Carlos Lima
Hoje dia 23/08/2017 às 02:31:48

Região
Carlos Lima | Publicado em 02/06/2017 às 16:08:52

Polícia investiga estupro coletivo de garota de 14 anos em Itabuna

Polícia investiga estupro coletivo de garota de 14 anos em Itabuna Caso é tratado como sigiloso. Vítima e a mãe recebem assistência psicológica do Conselho Tutelar.

Uma adolescente de 14 anos foi vítima de um estupro coletivo na cidade de Itabuna, na região Sul da Bahia. Segundo informações do Conselho Tutelar do município, o crime aconteceu na semana passada, porém, só foi denunciado na última terça-feira (30), após a mãe da vítima ver um vídeo feito pelos autores do crime e que foi divulgado nas redes sociais.

Ainda segundo o Conselho, o crime foi cometido por dois adolescentes e um jovem de 18 anos, que estudam na mesma escola da vítima. O estupro ocorreu na casa de um dos autores e menina foi levada para lá sob o pretexto de que iria fazer um trabalho escolar. A jovem ainda teria sido coagida pelos autores a não contar o que aconteceu à mãe, que viu o vídeo graças a uma vizinha.

A mãe da adolescente prestou queixa na delegacia de Itabuna e o Conselho Tutelar foi acionado, o órgão então orientou que a família procurasse a Delegacia Especial de Atenção a Mulher (Deam). Segundo a delegada Ivete Oliveira Albano, titular da Deam, o crime foi registrado na delegacia na quinta-feira (1º). “Imediatamente expedimos uma guia para a realização do exame de corpo de delito para que a investigação fosse iniciada”, disse a delegada.

Ainda de acordo com Ivete, os autores do crime já foram identificados e a polícia está tomando as devidas providências. “Os fatos serão averiguados e vamos investigar as circunstâncias do abuso”, completou. A vítima está sendo acompanhada pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e, de acordo com o Conselho Tutelar, deverá mudar de escola.

O Conselho informou também que a direção da escola estadual Armando Freire, onde estudam a vítima e os autores, será ouvida porque, de acordo com o órgão, os gestores da instituição de ensino tinham conhecimento do vídeo que circulava na internet, porém, não informou à mãe da adolescente ou tomou qualquer providência em relação ao crime.

 Correio

Comentários

comentários

Veja também