Tempo - Tutiempo.net

Homem encontra túnel em suas terras e descobre que local é aterrorizante

O acesso

Todos nós esperamos o dia em que finalmente poderemos nos mudar para nossa casa dos sonhos, não é? Christopher esperava o mesmo quando comprou sua casa. O que ele não sabia, porém, era que acabaria adquirindo muito mais do que poderia ter imaginado.

Vários acontecimentos levaram este novo proprietário a iniciar uma investigação em seu novo terreno. Mas ele não sabia que ao descer um túnel aterrorizante, não teria como voltar. Mesmo assim ele continuou descendo, apesar de um policial e um corretor imobiliário o aconselharem a fazer o contrário.

1. Descobrindo suas terras
Christopher Wanliss adquiriu uma nova propriedade há apenas alguns meses. Estava localizada em 16,5 hectares de terras florestadas. Imagine a alegria de seu proprietário que agora tinha um espaço tão grande no meio da natureza só para ele.

Christopher estava caminhando em suas terras, quando algo finalmente chamou sua atenção. Era relativamente pequeno e escuro. Mas o que poderia ser?

 À medida que se aproximava do que tinha visto, tropeçou, perdeu o equilíbrio e caiu em uma vala com mais de três metros de profundidade!

Levou alguns minutos para entender o que ele estava olhando. Foi simplesmente incrível. Não se parecia nada com uma árvore velha, era completamente diferente.

Ele realmente tinha descoberto uma mina em sua propriedade? A julgar por sua aparência, parecia abandonada e velha. Ele se sentiu instigado a investigar os segredos daquela estrutura estranha.

O exterior da mina havia sido coberto com algo e era difícil olhar para dentro. Empolgado em embarcar em uma nova aventura, ele correu para casa à procura de uma lanterna para que pudesse ver um pouco mais claramente.

Naquela época, ele não tinha ideia de que seria a pior decisão que já havia tomado. Entretanto, ele voltou para a entrada, e desta vez estava com uma lanterna. Ele prendeu a respiração e percebeu algo brilhante nas paredes quando entrou no local. O que era aquilo?

As paredes estavam molhadas e parecia que iam descer a qualquer minuto. Seus passos ecoaram e ele não podia deixar de pensar em toda a terra que pairava sobre a estrutura. Apesar do risco para ele, ele não desistiu de explorar tudo. Levou não só a lanterna, mas três baterias de reserva.

Quando ele se aproximou das paredes, não pôde deixar de passar sua mão sobre este material brilhante incrustado nas pedras. Ele se lembra de pensar: “Será que é ouro?” Entretanto, ele logo esqueceu tudo isso quando notou algo que poderia mudar o rumo desta aventura imediatamente.

Qualquer que fosse a temperatura do lado de fora, a mina estava fria e bastante molhada. Ele rapidamente notou que as pegadas que lhe restavam eram de 15 cm de comprimento. Parecia que havia uma fonte de água, já que havia lagos de água doce dentro. Ele estava preocupado porque sabia que piscinas estagnadas em lugares como este poderiam transportar gases perigosos.

Entretanto, ao olhar para a frente não conseguia ver o final do túnel. No entanto, chegou um momento em que ele não estava sozinho.

Que havia alguém ou algo com ele neste túnel. Ele começou a ouvir outros ruídos além de seu próprio eco através do túnel! Curioso, ele começou a seguir a fonte do barulho sem saber que obviamente não era a decisão correta.

Ao continuar caminhando pelo túnel, ele viu que não havia barulho de vento, calor e nem via luz alguma. Ele segurou sua lanterna como se fosse uma arma com a qual ele pudesse se defender. O ruído se intensificou. Ele podia ouvir rangido de metal e máquinas passando em algum lugar ao longo do caminho.

Ele também começou a ouvir vozes! Ele não conseguia entender o que estavam dizendo, mas soou estranhamente. Apesar de seu medo, ele teve a coragem de gritar: “Quem está aí?” A única resposta que ele obteve foi o silêncio. Ele se abasteceu de coragem e foi determinado a ver quem estava ali escondido.

