PLANALTO COMEMORA VITÓRIA NO TSE POR ANTECIPAÇÃO, MAS PREVÊ TEMPESTADE

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Temer será denunciado por corrupção e obstrução judicial

O Palácio do Planalto já respira aliviado com as indicações de que deve vencer o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com quatro votos favoráveis e três contrários, mas começa a traçar estratégias para a próxima barreira, a possível denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) sendo preparada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Em guerra quase declarada contra a PGR, o Planalto trabalha com a intenção de arregimentar parlamentares da base para barrar a aceitação da denúncia, que precisa passar pela Câmara dos Deputados para prosseguir.

“O Congresso vai ter que optar se segue a orientação do Ministério Público e aceita a denúncia ou se mantém as relações com esse governo. É optar pela política ou pela criminalização da política”, disse uma fonte palaciana.

O Planalto tem defendido que se o próprio presidente está sendo atacado pela força-tarefa da Lava Jato, nenhum dos parlamentares estaria a salvo e a melhor opção seria optar pela “política”.

Vencer a denúncia é a próxima barreira do Planalto, dizem as fontes palacianas. Em tese, não é algo tão complicado, já que o governo precisa de apenas 172 votos para impedir que o processo contra Temer seja aberto e, nas últimas votações, tem conseguido pelo menos 260 votos.

Uma das fontes alega que, apesar do risco de debandada de integrantes da base -especialmente do PSDB- parte da base estaria ainda mais coesa depois das denúncia. “É um grupo menor, mas que está muito forte”, disse a fonte, citando PP, PR e PTB entre os países que mantém o apoio a Temer.

A denúncia, no entanto, não é o único problema. “O governo sabe que não tem nada resolvido. Existem coisas satélites que podem se tornar problemas muito grandes”, disse uma outra fonte governista. “O TSE não resolve a crise política”, acrescentou.

Entre as “pequenas coisas” estão uma possível delação do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, homem próximo de Temer e que foi preso este final de semana por ter recebido propina da JBS. Além disso, não se sabe o que mais poderá vir da operação Lava Jato ou até mesmo novas gravações dos irmãos Batista, donos da JBS.

DESEMBARQUE

Além disso, o governo pode perder em breve o principal partido da sua base, em um momento em que precisa da base para tentar debelar a denúncia contra Temer e ainda mostrar que tem controle do Congresso. Os tucanos se reúnem na segunda-feira para decidir se ficam ou não na base, independentemente do resultado do TSE.

“A saída não está consolidada, mas caminha firmemente para isso”, disse à Reuters um tucano de alto escalão. “E o problema nem é o PSDB sair ou ficar, é como fica o governo daqui para a frente, independentemente do resultado do TSE.”

Mesmo deixando o governo, o PSDB diz que continuará apoiando as reformas, mas teme o impacto de novas denúncias na governabilidade. E as eleições de 2018.

“Vencendo no TSE, o governo ganha um gás, pode recuperar o discurso. Mas o PSDB está preocupado com seu futuro político. Alguns já resistiam à aliança. Ficar associado a um governo problemático pode ser um peso que eles não querem encarar”, disse uma fonte palaciana.

Lisandra Paraguassu

OUTRAS NOTÍCIAS