ESOTERSIMO MAÇÔNICO

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

O verdadeiro Maçom é forjado na sarsa ardente que é o Templo Maçônico.

O verdadeiro Maçom tem o fiel compromisso com a Ordem, jamais podem ser Profanos de Avental.

Já é de algum tempo que diversos autores maçônicos,,escrevem sobre um número sempre crescente de “profanos de avental”.

Na verdade a Ordem tem consciência que um número bastante reduzido de Maçons sabe que em todos os dias, em qualquer lugar da terra onde se pratique um “Ritual Maçônico”, descortina-se e desfila-se o “drama da vida e da morte”.

É o mistério da criação com o Divino fluxo e refluxo da respiração de Brahmâ, que compreende um ciclo menor de criação de bilhões de anos entre suas sístoles e diástoles, entre seu meio dia e sua meia noite.

Na atualidade, podemos afirmar que a Maçonaria está sendo arrastada ao plano materialista, precisamos fazer com que isso não aconteça com a Grande Maçonaria Mista na Bahia, precisamos fortalecer a os caminhos traçados pelo Grão Mestre Gilberto Almeida, uma das principais coluna dessa Maçonaria Moderna Perfeita e realmente Justa, em nosso Estado.

Precisamos rever quais são as dificuldades na transmissão dos nossos ideais, aliada ao desejo de expansão, no pressuposto de que a quantidade de adeptos garante a supremacia, ou até mesmo, que da quantidade se tira a qualidade e os resultados.

É uma verdade quase inquestionável que a Maçonaria praticada na atualidade vem exigindo apenas que o candidato seja livre e de bons costumes, que tenha renda satisfatória, para fazer parte e desfrutar de seus augustos e secretos mistérios.

Na maioria das vezes se desconhece o que o candidato possui dentro do seu “EU” para irradiar aos seus semelhantes. Pouco ou nada se procura apurar antes ou depois do seu ingresso na Ordem.

Sua ascendência aos “Graus Superiores” dependerá tão somente de sua frequência aos trabalhos, de memorizar as respostas copiadas dos Rituais, e mesmo assim, nem todas.

E, dessa forma, raríssimos emprestam à Instituição um apoio real, sustentando como colunas inquebrantáveis a Estrutura Esotérica da Maçonaria.

É por isso, e não por minha vontade, que já existem os que nos classificam como “Os Filósofos do Malhete”.

A ordem é uma Instituição onde seus membros se tratam como IIrm. ? ., mas, nos dias atuais é lugar onde não tem reinado a fraternidade.

As reuniões em seu momento de discussões e estudos têm demonstrado o quanto estamos divididos em relação ao que seja a verdadeira prática Maçônica.

Essa não pode ser a nossa prática e o que nos separa é somente a vaidade, a ostentação material e às vezes a falta de conhecimento do que é a Maçonaria, alem do desejo incontido do poder.

Esse comportamento é tudo que não poderia existir num meio onde deve prevalecer o espírito sobre a matéria e, consequentemente, as qualidades entre nós, que são: Humildade e Harmonia.

É através do caráter esotérico da Maçonaria que exercemos a primazia de lutarmos incessantemente pela edificação moral da humanidade.

Com essa fiel prática na Maçonaria Mista, não será preciso alterar suas normas Simbólicas, mesmo que tenhamos de conviver com a incompreensão daqueles que se proclamam tradicionais ou especulativos, mas sem unanimidade.

Diante dessa posição, fico com o que disse o escritor maçônico e Grão Mestre do Grande Oriente Estadual de Minas Oriente Estadual de Minas Gerais, Armando Righetto, em seu livro “Maçonaria Uma Esperança”:

– A Maçonaria deve usar de uma rigorosa seleção, negando ingresso a quem não revele reais tendências espiritualistas e não adquiram os reais conhecimentos que os habilitem a viver nos moldes estabelecidos pelos princípios que pautam a existência dos que verdadeiramente creem no Grande Arquiteto do Universo e na alma humana. (Armando Righetto)

O ser humano através dos tempos vem procurando o conhecimento, mas o faz fora de si mesmo ou quando muito, procura tais conhecimentos na superfície periférica do seu corpo físico, denso. Cada vez mais aperfeiçoado pela medicina.

Esse conhecimento fabrica computadores, vai ao fundo dos oceanos, explora as profundezas da terra, do espaço, vai a Lua, explora a origem do universo, mas não conhece a si mesmo. Este desconhecimento é aceitável no profano, mas não é para o Maçom, embora justificável.

Não sei se algum Maçom desconhece que a Maçonaria com seus Símbolos e Rituais é predominantemente esotérica e todo esoterismo sem conhecimento torna-se perigoso a si mesmo como “Ser Cósmico” em evolução e, mais grave ainda, extremamente perigoso para qualquer Loja ou Templo onde tem lugar os Rituais.

Todo Maçom deve ser esoterista. A visão do Maçom não pode ser míope em relação a si próprio e à Grande Lei que rege a evolução dos mundos e da humanidade.

Embora o Maçom aceite o que significa tal afirmação, será que conhece efetivamente o que ocorre no desenvolvimento de um Ritual?

Nós que fazemos a Grande Maçonaria Mista, devemos nos elevar cada vez mais e colocarmos nossa consciência aos níveis mais altos até atingirmos o nível do Corpo Espiritual Superior, para que não voltemos anos revestirmos dos corpos grosseiros, preso ainda à roda temporal do Carma, para que possamos consolidar a presença da nossa Ordem na Ordem mundial.

Em Loja o Maçom deve permanecer circunspecto, concentrado e em postura que permita, com a Consciência do Grande Ritual Cósmico que o Ritual físico permitir e fornecer a energia modificada para um plano mais alto de vida.

Tanto o profano quanto o Maçom só se elevará pelas diversas maravilhas do amor e do conhecimento, com a prática da verdade, da harmonia, da justiça e da humildade.

Mas, a criação destas asas dependerá da nossa Consciência aliada à vontade, ao trabalho e ao Conhecimento.

Fonte: Carlos Lima/Literatura Maçônica

OUTRAS NOTÍCIAS