É Lula aqui, lá e acolá

Lula novinho em folha

Temos conosco um Lula novinho em folha, zero quilômetro, nem que seja para atormentar o sono dos injustos

“O humor é o sal, o mel e o vinho da vida” (Algum filósofo da Antiguidade deve ter pensado esta frase).

Vocês, desavisados leitores, vão me desculpar, mas na alegria do 8 de março de 2021, eu, que sou mais desafinado do que rangido de porta de mosteiro, compus a letra de um sambinha, seguindo uma melodia do compositor Tulio Piva sobre a conquista da Copa de 58*:

Do Oiapoque ao Chuí/Corre uma alegria/Como eu nunca vi/É que um juiz/Lá do alto do Planalto/Seguindo seu decoro/Acabou co’a festa do seu Moro.

Zanin com Valeska tabelava/E agora, o que a Globo fará?/Pois de novo, a torcida gritava:/ É nóis feliz, e o Lula lá.

Muita quilometragem de linhas serão escritas louvando, medindo, ou execrando a decisão do juiz Luis Edson Fachin.

Há perguntas que não querem calar: o quanto a decisão de anular os processos e as condenações de Lula em Curitiba favorecem este, o quanto favorecem Moro, reabrindo o processo daquele, tentando zerar a conta deste?

Esta decisão de Fachin vai se sustentar, pois a PGR vai recorrer dela?

Como procederá o juiz de Brasília que será encarregado de reabrir o caso?

Como Lula tem mais de 75 anos, em breve as acusações contra ele vão prescrever?

O rosário de perguntas, todas pertinentes, e de respostas, nesta altura todas tateando o futuro incerto, não vai terminar tão cedo.

É claro que, pelo menos para leigos como eu em matéria jurídica, resta uma grande pergunta.

Cresci em meio católico, celebrando os Mistérios Gozosos, como a Anunciação à Virgem de que ela estava grávida; os Luminosos, como a Eucaristia na Santa Ceia; os Dolorosos, como o da Flagelação e Crucificação de Cristo; e os Gloriosos, como a da Ressurreição.

Mas nada se compara aos Mistérios Misteriosos do Poder Judiciário brasileiro.

Para não falar apenas dos tortuosos e labirínticos meandros da Lava-Jato, manifesto minha total e leiga perplexidade diante de como, durante quatro anos ou mais, as turmas e o pleno do STF não conseguiram elaborar decisões ou indecisões que não aquelas que permitiram levar Lula ao cárcere e ao ostracismo político, contemporizando com o arremedo de justiça praticado pela República de Curitiba, para tudo se acabar numa segunda-feira, na penada de um único juiz, e logo um dos que costumavam votar sistematicamente contra Lula.

Por mais que eu revire a lógica aristotélica, a geometria euclidiana e a matemática quântica, não consigo entender.

Haverá aí o dedo de um Demônio da Perversidade, já que esta decisão monocrática implica na possibilidade de que a corrida presidencial para 2022, cuja pista já foi aberta, será acompanhada pelo desfiar monocromático das acusações frívolas (como dizem os advogados de Lula) e falsas contra o ex-presidente, de possuir um triplex que nunca foi dele, e de se beneficiar de reformas num sítio que também nunca foi dele?

Houve também o crime da compra de um barco de alumínio por quatro mil reais, ousadia que transforma a aquisição de uma mansão em Brasília por seis milhões de reais cuja origem é mais misteriosa que os Mistérios de Elêusis, numa ninharia, uma nonada.

Apesar desta possibilidade não poder sair da raia das avaliações, deve-se reconhecer que a decisão da segunda-feira, 8 de março de 2021, jogou areia nos planos do atual ocupante do Palácio do Planalto, dos amantes da boquinha, fardados, de pijama ou em trajes civis, e jogou-os na areia movediça da incerteza.

Deve-se ressaltar também a velocidade retumbante com que a notícia da anulação das sentenças contra Lula correu as mídias mundiais que, já na noite de 8 de março, estampavam-na de modo estridente para quem não quisesse ouvi-la.

Se a dita decisão jogou areia nos planos futuros dos milicianos dos homens de bem, também jogou areia para o passado, maculando os trajes de quantos, na mídia, nos tribunais, nas casernas, nas bolsas de valores, nas catacumbas do poder e nos labirintos dos poderes financeiros, louvaram e incensaram a rapaziada de Curitiba e seus desmandos jurídicos como o milagroso elixir nec plus ultra da salvação nacional, além do mais receitado por um pastor expert em power point e um juiz que se deixou levar pelo ministério que passou em sua vida.

O que acontecerá daqui por diante?

Como minha bola de cristal é mais achatada que a terraplana do filósofo da Virgínia, não vou prever nada.

Diz um psicanalista amigo meu que o Brasil é a Terra do Triz: tudo acontece por um triz. Seja a felicidade, seja a desgraça, ambas sempre acontecem por um triz. Então, enquanto o trem de uma desgraça não vem, celebremos o triz feliz que nos foi dado viver enquanto é tempo.

Temos conosco um Lula novinho em folha, zero quilômetro, nem que seja para atormentar o sono dos injustos.

*Na sequência da vitória de 1958, o sambista e boêmio gaúcho Túlio Piva compôs esta homenagem ao nosso escrete, como se dizia então:

“Do Oiapoque ao Chuí
Corre uma alegria como eu nunca vi:
É que o Brasuik, lá nos campos da Europa,
Deu um baile, dançou samba e trouxe a Copa…

Zagallo tabelava com Pelé,
Didi, rei com a bola no pé,
Garrincha, tico-tico no fubá,
E a torcida gritava
Gol de Vavá”

Se alguém quiser se arriscar, me contacte por Whats App, que eu cantarolo a melodia, pois parece que sou um dos únicos coevos da composição que se lembra dela; e não ficou gravação.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS