Carlos Lima
Hoje dia 16/11/2019 às 22:19:14

Saúde
Carlos Lima | Publicado em 04/07/2019 às 13:15:27

‘Fiz dois abortos em sete meses e não me arrependo’

‘Fiz dois abortos em sete meses e não me arrependo’ Sam diz que se sentiu burra e envergonhada por ter que fazer um segundo aborto

Atenção: essa matéria contém descrições que podem ser consideradas perturbadoras.

Muitas mulheres dizem que preocupações financeiras estão entre os principais fatores que as levaram a interromper uma gravidez.

Esse é o caso de Sam, entrevistada pelo programa Victoria Derbyshire, da BBC. “Eu sabia que eu não tinha como ter um filho. De forma nenhuma eu conseguiria arcar com os custos”, diz.

Quando soube que estava grávida, Sam decidiu imediatamente que não teria o bebê. “Foi uma decisão relativamente fácil, eu estava bastante apertada financeiramente… E não acho que estava preparada para o abalo emocional.”

“(Antes do aborto), eu pensava que poderia voltar a trabalhar logo depois e que ficaria tudo bem. Mas eu acabei precisando tirar uma semana de folga. Eu me senti aliviada (depois do aborto), mas foi muito difícil, muito doído”.

Na Grã-Bretanha, as opiniões sobre o aborto estão ficando mais liberais, segundo uma nova pesquisa realizada pela YouGov com mais de 1.600 pessoas.

Atualmente, é possível fazer um aborto na região dentro das primeiras 24 semanas de gravidez. Em circunstâncias específicas, também é possível fazer um aborto depois desse período – por exemplo, quando a vida da mãe está em risco ou quando a criança nasceria com uma deficiência grave.

Entre as pessoas que participaram da pesquisa, 53% gostariam que o limite de 24 semanas fosse mantido ou ampliado. Em uma pesquisa realizada em 2015, menos pessoas pensavam dessa maneira – 45%. Do outro lado, 28% defendiam a redução do limite de 24 semanas ou mesmo a proibição do aborto – em 2015, eram 35%.

No Brasil, a situação é bastante diferente. De acordo com uma pesquisa Datafolha de janeiro, 41% dos brasileiros são contrários a qualquer tipo de aborto e acham que a prática deveria ser totalmente proibida. Na outra ponta, 22%, o aborto deveria ser permitido em mais situações ou em qualquer situação.

Já 34% dos entrevistados acreditam que o aborto deve continuar como é hoje – permitido no Brasil em casos de estupro, quando houver risco de vida para a mulher ou quando o feto for anencéfalo.

Aborto em segredo

Sam não teve problema em assumir que fez um aborto. Chegou, inclusive, a contar para seus amigos nas redes sociais. Segundo ela, o apoio que recebeu a ajudou a lidar com a situação.

“A gente não se dá conta de que existem tantas mulheres em volta de nós que já fizeram (aborto)”, fala Sam. “Muitas mulheres podem não falar abertamente sobre isso por razões culturais ou religiosas. E acabam escondendo de todo mundo.”

Sam tentou usar diferentes métodos contraceptivos, mas sempre sofria com os efeitos colaterais. Por isso, ela resolveu acompanhar seu ciclo reprodutivo com a ajuda de um aplicativo. Foi assim que acabou engravidando.

Sete meses depois do primeiro aborto, Sam acabou ficando grávida de novo e abortou uma segunda vez. “Eu me senti muito burra e envergonhada, porque eu tinha feito (um aborto) havia pouco tempo. Eu não senti que poderia falar tão abertamente sobre isso dessa (segunda) vez”, conta.

“Eu ainda não tinha uma renda estável, um emprego estável, uma casa estável. Então, eu sabia que não poderia seguir com essa gravidez. Mas eu não estava completamente segura, porque eu realmente não queria ter que passar por dois abortos na minha vida.”

Caroline Gazet
Image caption A médica Caroline Gazet acredita que precisamos “nos afastar da sociedade paternalista” que não autoriza que as mulheres decidam sobre seu corpo

‘Eu não estava preparada’

Na segunda vez que engravidou, Sam decidiu tomar pílulas abortivas em casa, em vez de fazer uma nova operação.

Dias depois, quando estava no trabalho, ela ficou horrorizada ao encontrar um embrião no seu copo menstrual.

“Eu não estava preparada. Eu achei que (o resultado) seria um grande coágulo. Mas não. Eu não estava preparada para aquilo. Tinha o formato de um feijão… é muito claro que aquilo poderia eventualmente se tornar um feto. Ver o embrião me fez perceber que eu realmente estava grávida, que eu poderia ter tido um filho”.

O médico Calum Miller, que é contra o aborto, diz que médicos e enfermeiras geralmente se escondem em “terminologias eufemísticas”. “As pessoas sabem que se trata de um bebê, porém muitas vezes dizem ‘produto da concepção’ ou ‘tecido de gravidez'”, comenta Miller.

“A maioria das pessoas com quem eu converso não tem ideia do que está envolvido (no aborto) e ficam horrorizadas quando descobrem o que nossa lei realmente permite”, continua Miller.

Já a médica Caroline Gazet afirma que as mulheres são totalmente preparadas e informadas por profissionais de saúde antes de tomarem a decisão. Segundo ela, é preciso confiar nas mulheres e “nos afastar dessa sociedade paternalista” em que os médicos precisam aprovar a realização do aborto.

“Por que as mulheres precisam justificar a realização do aborto? Isso faz parte da saúde da mulher”, diz Gazet.

Sam diz que não se arrepende de ter feito dois abortos. E teme nunca ser capaz, financeiramente, de ter um filho.

Os jovens de sua geração estão enfrentando dificuldades para conseguir pagar um local para viver. Entre suas amigas, Sam estima que pelo menos 20 já fizeram um aborto.

“Eu definitivamente não vou conseguir pagar uma casa no horizonte de tempo em que eu gostaria de ter filhos”, fala. “É algo que me deixaria muito ansiosa caso eu engravidasse novamente.”

BBC

Comentários

comentários

Veja também