Os agro-otários: vejam o documento da CIA sobre a soja brasileira

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Agro otários

Paula Sperb publica na Folha que, ao menos desde 1973,  “a soja brasileira é encarada pelos Estados Unidos como uma ‘ameaça’ às exportações americanas há pelo menos 46 anos“, com base em documento da CIA recentemente desclassificado.

Fui atrás e o documento está disponível, na internet, para ser acessado por quem quiser.

Diz, claramente, que o nosso país se tornaria o principal concorrente dos norte-americanos – e com vantagens imensas – no mercado mundial deste grão, exatamente como é hoje.

E que o mercado chinês seria decisivo nesta disputa.

No entanto, a cultura dos plantadores de soja brasileiros sempre foi de demonizar os chineses, seus compradores, e de idolatrar os norte-americanos, seus concorrentes.

Vendem em mandarim e falam em inglês, claro que esticando os erres, orrraite?

Poderiam usar a língua para ler o documento da CIA, no original, e verão que a cultura da soja só se tornou um sucesso por conta do Estado brasileiro: investimento da Embrapa em cultivares adequados, subsídios, logística…

Os arapongas americanos estavam certos: o Brasil acaba de tomar a posição dos EUA de maior produtor de soja do mundo e é o maior exportador do grão, graças aos “malditos” chineses:

O Brasil já é o maior exportador de soja do mundo, graças ao apetite chinês.

Na safra 2018/19, os chineses deverão importar 103 milhões de toneladas de soja e os brasileiros vão exportar 72 milhões.

Agora, porém, batem palmas para um energúmeno que vai até mesmo à própria CIA bajular um governo que está fechou um acordo comercial com a China onde a principal prioridade norte-americana é garantir preferência de importação da soja norte-americana em detrimento da brasileira.

Realmente merecem o bobalhão que elegeram.

Os prejuízos para o agro negócio e o país são imensuráveis.

E agora?

OUTRAS NOTÍCIAS