Brasil é um dos países que mais degradam e destroem florestas

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Devastação na Amazônia

Um levantamento do  WWF Internacional realizado em 29 países de quatro continentes indicou que o Brasil é uma das nações com maior desmatamento e degradação de florestas.

A pesquisa, realizada entre 2000 e 2018, apontou duas frentes simultâneas de destruição – Amazônia e Cerrado.

O estudo, intitulado “Frentes de desmatamento : vetores e respostas em um mundo em evolução”, ocorreu em 24 localidades da América Latina, na África Subsaariana, no Sudeste Asiático e na Oceania.

Pelo menos dois terços da perda de cobertura florestal global nesse período ocorreram nessas regiões tropicais e subtropicais.

A devastação atingiu 43 milhões de hectares, quase a mesma extensão do Marrocos.

De acordo com os pesquisadores, a devastação da mata alterou o equilíbrio entre o homem e a fauna e proporcionou o aumento de doenças zoonóticas – ou seja, aquelas que passam de animais para humanos -, como Ebola, Sars e, a partir de 2020, a Covid-19 .

“Isso ocorre porque o aumento da densidade de animais em áreas desmatadas e degradadas também eleva as doenças nessas populações de animais selvagens que, por sua vez, têm mais interações com pessoas devido à maior presença humana nas áreas de floresta degradada”, explicaram os pesquisadores.

“Resultado: mudanças no uso da terra contribuíram para quase metade das doenças zoonóticas que afetaram humanos entre 1940 e 2005”.

O estudo acrescenta que “não é por acaso” que o surgimento de novas doenças é elevado em regiões tropicais, cobertas por florestas e savanas, que estão passando por mudanças no uso da terra.

“Neste momento em que governos criam políticas para lidar com os impactos econômicos e sociais da pandemia global, devemos lidar com o consumo excessivo e valorizar mais a saúde e a natureza do que a ênfase esmagadora atual no crescimento econômico e nos lucros financeiros a todo custo”, reivindica Fran Raymond Price, líder da Prática de Florestas no WWF Internacional.

“Isto é do melhor interesse da humanidade: mudanças no uso da terra são um dos principais vetores de novas zoonoses, portanto, se não enfrentarmos o desmatamento enquanto podemos, podemos perder nossa chance de ajudar a evitar a próxima pandemia”, conclui.

A agricultura comercial, segundo o levantamento, é a principal causa do desmatamento de áreas para pecuária e o cultivo de commodities, seguida da mineração e da expansão da infraestrutura – como redes de estradas de ferro e rodovias.

Agência O Globo

OUTRAS NOTÍCIAS