manhã desta quinta-feira (28). Os manifestantes fecharam trecho da via com um tronco de árvore, das 7h30 às 10h.

De acordo com lideranças que estão no local, o protesto faz parte de uma mobilização nacional contra a municipalização da saúde da população indígena. Atualmente, a pasta é de responsabilidade Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), ligada ao Ministério da Saúde.

O grupo usa algumas faixas com palavras de ordem. Um congestionamento se formou no local, por conta da interdição na via. Além disso, os índios também reivindicam a demarcação de território dos povos indígenas. O protesto é pacífico e acompanhado pela Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

Nota do Ministério da Saúde

“O Ministério da Saúde esclarece que a realização de ações na Atenção à Saúde Indígena desenvolvidas pela Secretaria Especial de Saúde indígena (SESAI) é uma das atribuições da pasta e que as eventuais mudanças no desenvolvimento dessas ações de vigilância e assistência à saúde aos povos indígenas ainda estão sendo objeto de análise e discussão.

É importante deixar claro que não existe, no momento, medida provisória do governo federal que modifica a política indigenista do país e municipaliza os serviços de saúde de indígenas.

Cabe ressaltar que não haverá descontinuidade das ações. Para isso, o Ministério tem se pautado pela garantia da continuidade das ações básicas de saúde, a melhoria dos processos de trabalho para aprimorar o atendimento diferenciado à população indígena, sempre considerando as complexidades culturais e epidemiológicas, a organização territorial e social, bem como as práticas tradicionais e medicinais alternativas a medicina ocidental.”

G1Ba

Comentários

comentários

Veja também