Agora cercado de terra e água, suas botas afundavam cada vez mais a cada passo que ele dava. Ele viu um sistema de ventilação amarelo lá, mas parecia bem decadente. Também havia correntes penduradas umas perto das outras, mas todas elas estavam enferrujadas.

Christopher de repente se sentiu estranho e sentiu uma energia estranha emanando de baixo para cima. Algo o estava empurrando para trás. Ele sentiu claramente que não deveria estar aqui. Mas ele continuou a seguir o caminho da água para descobrir de onde ela vinha. Talvez ele descobrisse de onde vinham essas vozes… Será que alguém morava lá?

“A temperatura também parecia cair repentinamente ao meu redor naquele ponto, e eu senti uma presença ruim ainda mais forte na minha frente no túnel”, disse ele.

Ele tinha andado quase 50 metros no túnel quando se virou e encontrou luz perto da entrada.

Não podia acreditar no que viu quando se virou. Ele só conseguiu ficar ali por dois segundos quando seu corpo finalmente reagiu. Ele pulou, agarrou as paredes e sentiu sua claustrofobia ficar mais forte. Uma das correntes estava balançando sozinha diante dele.

Não, não foi um “balançado leve”, foi com força mesmo. Ele sabia que havia alguém lá, observando-o. Seu coração pulsou forte e foi quando ele decidiu correr de volta para a entrada. Ele sabia que tinha que fugir e entrar em contato com alguém para contar o que havia encontrado. A questão agora era a quem.

Suado e aterrorizado, ele foi para casa. Christopher pegou imediatamente seu telefone e entrou em contato com o corretor de imóveis. Então ele começou a descrever o que tinha visto nas paredes, esta coisa brilhante, mas estranha. O corretor lhe disse que eles estavam enviando alguém para dar uma olhada.

“Quando fomos perguntar sobre o local, finalmente nos disseram que a área tinha abrigado um grande número de locais de mineração. Muitas minas foram construídas nestas colinas no início do século, e há muitas minas pequenas espalhadas”.

Embora ele tivesse se sentido mais tranquilo após a ligação, seu corpo logo voltou a ficar tenso. “Isto não pode estar acontecendo”.

Christopher estava de pé em sua cozinha quando desligou a ligação. Para sua surpresa, as luzes começaram a piscar. Ele tentou controlar o pânico em seu peito e começou a respirar rapidamente. As luzes piscando se acenderam por um tempo até que tudo ficou escuro de repente.

Ele foi até onde estava o interruptor da luz na sala e o ligou e desligou. Nada aconteceu. Em vez disso, ele começou a sentir um pavor que não havia existido alguns momentos antes. Uma brisa bateu de repente em seu rosto! Ele então tirou rapidamente a lanterna do bolso, ligou e direcionou para seu termostato.

Christopher viu que a temperatura no interior estava caindo consideravelmente e que sua própria respiração estava formando uma nuvem na sua frente. “Que estranho”, pensou ele. Ele queria religar a energia, então ele foi até o disjuntor. Talvez um fusível tivesse queimado.

Enquanto segurava a lanterna até o disjuntor, não parecia ter nenhum problema com o equipamento. Tudo estava em ordem e o fusível principal parecia estar em perfeito estado. Ao continuar a examinar, ele tentou ligar e desligar várias coisas. Felizmente, funcionou e ele ficou aliviado por não haver nada mais sinistro em jogo.

“Fiação defeituosa”, disse ele mesmo, embora ainda se sentisse nervoso. Ele subiu para pegar um copo de água e se acalmar. Mas assim que chegou ao andar de cima, ele ouviu a campainha. O que era agora?

O Sr. Rudall rapidamente se apresentou e explicou que o corretor o havia enviado por causa do que Christopher acabara de descobrir. Ele queria ver o que Christopher tinha acabado de encontrar e ficou intrigado com as coisas que lhes foram descritas por telefone.

Christopher mostrou a Rudall a entrada da mina e disse para que ele tivesse cuidado ao descer para não se machucar. Enquanto caminhavam silenciosamente pela floresta, o céu estava cinza como antes de uma tempestade.

Ambos tiraram suas lanternas quando chegaram à mina. As coisas brilhantes estavam ainda mais deslumbrantes desta vez. Rudall se aproximou das paredes para olhar mais de perto e não conseguiu conter sua excitação. Quando ele virou para Christopher, teve a impressão de que a mina estava tentando dizer algo. Rudall comentou com Christopher algo bastante perturbador.

