Julgamento moral

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Um conceito considerado bastante popular diz respeito aos padrões de aceitação para que se possa fazer um julgamento moral, que passa essencialmente pela cultura ou pelo grupo social da pessoa em questão.

Podemos afirmar que essa posição pode ser classificada como relativismo. E assim podemos afirmar que culturas ou grupos sociais têm normas muito diferentes pelos quais vivem ou convivem.

Uns dos exemplos mais contundentes podem ser citados através do Islamismo considerado radical.

Vejamos: Os ataques terroristas ocorridos nos Estados Unidos em 11 de setembro, às torres gêmeas, são moralmente justificados. Entretanto, na maioria da nossa sociedade ocidental, eles são considerados moralmente injustificados.

Outros fatos que chocam vêm da história dos povos. No entanto jamais podemos afirmar que as práticas comportamentais da humanidade em todos os recantos da terra podem ser julgadas com as mesmas concepções de moral.

Devemos respeitar a diversidade de códigos morais que existem entre os povos, mesmo porque não existe uma única moralidade que governe todos os homens.

Não há padrões de normas individuais e independentes a seguir que nos permitam determinar qual o código de conduta é normal e correto. Considera-se uma ação certa ou errada conforme os padrões dos grupos sociais e das normas adotadas por um povo ou civilização.

O relativismo moral é isso aí, é uma posição controversa. Diversas pessoas se sentem assustadoramente perturbadas em razão de que uma ação possa ser moralmente errada em uma sociedade e em outra, ser considerada correta.

Na verdade o relativismo elimina qualquer crítica a qualquer coisa que esteja fora da cultura ou subcultura do seu grupo social ou de um povo.

Um povo pode criticar e julgar, racionalmente, práticas dentro de suas fronteiras de civilização, por serem incompatíveis com as normas e os códigos dominantes de sua própria sociedade.

Os problemas que se enfrenta no julgamento moral, conforme o relativismo, não é que qualquer coisa seja permitida, é que todas as condições são amplamente limitadas.

No entanto devemos acreditar que alguns grupos sociais podem estar errados ou enganados sobre qual o código moral é o correto.

Dessa forma o nosso julgamento moral só terá validade dentro do grupo social em que vivemos, só é válido para a sociedade da qual fazemos parte.

Devemos reconhecer que os nossos códigos, normas e formas de vida não é melhores, do ponto de vista moral, em relação a outros modos existentes, por isso não podemos julgá-los, ou mesmo, confrontá-los.

A moral é muito mais coletiva do que individual, como muitos querem afirmar ou até mesmo generalizar.

Fonte: Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS