Cineasta francês Luc Besson é acusado por mulheres de abuso sexual

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Luc Besson em foto de 2015 — Foto: Andy Wong/AP Photo

Cinco mulheres acusam o cineasta francês Luc Besson de abuso sexual, segundo reportagem publicada pelo site de notícias

“Mediapart” nesta quata-feira (28). O diretor de “O quinto elemento” já é alvo de outras acusações e é investigado pela polícia em Paris.

As novas acusações foram feitas por duas antigas estudantes da escola de cinema de Besson, duas ex-assistentes da EuropaCorp, produtora fundada pelo cineasta, e uma aspirante a atriz, a modelo Karina Isambert.

Ela foi a única que não pediu anonimato.

A EuropaCorp não respondeu a pedidos por comentários.

Os novos casos

Uma antiga estudante da escola de Besson, L’Ecole de la Cité, afirma que foi assediada por ele em 2015.

Ela, que depois foi contratada como sua assistente, teve de aguentar beijos e abraços sem permissão.

A jovem foi a única das cinco a falar com a polícia, em julho.

Outra das mulheres conta que foi contratada como assistente na EuropaCorp nos anos 2000 depois de ser coagida a fazer sexo com o diretor.

Durante o breve tempo em que trabalhou na produtora, ela diz que foi coagida a fazer sexo com Besson outras duas vezes antes de pedir demissão.
Isambert afirma que participou de um teste para um papel com o diretor em 1995. Na ocasião, ela foi assediada e agarrada por ele.

Antigos

Depois de uma denúncia de estupro apresentada por uma atriz em maio, várias mulheres testemunharam no site de notícias francês Mediapart atitudes impróprias ou agressões sexuais da parte do cineasta francês Luc Besson.

A investigação do veículo online revela que várias mulheres entraram em contato com a atriz italiana Asia Argento, uma das principais figuras do movimento #MeToo e acusadora do produtor Harvey Weinstein, após seu discurso na cerimônia de encerramento do Festival de Cannes em maio.

G1

OUTRAS NOTÍCIAS