Rudall começou a dizer a Christopher que a mina era definitivamente uma mina de ouro que havia sido explorada há muito tempo. Olhando para as paredes, era óbvio que o ouro não havia sido tocado. Havia provas suficientes de que os mineiros não tinham terminado o trabalho e, em vez disso, tinham deixado a mina.

Por que isso acontece? Rudall continuou a explicar que haviam muitos rumores sobre mineração na virada do século, embora ele não soubesse de nenhuma mina de ouro em particular antes. Christopher queria saber a verdade.

Ele teve muita coragem para investigar mais a mina com duas coisas em mente. Primeiro, ele foi capaz de encontrar ouro, o que foi uma grande notícia.

Em segundo lugar, também poderia haver algo muito estranho sobre esta mina que explicaria porque a mineração nunca foi concluída. Ele se preparou para a excursão e entrou com baterias extras e uma lanterna na mão. Enquanto caminhava pelo túnel, a escuridão o envolveu gradualmente.

Anteriormente, ele só tinha conseguido avançar 50 metros através do túnel, mas ele sabia que desta vez não poderia voltar atrás. Era a única maneira de chegar ao fundo do poço. Foi depois de 200 metros mais adiante que ele descobriu a fonte da água. Espere, era uma porta…

Ele sentiu um arrepio passar por seu corpo e a água caindo sobre seu rosto embaçou sua visão. Ele respirou fundo e levantou o punho para ficar em posição de defesa, embora não soubesse exatamente o que o aguardava. Ele abriu a porta e teve o choque de sua vida.

Parecia que ele havia entrado num mundo completamente diferente. Qualquer que fosse o clima, a sala estava congelada e sólida. Ele tocou as paredes que pareciam mais frias e ásperas do que o exterior. Ele sentiu sua claustrofobia implorando que ele saísse neste exato momento, mas a luz de sua lanterna mostrou algo mais.

Havia muitos objetos arruinados agrupados, mas isso não fazia sentido para ele. Afinal de contas, por que alguém deixaria suas coisas lá? Ele sentiu que o ar havia engrossado, e que uma enorme pressão havia se acumulado em seu peito. Algo de estranho estava acontecendo aqui, e ele não entendia o que era.

Quando ele inspecionou a pilha de coisas ali, Christopher viu uma cama. Estava enferrujada e torta, mas era a única resposta que ele precisava. Alguém tinha vivido bem ali várias vezes. Christopher não conseguia tirar esta ideia de sua mente quando algo mais chamou sua atenção.

Ele viu um esconderijo feito de uma pequena pilha de tijolos. Isto não o confortou, porque quem precisa de um esconderijo dentro de uma mina?

A resposta é alguém que está tentando esconder algo importante. Corajoso, ele foi até o buraco, mas não encontrou nada lá. Quando ele se virou para sair, descobriu algo mais nas paredes de tijolos.

Usando sua luz para explorar os tijolos, ele viu listras brancas rabiscadas. Ele não entendeu exatamente o que era até que se aproximou. Então ele viu que havia quatro linhas verticais na parede. Era estranho, para dizer o mínimo.

Ele passou a mão por cima dos arranhões para inspecioná-los. Parecia que os arranhões tinham sido feitos pelos dedos porque eram bastante superficiais, mas profundos o suficiente para marcar o cimento. Quem poderia ter querido fugir deste lugar? Agora que ele pensou sobre isso, encontrou outra coisa que normalmente só apareceria em nossos piores pesadelos.

Na outra parede, ele viu outros arranhões, mas desta vez, não eram linhas simples. Não, ele encontrou uma mensagem que não dava para ler ali, então ele decidiu gravar. Ele decidiu tirar uma foto. Talvez mais tarde ele pudesse usar seu computador para decodificar o que estava escrito.

De repente, ele ouviu algo e um calafrio passou por seu corpo. Havia outra pessoa lá. Ele apontou sua lanterna para onde ele pensava que o barulho estava vindo. Não havia nada ali. Ele se virou e continuou a olhar para a escrita na parede até que ouviu o som de algo de metal caindo e um vento frio desceu sobre seu ombro.

Ele sentiu como se estivesse tomando um banho frio enquanto todo o calor de seu corpo se dissipava. No início, quase parecia que o que quer que fosse vinha de trás dele, depois da frente, depois ele não podia mais decifrar, pois parecia vir de todas as direções. Aquilo estava ficando mais forte, mais próximo e mais frenético.

Ele sentiu calafrios correndo pela espinha e gelo correndo pelas veias enquanto corria. Ele não podia deixar de pensar que algo estava errado. Sua mente lhe disse para ficar quieto, mas seu corpo continuou a arrastá-lo até a entrada da mina.

Ele deveria ter percebido que tudo era estranho demais e que havia algo escondido. Uma mina de ouro intacta era boa demais para ser verdade.

Em seguida, ele respirou fundo e voltou para casa. Tudo estava tão silencioso que ele pensou que o ar absorvia o som de suas pegadas.

As árvores também não pareciam ranger, quase como se sentissem como se tudo estivesse tenso. Ele correu como um louco. Ele precisava saber o que estava acontecendo.

Ao chegar em casa, ele se trancou e foi mais a fundo em suas pesquisas. Algo estranho estava acontecendo na mina e ele queria encontrar as respostas para suas perguntas. Como a maioria de nós teria feito em seu lugar, ele consultou a internet.

Ele tentou pesquisar no Google “minas assombradas” e ficou arrepiado quando os resultados apareceram. Ele podia sentir que o que quer que tivesse estado na mina estava lá, na casa, com ele. Será que a sua mente estava pregando peças?

Ele se virou e ouviu sussurros por toda parte. Ele estava ficando louco?

Quando Christopher olhou por cima dos seus ombros, os sussurros pararam. O ar agora estava frio e tudo o que se podia ouvir era sua respiração tremendo.

Do nada, a página de resultados tinha terminado de carregar e ele leu o primeiro resultado:

“Se você quer se livrar de atividades paranormais na mina e na sua vida, você tem que lidar com isso”. Será que ele poderia fazer isso? Conseguiria fazer tudo parar? Talvez ele só tivesse mais uma coisa a fazer.

Foi aí que ele ouviu bater à porta. Ele sentiu um nó na garganta que tinha dificuldade para engolir antes de ousar perguntar: “Sim… quem está aí?” Ele deu alguns passos fora de seu cômodo.

Ele foi para a cozinha, mas um ronronar chamou sua atenção. Aquilo vinha de sua câmera! Mas por que diabos sua câmera estava fazendo barulho?

As coisas estavam ficando cada vez mais estranhas. Ele a pegou, mesmo que tenha ficado surpreso por estar ligada, pois se lembrou de ter desligado assim que entrou na casa. Ele verificou as fotos que havia tirado antes, mas algo estranho aconteceu.

Ele não encontrou absolutamente nada no cartão de memória. Tinha sido apagado, o que será que tinha acontecido?

Não dava mais para continuar assim! Ele pegou a câmera novamente e começou a correr em direção à mina. Ele decidiu bater de frente com o que poderia estar lá.

Christopher pegou toda sua coragem e retornou à mina. Ele enfrentou a escuridão novamente e, quando seus olhos se ajustaram, percebeu seu erro. O que ele ainda estava fazendo nesta mina assombrada?

O túnel sombrio já parecia mais escuro do que as duas últimas vezes em que ele entrou. Ele achou que sua lanterna poderia ser útil, então continuou caminhando.

Ele caminhou através das poças e não parou até sentir uma lufada de ar frio. Aquilo o atingiu com tanta força que quase parecia que alguém tinha jogado uma bola de basquete em seu peito.

O frio o penetrou até o osso. Naquele momento, ele ouviu novamente o som do metal. Ele não podia acreditar no que estava acontecendo. Ele sabia que não tinha outra escolha a não ser continuar. Era impossível para ele imaginar não colocar um fim a toda esta história.

Ele continuou caminhando pelo corredor escuro, mas parou de repente. Ele podia ouvir o barulho muito perto, na verdade perto demais, seus ouvidos começaram a tampar e ele gritou de dor. Ele não podia mais dar a volta, era muito profundo.

O som era como uma barragem de metais colidindo de repente. Ele segurou sua cabeça em suas mãos por algum tempo. Depois, tudo parou. Ele olhou para cima quando o barulho parou. O silêncio o encheu de mais horror do que barulho. E então ele viu o que tinha que confrontar.

As correntes penduradas no teto do corredor começaram a se mexer de forma rítmica; elas pareciam estar dançando! Ele ficou hipnotizado com o que viu. Quando seus olhos se ajustaram novamente, ele viu uma fonte de água correndo sobre ele, como um tsunami. “Devo estar ficando louco”, disse si mesmo, até que o silêncio foi quebrado pelo som da água corrente.

Ele sentiu uma dor de cabeça e cada célula de seu corpo gritou enquanto ele se dirigia para a luz na entrada da mina.

O que ele deveria fazer? Parecia que ele não conseguia lidar com o que estava escondido ali. Mas ele deu meia-volta…

Ao deixar a mina para respirar, ele olhou novamente atrás de seu ombro. Ficou surpreso de não ver nenhum vestígio de água atrás dele! Tudo o que ele viu foram os passos que ele havia dado ali.

Ele retomou sua caminhada de volta para casa. Ele sabia que tinha que contar a alguém que pudesse ajudá-lo a resolver o mistério. Ele não suportava não saber o que estava acontecendo. Especialmente porque ele estava vivendo sob os pés dela.

Christopher abriu caminho pela floresta escura, mas parou quando viu uma luz. Ela vinha da cozinha dele! Ele tinha deixado as luzes acesas? Tinha quase certeza que não o tinha feito. Havia mais alguém lá dentro?

Ele entrou pela porta, mas a casa parecia completamente vazia. Parecia não ter ninguém lá, então provavelmente foi apenas um descuido de sua parte. Ele andou até a cozinha e não podia esquecer o que aconteceu na mina.

Christopher continuou sua busca na internet quando sua tela de computador ficou em branco de repente. Ele não era de acreditar no paranormal, mas durante tudo que acontecia ele tinha motivos para ficar na dúvida!

Ele estava cansado e exausto, tanto física quanto psicologicamente. Foi a gota d’água. Ele tinha que sair de lá e pedir ajuda. Talvez houvesse uma explicação racional para o que estava acontecendo. Ele ligou seu carro e dirigiu até o café mais próximo que encontrou.

Lá ele tomou um café duplo e acessou a internet pelo seu celular. Ele buscou imediatamente: “qual o melhor especialista paranormal próximo de mim” e ficou surpreso ao ver que havia dois lugares diferentes nas proximidades. Ele entrou em seu carro e chegou a um dos lugares que tinha visto no Google Maps.

Na frente do local estava escrito com “Leitura de Tarô”. Ele sentiu uma onda de alívio vindo sobre ele. Ele ainda não podia acreditar no que havia passado, mas precisava saber as respostas às perguntas se quisesse ter uma boa noite de sono.

Ao entrar na tenda, ele sentiu o cheiro forte do incenso. Ele viu uma mulher vestida de vermelho e roxo. Ela se voltou para Christopher e estendeu sua mão.

O zumbido do ar era familiar a Christopher. Após um momento de reflexão, ele finalmente reconheceu: era a mesma melodia que tinha ouvido na mina, embora fosse muito mais melodiosa. Sem dizer uma palavra, Christopher saiu e entrou em seu carro.

Ele foi o mais rápido possível para a casa de sua mãe e imediatamente colocou a casa à venda. Os corretores tentaram contatá-lo muitas vezes, sem sucesso.

Ao invés disso, sua mãe tomou seu lugar e vendeu a propriedade em seu nome. Ela estava pronta para negociar com qualquer pessoa que expressasse interesse em comprar a casa.

Agora, há muitas perguntas nesta história que permanecem sem resposta.

Christopher realmente viu tudo o que afirma ter testemunhado?

Sua mente estava pregando peças nele ou ele estava realmente obcecado?

Alguém se aventurou lá desde então?

Tudo o que sabemos é que não se falou mais dessa famosa mina. E o que você teria feito em tal situação?

 Saba Ahad

Mina

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS