Projeto de Lei propõe sessões de cinema para crianças autistas

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Deputado Barbosinha, autor do projeto: “As pessoas com espectro autista vivem, sentem e veem o mundo de uma forma diferente, necessitam de ambientes especiais”

O deputado Barbosinha (DEM-MS) apresentou na terça-feira (23) um projeto de lei que dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de sessão de cinema adaptada às pessoas com Transtorno do Espectro Autista ou outras deficiências que acarretem hipersensibilidade sensorial em geral.

O autor do projeto reforça que a participação de pessoas com espectro autista, principalmente crianças e adolescentes, em cinemas é um verdadeiro desafio para os pais e familiares. “A hiperatividade, a hipersensibilidade auditiva e visual, a dificuldade de concentração e a necessidade de permanecer sentado por um longo tempo tornam difícil assistir a uma sessão convencional de cinema. O som alto e as luzes que contrapõem ao escuro do cinema acionam a hipersensibilidade e, por muitas vezes, são a causa do desconforto para quem não convive com o transtorno”, justifica o parlamentar.

No projeto o deputado propõe que as operadoras de salas de cinema de Mato Grosso do Sul promovam, no mínimo, uma sessão mensal de cinema adaptada, sem sobrepreço ao ordinariamente praticado.

A legislação ainda defende que o ambiente seja adequado para receber essas pessoas. No texto do projeto o parlamentar indica que as sessões devem ter luzes levemente acesas, volume de som reduzido e sem a exibição de trailers e propagandas comerciais.

Aos familiares ou acompanhantes, mediante a compra de ingresso, será permitido o acesso irrestrito à sala de exibição, podendo entrar e sair da sessão sempre que necessário. As sessões deverão ser identificadas com o símbolo mundial do Espectro Autista, que devem ser fixados na sala de exibição.

Para execução do objetivo da Lei o deputado Barbosinha reforça que podem ser firmados convênios e parcerias com entidades públicas e privadas.

Caberá às empresas operadoras de salas de cinema providenciar treinamento para seus funcionários para dar atendimento necessário e adequações às pessoas com deficiência, podendo buscar este treinamento junto a entidades que representem os interesses das pessoas a que se refere a legislação proposta.

As entidades que representam os interesses das pessoas com o transtorno poderão auxiliar as empresas operadoras de salas de cinema na definição de títulos de filmes, horários e peculiaridades para melhor adequação das sessões adaptadas.

De acordo com a proposta, as sessões devem ser restritas às pessoas com Transtorno do Espectro Autista – TEA e outras deficiências que acarretem hipersensibilidade sensorial em geral e aos seus familiares ou acompanhantes.

“As pessoas com espectro autista vivem, sentem e veem o mundo de uma forma diferente, necessitam de condições e ambientes especiais para que se sintam confortáveis, devendo essa necessidade ser respeitada e atendida por todos, principalmente aqueles que prestam e dispõem de serviços voltados ao público”, finaliza o deputado, ao justificar a legislação proposta. Legislação semelhante já está em vigor e foi sancionada do Estado do Paraná (Lei nº 19.928, de 11 de setembro de 2019).

O projeto segue agora para análise das comissões da Casa.

folha cg

OUTRAS NOTÍCIAS