Manguezais baianos serão repovoados com mais de 1 milhão de caranguejos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

O Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-Uçá (Puçá), realizado pela Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri), está na fase final de produção de mais um lote de caranguejos para repovoamento dos mangues baianos.

No laboratório da empresa, na Fazenda Oruabo, em Santo Amaro, no Recôncavo, cerca de 1,5 milhão de larvas da espécie já estão em tanques com temperatura e salinidade da água monitoradas para diminuir a mortandade das larvas.

A próxima etapa no desenvolvimento dos animais é a sua metamorfose em megalopas – caranguejos na segunda fase de crescimento, medindo apenas meio centímetro.

“Esta é uma fase crucial. A mortandade é muito alta durante esta metamorfose e a média de sobrevivência é de 25% a 35% dos indivíduos”, explica a tecnóloga em aquicultura, responsável pelo Laboratório de Larvicultura de Caranguejo-Uçá da Bahia Pesca, Eliane Hollunder. Assim que estiverem formadas, as megalopas serão soltas nos mangues de Santo Amaro da Purificação.

 

Passo a passo – O processo de produção dos caranguejos em cativeiro começa com a captura, por parte de pescadores e marisqueiras, de fêmeas ovadas (grávidas) da espécie. Eles são colhidos preferencialmente no mesmo habitat em que as megalopas serão distribuídas no futuro. “As 115 fêmeas que temos hoje foram capturadas nos manguezais de Acupe, em Santo Amaro”, diz Hollunder.

Os animais são alimentados com peixe e camarão até a eclosão dos ovos. É neste momento que “nasce”, em forma de larva, a iguaria tão apreciada por baianos e turistas. Depois as larvas são colocadas em tanques, onde se alimentam de microalgas e microcrustáceos e vão se desenvolvendo até atingir o estado de megalopas.

Fonte: Seagri

OUTRAS NOTÍCIAS