Carlos Lima
Hoje dia 18/10/2017 às 16:53:45

Saúde
Carlos Lima | Publicado em 09/06/2017 às 11:28:00

Dançar ajuda a curar a depressão e eleva a autoestima

Dançar ajuda a curar a depressão e eleva a autoestima Dançar é uma atividade física e traz os mesmos benefícios físicos que as outras: melhora a condição muscular, promove o ganho de condicionamento físico, melhora o equilíbrio e a condição articular.

O poder da dança, ela ajuda a curar a depressão e a recuperar a autoestima! E não precisa ter vergonha. O neurologista Tarso Adoni explica porque dançar diminui o risco de Alzheimer e outras demências.

Despacito, você já ouviu falar nesta música? Todo mundo está dançando e brincando também.

Dançar é uma atividade física e traz os mesmos benefícios físicos que as outras: melhora a condição muscular, promove o ganho de condicionamento físico, melhora o equilíbrio e a condição articular.

Além disso, a dança tem um efeito terapêutico porque promove a sociabilização e a distração, não é possível dançar com os pensamentos em outro lugar, o foco é totalmente nos movimentos e os problemas dão um tempo, pelo menos naquele instante.

A professora de dança, Helô Gouvea, explica que todo mundo pode dançar e cada aluno tem uma forma diferente de aprendizado. A desculpa de “não sei dançar” ou “não tenho coordenação motora” não vale, qualquer um pode.

Benefícios neurológicos

Estudos comprovam que a dança, principalmente a dança de salão, aumenta a longevidade cerebral, ajuda a diminuir o risco de problemas de memória, demência e até doenças neurológicas, como o Alzheimer.

O neurologista Dr. Tarso Adoni explica que isso acontece porque a dança precisa de uma série de etapas para acontecer de maneira harmônica: primeiro ocorre uma ativação sensitiva e depois a movimentação.

Essa sequência estimula diferentes partes do cérebro.

Todas as informações precisam sair do cérebro e trafegar pelo corpo para que os membros se mexam, responsabilidade da medula espinhal.

É por isso que quando uma pessoa lesiona essa região, não consegue mais se mexer, apesar do cérebro compreender todos os movimentos.

Quanto mais se dança, mais essas áreas são estimuladas. A cada novo passo, novas sinapses são feitas, ou seja, novos caminhos são criados no cérebro.

Quanto mais vezes o movimento é repetido, melhor ele vai ficar ao longo do tempo porque o cerebelo vai aperfeiçoando aquele processo.

E sabe aquele convite para dançar juntinho? Pode ser uma boa porque a dança em casal é ainda mais benéfica para o cérebro, além de todas as etapas já ditas, o cérebro precisa entender o ritmo, tempo e o movimento do parceiro. São mais estímulos para o cérebro!

G1

Comentários

comentários

Veja também