Governo não apresenta proposta sobre quadro docente

Nada de novo foi apresentado pelo governo ao Fórum de Reitores em relação à ampliação do quadro de vagas efetivo das Universidades Estaduais da Bahia (Ueba), na reunião da última quinta-feira (8). Ao invés de avanços no que se refere à autorização de concurso público, os representantes das secretarias da Educação (SEC), da Administração (Saeb) e das Relações Institucionais (Serin) insistiram nas “dificuldades orçamentárias”.

“Havia um entendimento por parte do governo de que não poderia atender a demanda de crescimento do corpo docente e de técnicos das Ueba. Foi dito que seria necessária uma discussão sobre o limite de crescimento das universidades”, disse José Carlos Barreto, Reitor da Uefs, informando que foi discutida a possibilidade de propor o fim da limitação de vagas no quadro docente por classe.

Mais uma vez, usando a estratégia de discutir o problema separadamente por Universidade, o governo reúne-se com os reitores a partir desta semana. Nesta quinta-feira (15), às 16h, o encontro será com a Reitoria da Uefs.

“Por conta da insuficiência do quadro, estamos com problemas que tem dificultado o desenvolvimento das atividades desde 2011 e que se agrava a cada dia. Acredito que não distinguir vagas por classe ajuda em um aspecto, mas não resolve o problema das universidades de suprir as necessidades de vagas reais nos cursos existentes”, afirmou José Carlos.

Para atender as demandas da Uefs até 2014, são necessárias 136 vagas de concurso público. Em função da negativa do governo em ampliar o quadro e em autorizar os concursos, a instituição tem optado pelo processo de seleção para garantir professor em sala de aula. Desta forma, para o semestre de 2013.2, que começa no dia 26 de agosto, a Uefs aguarda que o Estado convoque 31 professores substitutos.

Em se tratando da situação dos professores substitutos da Uefs que estão sendo convocados para trabalhar sem contrato, Nildon Pitombo, chefe da Coordenação de Desenvolvimento da Educação Superior (Codes), se comprometeu a solicitar à Casa Civil a liberação dos processos para evitar os pagamentos por indenização.  

Fonte: Adufs

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS