Tempo - Tutiempo.net

O analfabetismo político

“O pior analfabeto é o analfabeto político (…)” — Bertolt Brecht.

Eu me lembro do Felipe Neto como se fosse hoje e de muitos dos youtubers e assemelhados a fluir seus venenos pela internet e a chicotear, por meio de suas línguas tóxicas e dignas de analfabetos políticos, a presidente trabalhista Dilma Rousseff, reeleita pelas urnas soberanas e a respeitar o jogo democrático.

Agressões e insultos sórdidos e sem limites, a ter como intenção malévola destruir a imagem de uma autoridade eleita democraticamente pelo povo brasileiro, além de que, como logo se comprovou posteriormente por meio de decisão da Justiça e reconhecimento do MPF e do TCU, que a mandatária de esquerda jamais incorreu em crimes de responsabilidade e de corrupção, mas as “pedaladas” fiscais foram o instrumento para que políticos e empresários tomassem o poder de assalto e rapidamente iniciar o desmonte do País.

Por sua vez, a campanha insidiosa, grotesca e extremamente violenta contra a presidente reeleita pela maioria do povo brasileiro levou o campo da direita, por intermédio de seus principais porta-vozes, a exemplo de Globo, Folha, Estadão e Veja, a inocular, ou seja, injetar diretamente no sangue de grande parte da sociedade deste País injusto, desigual e violento o ódio de classe e origem, ideológico e partidário.

O ódio e a intolerância que se alastram até os dias de hoje, a dividir, indelevelmente, a sociedade brasileira, que está a pagar caro, até mesmo de forma pedagógica, que golpes de estado e governos de direita e de extrema direita são letais à espécie humana e suas consequências estão aí para serem provadas e comprovadas pelos desgovernos entreguistas e neofascistas de Michel Temer e Jair Bolsonaro.

A irresponsabilidade, a leviandade e a ignorância política e histórica de muita gente como o Felipe Neto, que reconhece ter errado gravemente e, por sua vez, entrar na onda do ódio ao PT e suas principais lideranças, na verdade, é algo inexplicável, porque não acredito apenas que somente por intermédio da imprensa de direita, comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?!) tanta gente, principalmente a classe média, tenha se insurgido contra o governo distributivista e progressista do PT.

Evidente que também agiram por vingança contra o Lula, a Dilma e o PT, que desagradaram a classe média e os ricos a partir da hora que elas viram a empregada assinar carteira de trabalho, o porteiro comprar carro ou celulares, o atendente de balcão ter acesso à passagens de avião e ir à Disney, além de ver negros, índios e pobres entrar nas universidades públicas e comer nas praças de alimentação dos shoppings frequentadas por seus filhos brancos ao tempo que sectários, dentre muitos outros direitos e benefícios que os governos petistas propiciaram às classes populares.

A partir daí, meus camaradas, o ódio da pequena e grande burguesias, a ter como combustível infernal a ignorância e o preconceito, queimou como rastilho de pólvora, em meio à sociedade de alma escravagista.

Portanto, o buraco em que o Brasil se mete há muito tempo é mais embaixo, porque irremediavelmente profundo, pois remonta à história de escravidões deste País, cuja sociedade se revolta e opta por golpes de estado, pelo desmonte do Estado nacional e pela absurda e surreal extinção de seus próprios direitos.

Como os previdenciários e trabalhistas, dentre muitos outros, além de verem in loco o fim da grande maioria dos programas de inclusão social efetivados pelo governos petistas, que movimentaram a economia, a garantir empregos, manter os brasileiros em suas cidades natais e a garantir segurança alimentar e acesso aos estudos às crianças, aos adolescentes e aos jovens.

Então, pergunto ao leitor:

“Como podem o Felipe Neto e tantas pessoas de incontáveis áreas de atuação e de atividade humana não perceberem que estavam contaminados pela ignorância e pelo o ódio?”

Respondo: “O analfabetismo político e os preconceitos de classe e raciais levam a esse estado de beligerância, se você, cara pálida, não se vigiar e não se instrumentalizar para ter acesso ao conhecimento”.

Quero afirmar que é necessário e urgente saber da história do Brasil, da sociedade que aqui vive, dos partidos, os principais que estão em atividade e os que foram extintos, além de definitivamente compreender que o País é racista, misógino, homofóbico e sectário.

Somente assim, por meio de compreensão e conscientização, se poderá combater o fascismo, enfim, esse estado lamentável de coisas, que atualmente assombra o País.

E não para por aqui.

Para você não cair em armadilhas é salutar começar a ler sobre o que representam e o que pensam as lideranças partidárias e sociais, a exemplo de Lula e Dilma Rousseff, além de evidentemente entender quem são os políticos e a parte da sociedade brasileira que deram e continuam a dar apoio a governos militaristas, neofascistas e ultraliberais, como o governo do político de extrema direita, o inconsequente e bárbaro Jair Bolsonaro.

Contudo, fico muito à vontade e satisfeito por uma pessoa jovem como o Felipe Neto, que conseguiu ter sucesso tão cedo em sua atividade profissional fazer um sincero mea-culpa e reconhecer que passou dos limites contra a presidente Dilma Rousseff, que foi alvo de um golpe bananeiro de estado e vítima das piores barbaridades em forma de palavras e imagens, que tinham por finalidade manchar sua imagem moral e política.

Ataques sem precedentes, brutalmente misóginos, contra a primeira mulher que se tornou presidente neste País escravocrata e pleno de preconceitos, assim como crimes praticados pelos maiores usurpadores e canalhas já vistos após a redemocratização do País, que se associaram para formar um consórcio golpista liderado por Justiça, MPF, PF, Exército, imprensa de mercado e a direita partidária em maioria no Congresso Nacional.

Aém da classe média idiotizada, a reverberar o ódio propagado pela imprensa dos coronéis midiáticos, nas ruas de todo o País, sendo, inclusive, contra seus próprios direitos.

A verdade é que a direita e a extrema direita com o apoio de uma classe média, que está a comer fogo e a levar ferro ao ficar desempregada, perder seus direitos, ter os salários achatados e perder o poder de compra terá de urgentemente rever seus conceitos, valores e princípios e lutar pela retomada da democracia e do estado democrático de direito,.

A exemplo de Felipe Neto, que há algum tempo reconhece o erro que foi entrar na onda do golpismo, que terminou em neofascismo e ultraliberalismo, que levou os pobres a humilhações, pois a passar fome e a entrar na fila do osso nos açougues e mercados da vida.

Quando se juntam o analfabetismo político, a ignorância sobre a história do Brasil, o desconhecimento dos 300 anos oficiais de escravidão, além de inúmeros preconceitos que tomam a alma e o espírito de milhões de brasileiros, compõem-se uma química diabólica, cujo resultado é o que se vê no Brasil atual: fome, miséria, violência, enfermidades somadas às políticas públicas econômicas e sociais draconianas e perversamente excludentes.

Políticas que evidenciam, sem sombra de dúvida, a ausência de humanismo e de cuidado com os interesses do País e com a população, principalmente a mais pobre e que por isso vive no fio da navalha.

Ainda bem que Felipe Neto reconhece seus erros e se divorcia de todo esse jogo bruto e infame perpetrado pelos neoliberais e fascistas de índoles imperialistas, que estão a arrasar a autoestima dos brasileiros, que irão votar novamente para presidente em outubro de 2022. É isso aí.

Davis Sena Filho

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS