Tempo - Tutiempo.net

Brasileira vítima de tráfico infantil procura mãe biológica

A jovem viveu em Paris, na França e está de volta ao Brasil em busca de suas origens.

Se um minuto de dúvida já é capaz de perturbar alguém, imagine conviver 29 anos com uma delas? É assim que vive a paulista Charlotte-Cohen Tenoudji que, até hoje, não sabe quem é sua verdadeira mãe. Ela foi vítima de tráfico infantil nos anos 1980, e acabou passando toda a sua infância com um casal completamente desestruturado emocionalmente.

Foi com menos de um ano de idade que Charlotte chegou a Paris, na França, após ter sido vendida a um casal francês pela dona de um orfanato. Segundo ela, o ambiente em que cresceu era extremamente perturbador:

— Minha mãe adotiva tinha transtorno bipolar e meu pai era muito violento: além de alcoólatra, ele usava drogas.

No fim da década de 1980, a jovem foi entregue ao Orfanato Menino Jesus, na cidade de São Paulo, coordenado por Guiomar Marsinii e seu marido, Franco. Eles convenciam mulheres jovens e grávidas em situação de desespero a não abortarem as crianças, mas, sim, doarem-nas para que “pudessem ser adotadas”. Quando chegava a hora do parto, as jovens, normalmente de baixa renda e sem estrutura para criar os filhos, eram levadas a um local também coordenado por Guiomar. Assim que os bebês nasciam, a mulher os levava diretamente para o orfanato.

Fábrica de bebês: hospital na Índia é desmascarado por realizar esquema de tráfico infantil

Antes mesmo do nascimento, a transação já começava: a dona do orfanato entrava em contato com casais estrangeiros que queriam ter filhos, e recebiam quantias absurdas de dinheiro para “facilitar o processo de adoção”. Os recém-nascidos em registrados por uma funcionária de Guiomar, que alegava ser mãe para poder sair com as crianças do País.

A venda de Charlotte rendeu ao casal Marsinii mais de R$ 100 mil, de acordo com Jefferson Aparecido Dias, um dos procuradores responsáveis pelo caso.

Ainda criança, a mulher conta sempre que questionava sua mãe adotiva sobre quem era família verdadeira, mas a jovem era bombardeada com gritos e exaltações. Cansada de mentiras, aos 14 anos, resolveu procurar os documentos que comprovavam sua adoção. Não havia nenhum. Então, ela decidiu enfrentar o medo e perguntou aos “pais” onde estavam os papeis da adoção. Mais uma vez, não obteve resposta. Não demorou muito para que Charlotte entendesse o que realmente havia ocorrido: a Justiça francesa logo descobriu o caso de tráfico e a tirou de casa. Ela passou a viver em um internato na capital francesa, onde morou dos 16 até os 20 anos.

Depois de se formar na faculdade e guardar uma boa quantia de dinheiro, em Paris, Charlotte resolveu vir para o Brasil em busca de sua verdadeira mãe — saga que, até hoje, não conseguiu concluir. Procurou a dona do antigo Orfanato Menino Jesus, na tentativa de estabelecer um contato e pedir informações, mas a mulher foi relutante. Hoje, ela mora no Rio de Janeiro.

Foi devido à tanta recusa por parte de Guiomar que Charlotte não viu outra escolha senão procurar a Justiça que, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão no orfanato, encontrou provas concretas do esquema de tráfico infantil. Contudo, o casal Marsinii não pôde responder pelos crimes que cometeu, uma vez que ocorreram há mais de 20 anos — o que gerou prescrição. Charlotte desabafa:

— Não me importava se ela seria ou não presa, não era o que eu queria. Só queria encontrar minha mãe verdadeira.

O caso da garota ganhou grande repercussão por meio das redes sociais e de sua participação na série de depoimentos que eram transmitidos ao fim da novela Salve Jorge, da Rede Globo, que foi ao ar em 2012. Amigos e até mesmo desconhecidos começaram a ajudá-la, divulgando sua página no Facebook Quero encontrar minha mãe no Brasil.

Em São Paulo, a jovem foi convocada para um tribunal, com Guiomar e a mulher que a registrou, Maria das Dores Pinto da Mota. Segundo Charlotte, esta última só chorava e se desculpava, dizendo que Guiomar a havia obrigado a realizar o processo de adoção ilegal.

 — Já Guiomar era um gelo impossível de ser derretido, se recusava a falar, afinal, ela não poderia ser presa. Nada poderia acometê-la mesmo evitando se pronunciar, uma vez que o caso estava prescrito.

Segundo a procuradora do Ministério Público Federal, Priscila Schneiner, a punição para crimes de tráfico de pessoas é, sim, a prisão — e a pena varia de acordo com a intenção da comercialização ilegal.

— Tanto ela quanto a mulher que levou a menina para a França seriam presas se o caso não tivesse ocorrido há mais de vinte anos. As punições para esse tipo de crime variam de acordo com o intuito pelo qual a criança estaria sido vendida.

Tráfico de crianças: conta em rede social vende e até oferece de graça bebês recém-nascidos

Polícia mais atenta inibe crime

De acordo com os últimos dados sobre tráfico infantil divulgados pelo Ministério Público, o ano de 2013 registrou 254 casos do crime. Priscila afirmou que a Polícia Federal tem aumentado o controle tanto nos aeroportos quanto nas fronteiras, onde policiais à paisana são devidamente treinados para identificar comportamentos duvidosos principalmente das crianças.

— Uma das principais formas de identificar tentativas de tráfico infantil em aeroportos é observar o comportamento das crianças: elas normalmente não ficam à vontade com pessoas estranhas. E esse é o principal ponto.

O caso de Charlotte foi essencial para que outros casos de tráfico infantil fossem desvendados. Contudo, a jovem, que hoje vive no Rio de Janeiro, ainda não desistiu de encontrar a sua mãe verdadeira. Recentemente, ela criou um projeto no Catarse, onde pede ajuda financeira para que consiga, sozinha, bancar uma busca mais aprofundada por toda São Paulo. “Essa é minha última esperança”.

— Fico feliz por poder ter ajudado outras pessoas a encontrarem suas mães verdadeiras. Mas sinto que nunca vou me sentir realizada até que eu encontre a minha.

Para contribuir com a campanha, acesse o site do Catarse.

Do R7 com colaboração de Talyta Vespa estagiária

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS