Unidos da Tijuca vai mostrar a força do campo na Marquês de Sapucaí

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Escola de Samba Unidos da Tijuca

A Unidos da Tijuca, última escola a entrar na avenida no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial do Rio, vai levar o campo para a Marquês de Sapucaí.

O carnavalesco Mauro Quintaes informou que o enredo Semeando sorriso, a Tijuca festeja o solo sagrado, que vai destacar a terra e o homem que tira dela o seu sustento, é bem brasileiro.

E isto está caracterizado em uma parte do texto de apresentação do enredo: Na beira da estrada. /O sol a pique,/ Brota o suor,/Mãos calejadas/Ao manejo da enxada.

Na Tijuca, o trabalho de criação é feito por uma comissão composta pelos carnavalescos Mauro Quintaes, Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo. Desde o início, eles sentiram que precisavam desenvolver o projeto dentro do orçamento da escola para este ano.

Eles contavam com o patrocínio de empresas de agronegócios e apoio da cidade de Sorriso,Unidos no Mato Grosso, que não se concretizou. Para Mauro Quintaes, esse é o momento em que a criatividade dos carnavalescos é posta em questão.

“É aí que você prova sua capacidade. O carnavalesco tem de ser parceiro da direção da escola. Não adianta ficar dizendo eu quero, eu quero. Tem de ser parceiro. A situação é X e temos de trabalhar dentro desse limite. A gente faz essa parceira com o presidente Fernando Horta. Quando os projetos são apresentados ele diz: isso dá, isso não dá. Isso facilita nossa relação e os materiais chegam.”

Segundo Quintaes, dez dias antes do desfile faltavam apenas detalhes finais de pintura de arte nas alegorias e terminar o carrinho da comissão de frente, que sempre fica por último.

O presidente da escola, Fernando Horta, disse que, para não prejudicar a criação dos carnavalescos, a saída foi fazer cortes de despesas em outras áreas.

“Tivemos de cortar uma série de gastos que não eram espetáculo, como outros eventos que a escola fazia para promover o carnaval. Infelizmente, este ano não pudemos fazer, mas a escola conseguiu fazer o carnaval que estava projetado pelos artistas.”

O samba-enredo é considerado um dos pontos fortes da Tijuca em 2016. Mauro Quintaes lembrou que, nos últimos anos, embora a escola fizesse um bom desfile, não conseguia ter no samba um destaque, mas este ano a história deve ser diferente.

“A escolha do samba foi maravilhosa. A disputa foi muito boa. Uma boa sinopse [texto preparado pelos carnavalescos para explicar o projeto do enredo que serve de base para fazerem a letra do samba] gera um bom samba. A Tijuca estava muito carente de um bom samba nos anos anteriores. Até veio bem, mas o samba nunca pontuou. Certamente, o samba deste ano é maravilhoso e inspirou todo mundo até a trabalhar melhor e cantar melhor. O diferencial da Tijuca este ano é o samba-enredo”, acrescentou o carnavalesco.

Conforme Quintaes, em outros quesitos a escola não deve ser surpreendida com notas menores, porque manteve o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Julinho e Rute, que costuma receber boas notas.

“A Tijuca incorporou a leitura de expressão corporal nos carros, que foi uma herança do Paulo Barros carnavalesco que criou na escola um estilo de alegorias vivas. Vamos no mesmo estilo, mostrando qualidade e com a diferença de que, com um samba bonito, vale muito mais a pena”, concluiu o carnavalesco.

Cristina Indio do Brasil

OUTRAS NOTÍCIAS