Mostra Aurora 2018 começa em São Paulo

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Primeiro dos três grandes eventos de cinema que a produtora cultural mineira Universo realiza no ano – virão depois a Mostra CineOP e Mostra CineBH -, a Mostra de Tiradentes consolidou, em pouco mais de uma década, a Mostra Aurora como principal vitrine da produção autoral e independente no País. Já há algum tempo uma seleção da Aurora tem sido trazida à cidade, no CineSesc. Inaugura-se nesta quinta, 15, a Aurora 2018 em São Paulo. Além de uma seleção de premiados, a itinerância paulistana contempla títulos inéditos.

Reabrirá hoje com uma homenagem ao professor, crítico e historiador Ismail Xavier. Nos anteriores, a Aurora SP mantinha o homenageado de Tiradentes. Este ano, pela primeira vez, promove uma homenagem localizada. Para Raquel Hallak, da Universo Produção, “é um privilégio destacar e reconhecer o trabalho desse profissional que dedicou sua vida a decifrar o cinema brasileiro”. Sobre a Aurora em SP, Raquel diz que se trata de um espaço “para ampliar a janela do cinema brasileiro, que se apresenta renovada, oferecendo ao público vivenciar um dos mais pungentes retratos da nossa sociedade”. Como todo ano, a Aurora organiza sua seleção em torno de um tema. Este ano foi o chamado realista.

Até quarta, 21, serão apresentados 32 filmes – 14 longas e 18 curtas -, incluindo, na abertura, o vencedor do troféu Barroco, escolhido em janeiro pelo júri da crítica – Baixo Centro, da dupla Ewerton Belico e Samuel Marotta. Após a sessão, haverá debate dos diretores com o público, mediado pela curadora Lila Foster. Dois terços desse total é de filmes paulistas. Além das 19 sessões programadas, a Aurora SP terá dez encontros com os autores, um laboratório de documentários, uma oficina e um debate conceitual.

Por que o Chamado Realista? “Foi uma observação do que os filmes inscritos este ano estavam nos dizendo. É o cinema como espelho da nossa realidade cotidiana, colocando na tela um pouco das crises econômicas e sociais e também a questão urgente da representativa das minorias, por meio de negros, mulheres, índios, todo o universo LGBT”, avalia Raquel. A Aurora apresenta somente filmes inéditos de autores estreantes, até o terceiro longa. Naturalmente que o ineditismo se perdeu, na janela entre Minas e SP, mas o compromisso com o novo tem levado a seleção da Aurora a frequentar importantes festivais internacionais.

 

JB

OUTRAS NOTÍCIAS