Tempo - Tutiempo.net

Rússia libera imagens inéditas de teste com a mais potente bomba da história

A maior bomba nuclear do mundo

No último dia 20 de agosto a Rússia liberou imagens até então sigilosas do teste feito em 1961 com a Tsar-Bomba, bomba de hidrogênio RDS 220 e a mais potente bomba nuclear já criada no mundo.

As informações são do The New York Times.

A bomba foi detonada em outubro de 1961 e liberou uma energia estimada em cerca de 57 milhões de toneladas de TNT (dinamite convencional).

Ela foi desenvolvida entre os anos de 1950 e 1960, durante a corrida armamentista entre EUA e União Soviética.

Agora, a Rússia liberou 40 minutos de imagens inéditas do teste realizado. A filmagem aberta ao público tem 40 minutos. A bomba foi lançada na costa da Ilha Severny, perto do Oceano Ártico.

Com a potência de mais de 3.000 bombas atômicas de Hiroshima, a explosão pegou os serviços secretos dos Estados Unidos de surpresa e chocou o mundo.

Com oito metros de comprimento, a bomba pesava 27 toneladas. A “Tsar” estava equipada com paraquedas para retardar a descida – o que levou apenas três minutos – e dar tempo para o piloto se afastar.

A energia luminosa liberada pôde ser vista a uma distância de até 1.000 km, com céu nublado. A energia térmica era capaz de atingir e matar pessoas a 100 km da explosão.

A explosão produziu uma nuvem tipo cogumelo de 64 quilômetros de altura, o que equivale à altura de sete montes Everest. A onda de choque quebrou vidros a mais de 900 quilômetros da explosão.

Universidades e observatórios da França, Inglaterra, Japão, Estados Unidos registraram movimentos sísmicos causados pela explosão. Manifestações contra o teste nuclear aconteceram em várias capitais mundiais.

Na época do teste, a Casa Branca rapidamente emitiu um comunicado no qual o então presidente dos EUA John F. Kennedy declarou:

“O atual arsenal nuclear norte-americano é superior, em quantidade e qualidade, ao de qualquer outra nação. Os EUA têm poder militar suficiente para destruir qualquer nação que deseje iniciar uma guerra termonuclear”.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS