Carlos Lima
Hoje dia 15/12/2017 às 00:37:56

Região
Carlos Lima | Publicado em 28/11/2017 às 15:42:47

PF vê indício de lavagem de dinheiro de Geddel e irmão

PF vê indício de lavagem de dinheiro de Geddel e irmão PF vê indícios de lavagem de dinheiro e associação criminosa de Geddel e Lúcio Vieira Lima

A Polícia Federal concluiu o inquérito sobre as malas com R$ 51 milhões encontradas em um apartamento em Salvador apelidado de “bunker” e concluiu que há indícios de crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa cometidos pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, o irmão dele, deputado Lúcio Vieira Lima e mais três pessoas.

O relatório do inquérito com essas conclusões foi enviado ao gabinete do ministro Luís Edson Fachin, relator do caso no Supremo Tribunal Federal .

O dinheiro é atribuído por investigadores ao ex-ministro Geddel. Além dele e do irmão Lúcio, a PF imputa as mesmas acusações ao ex-assessor do deputado Job Ribeiro; à mãe de Geddel e Lúcio, Marluce Vieira Lima; e a Gustavo Ferraz, aliado de Geddel.

O advogado Gamil Foppel, responsável pela defesa dos Vieira Lima, afirmou que não iria comentar o indiciamento dos clientes porque ainda não teve acesso à conclusão do inquérito.

“Não posso comentar reportagem. Não posso comentar o que eu não tive acesso. Caso contrário, estaria apenas sofismando”, disse o criminalista.

A TV Globo apurou que deve ser instaurado um inquérito separado para apurar prática de peculato (crime cometido por servidor público no exercício da função) em relação à devolução ao deputado de parte dos salários do ex-assessor Job Ribeiro, conforme o próprio revelou à Polícia Federal e ao Supremo Tribunal Federal.
Na investigação sobre os R$ 51 milhões, o próximo passo agora é a Procuradoria Geral da República decidir se denuncia ou não os envolvidos.
A TV Globo apurou que, na procuradoria, a conclusão é que há elementos suficientes para se fazer a acusação formal contra a família Vieira Lima . E que os indícios são “contundentes” sobre o crime de lavagem.
Gustavo Ferraz

Nesta terça-feira (28), os depoimentos à Polícia Federal do ex-diretor-geral da Defesa Civil de Salvador Gustavo Ferraz foi disponibilizado no processo que corre contra o grupo no Supremo Tribunal Federal.

À PF, Ferraz confirmou que em 2012 buscou dinheiro em São Paulo a mando de Geddel. Segundo ele, o ex-ministro afirmou que a quantia era uma doação de campanha ao PMDB baiano, do qual Geddel era presidente.

Além disso, narrou que Geddel disse que o dinheiro seria usado nas campanhas para prefeito e vereadores do PMDB na Bahia. Após buscar a mala com o dinheiro em São Paulo, Gustavo Ferraz disse que voltou para Salvador em um avião fretado.

Chegando à capital baiana, Ferraz disse à PF que entregou o dinheiro à Geddel, que abriu a mala e retirou alguns pacotes com notas de R$ 50 e R$ 100. Ferraz afirmou, porém, que não sabe precisar a quantia.

Ele afirmou ainda que acredita que suas digitais foram parar no dinheiro apreendido pela PF nesse dia.

No final do depoimento, Ferraz disse que se sentiu “traído” por Geddel por ele ter ficado com o dinheiro que, segundo havia dito, seria para campanhas do PMDB.

Camila Bomfim

Comentários

comentários

Veja também