Após gestação arriscada, gêmeas nascem ‘de mãos dadas’

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Quando ainda estavam na barriga da mãe, as gêmeas Jenna e Jillian já eram literalmente inseparáveis. Devido a uma formação atípica, a gravidez monoamniótica, as duas dividiam espaço num mesmo saco amniótico antes de nascer. Por isso, desde de março deste ano, a mãe Sarah Thistlethwaite precisou ficar internada, acompanhando de perto os sinais vitais das filhas e seu estado de saúde. Após a cesárea, na última sexta-feira, as gêmeas não romperam seus laços e vieram ao mundo de mãos dadas.

Segundo o portal do Hospital Infantil de Akron, onde as gêmeas nasceram, a gravidez monoamniótica é muito arriscada. Com pouco espaço, os bebês podem amassar algum dos cordões umbilicais ou até mesmo enrolá-los em volta do pescoço do irmão. Desde 14 de março, a situação das crianças era acompanhada de perto pela equipe do hospital.

A gravidez de Sarah e Bill Thistlethwaite foi cheia de surpresas. Pais de Jaxson, com 1 ano e 3 meses, eles não esperavam mais filhos tão cedo, e os primeiros testes realmente não confirmaram. A mãe teve que fazer vários exames de sangue para se certificar da gravidez e garantir que ela estava evoluindo. E foi apenas com 19 semanas, quase cinco meses, que eles descobriram que esperavam gêmeos.

“A técnica (de ultrassom) disse ‘Temos dois’, e o meu marido perguntou: ‘Dois o que?’. ‘Dois bebês!’. Era uma sala muito silenciosa. Ficamos em choque por um tempo e, então, começamos a rir descontroladamente. Foi uma grande surpresa para nós”, afirmou Sarah, em entrevista ao portal do hospital.

 

Semanas depois, o casal descobriu que as gêmeas compartilhavam o saco amniótico, e Sarah se internou. A família e os médicos decidiram agendar o parto entre 32 e 34 semanas de gestação, no dia 9 de março, bem a tempo de estar com as filhas nos braços no Dia das Mães. Tudo correu bem, mas as meninas precisarão passar um curto período internadas, já que nasceram prematuras.

Fonte: Extra/ Foto: divulgação

OUTRAS NOTÍCIAS