Tempo - Tutiempo.net

Proposta do Senado tira Sérgio Moro das eleições de 2018, se seguir na Lava Jato

Sérgio Moro fica de quarentena.

Na noite passada, o Senado aprovou com folga (47 votos a favor e 9 contra) uma regra de “quarentena” para juízes e promotores que desejem disputar eleições.

Até agora, eram apenas seis meses, mesmo prazo abreviado para a filiação a partido, que no caso dos demais cidadãos é de um ano.

Juízes e promotores que quiserem concorrer, segundo propõe o Senado, agora terão de deixar a função dois anos antes do pleito e só a partir deste prazo poderão se filiar a partido político.

— Serão dois anos para se filiar e depois mais um ano para se candidatar — explicou o senador Romero Jucá, relator do projeto.

Em termos práticos: o Juiz Sérgio Moro só poderá ser candidato se deixar de atuar na Operação Lava Jato até outubro. Idem para Rodrigo Janot.

Três anos sem caneta certamente são capazes de reduzir Batmans a morceguinhos.

Estão aí o ex-presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, e seu twitter para mostrar-nos.

O Senador Fernando Collor, “mordido” com as apreensões espalhafatosa de ontem, foi ao paroxismo: queria  oito anos de “quarentena”, o que é, claro, um exagero.

Depois, baixou para quatro, mas acabou derrotado, embora o espírito da medida tenha sido preservado.

É claro que a definição legal do “sossega, Doutor” ainda precisa passar pela Câmara, mas não será fácil, pelo resultado, reacender o “ardor eleitoral” de Suas Excelências.

Ou, se o fizer, ele terá de ser escancarado por um abandono imediato dos cargos.

O que, claro, seria um duro golpe na credibilidade de tudo o quanto vêm fazendo até agora.

A aprovação da “megaquarentena”, de qualquer, foi um sinal de que os confrontos entre MP, Judiciário e o Congresso vão ganhar tamanho.

E não demora.

Fernando Brito

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS