Carlos Lima
Hoje dia 20/04/2018 às 14:34:48

Saúde
Carlos Lima | Publicado em 30/01/2018 às 16:41:54

Casos de malformações relacionadas ao zika passam de 3 mil

Casos de malformações relacionadas ao zika passam de 3 mil Mãe e bebê com microcefalia no Recife, Pernambuco (Foto: Felipe Dana/AP Photo )

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira (30) novos dados relacionados às alterações no crescimento e desenvolvimento de bebês/crianças devido à infecção pelo vírus da zika. Foram confirmados 3.037 casos entre 8 de novembro de 2015 e 2 de dezembro de 2017, segundo o novo boletim epidemiológico.

A síndrome congênita do vírus da zika, reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é um conjunto de malformações e problemas apresentados por bebês que tiveram mães infectadas durante a gestação. A microcefalia é só uma das consequências. As crianças também podem ter o sistema nervoso central afetado, apresentando epilepsia, deficiências auditivas e visuais, prejuízo no desenvolvimento psicomotor, bem como efeitos negativos sobre ossos e articulações.

Desde 2015, quando os primeiros casos surgiram, o Ministério da Saúde divulga dados sobre os bebês e crianças afetados. O novo boletim informa que já foram recebidas 15.150 notificações suspeitas nestes dois anos. Após “criteriosa investigação”, o governo diz que 1.987 desses casos foram excluídos e não têm relação com o vírus.

Entre os casos restantes e com investigação concluída, além dos mais de 3 mil confirmados, outros 6.718 foram descartados (44,3%), 310 foram classificados como prováveis (2%) e 195 são considerados inconclusivos (1,3%).

Regiões que concentram o maior número de notificações:

  • Nordeste – 60,7%
  • Sudeste – 23,8%
  • Centro-oeste – 7,3%

Cinco estados com maior número de casos notificados:

  • Pernambuco – 16,9%
  • Bahia – 16,2%
  • São Paulo – 9%
  • Paraíba – 7,4%
  • Rio de Janeiro – 7,4%

Por G1

Comentários

comentários

Veja também